Depressão: Conceitos, Sintomas, Mitos e Tratamentos

Por que falar sobre Depressão?

Ser psicólogo, assim como em qualquer outra profissão, faz com que desenvolvamos certa antipatia perante alguns termos do senso comum. E o motivo nem sempre paira a arrogância ou o pedantismo, em grande parte das vezes a causa é o conjunto de danos que a desinformação pode causar a um grupo de indivíduos ou para a sociedade como um todo. O artigo de hoje vem exclusivamente para destrinchar, desmitificar e afastar do senso comum o conceito do grande mal do século XXI: a Depressão.

depression i am fine
Imagem obtida na internet

No lento drama d’um mergulhar de alma em uma lama movediça de pensamentos, emoções e sentimentos negativos e, quando pior ainda: naquele nada que não se pode ou se sabe nomear. Quanto mais se mexe mais se afunda. Quanto mais força se faz, menos intensidade se percebe. A principal causa do suicídio, que por sua vez se tornou a segunda maior causa da morte entre os jovens, se fosse alguma doença infecciosa, já seria considerada uma pandemia passível de decretar calamidade pública mundial.

Este artigo contou com as ilustrações do magnífico trabalho de arte e pesquisa do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram. Nele é ilustrado e escrito, com o auxílio de relatos de pessoas diagnosticadas com o transtorno.

Depression 3
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Você também poderá fazer o download do livro através deste link no Google Drive, mas pedimos que, em forma de retribuição pela qualidade do trabalho, curta a página no Facebook e a Siga no Instagram, exatamente para que mais pessoas possam conhecer este conteúdo de altíssima qualidade.

O Mal do Século

hole depression
Imagem obtida na internet.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 300 milhões de pessoas sofrem de Depressão no mundo inteiro. Uma população maior que a de habitantes do Brasil e quase que equivalente à dos Estados Unidos. Ainda de acordo com o órgão, o transtorno mental se tornou a maior causa de incapacitação ao redor do mundo, sendo mais comum (mas longe de ser exclusivo) em mulheres, falamos de algo que, na pior das hipóteses, pode levar quem sofra deste mal ao suicídio – a segunda maior causa de morte de pessoas entre os jovens na faixa etária dos 15 aos 29 anos de idade (OMS, 2019).

Sendo a depressão o transtorno mental que está relacionado à maioria de seus casos, estima-se que ao menos 800.000 pessoas cometam suicídio todos os anos. (Idem).

A Depressão é considerada um Transtorno de Humor. Mas o que é isso?

O Conceito de Humor

mascaras teatro grego
Nas festas dionisíacas, uma espécie de homenagem ao Deus da Mitologia Grega representante do vinho e da farra, máscaras eram utilizadas para designar as emoções, ou os estados de humor dos personagens que encenavam situações em um amplo espaço. Isso ocorria exatamente para que pudesse ser identificado pelo público, à distância, qual sentimento permeava aquela cena. Posteriormente, tais demonstrações deram origem às primeiras peças de teatro na Grécia Antiga. Imagem obtida na internet.

A palavra “Humor” deriva do latim “humore“, significando “líquido” em português. O humor é um estado afetivo, ou seja: é um retrato de como relacionamos nosso mundo interno com o mundo externo; como nossa mente se expressa através de nosso corpo; como equilibramos nosso eu ao mundo e as pessoas à nossa volta. E pode ser considerado mutável, assim como um líquido.

Foi associado durante algum tempo pela antiga medicina grega aos principais fluídos de nosso corpo (sanguefleumabílis amarela e bílis negra), como se estes fossem os verdadeiros responsáveis pela nossa saúde física e mental. Curiosamente, a medicina ainda utiliza, nos dias de hoje, a palavra “humor” para nomear certos líquidos do corpo humano. 

Contudo, apesar da palavra “Humor” ser algo frequentemente relacionado, inclusive pelo senso comum, à habilidade de fazer rir, esta não se resume a induzir alegria e riso através de nossas palavras e ações. O Humor pode ser considerado como aquela parte de nossa personalidade que irá, afetivamente, estabelecer uma conexão de nosso mundo interno com o “exterior”.

death humor
Na imagem uma caveira, envolvida em um manto todo preto com capuz (o que costuma ser uma representação da Morte), tomando um copo do que parece ser cerveja, pergunta a uma mulher loira, que acende um cigarro enquanto tem sobre a mesa um punhal, um vidro de comprimidos, um revólver e uma banana de dinamite: “Você está flertando comigo?”. Dando a entender que esta pessoa estaria prestes a cometer suicídio, por estar “flertando com a morte”. Abaixo a frase: “aqui está um pouco de “humor escuro popularmente apelidado de ‘humor negro’ no Brasil)”. Imagem obtida na internet.

Apesar de lembrar a definição de uma emoção, a principal diferença entre um estado de humor e um estado emocional está em sua duração. Uma vez que, em oposição aos instantes que pautam a duração de uma emoção, um determinado estado de humor pode permanecer por dias, semanas, meses e até anos. Podendo ser considerado deprimido, quando apresenta uma redução em sua “fluidez”, ou mais aflorado, elevado (e até maníaco) quando em maior atividade. Tais fatos irão definir nossa interação afetiva com o meio que nos cerca, bem como o conjunto de emoções e sentimentos que experimentaremos com maior ou menor facilidade e intensidade. Entenda a diferença entre Afetos, Emoções e Sentimentos clicando aqui.

O Conceito de Depressão

Depressão geo
A Depressão como forma de relevo, demonstrando o que o desgaste, ao longo dos anos, provoca numa estrutura geográfica de determinado local. Imagem obtida gratuitamente na internet.
 

É muito provável que a escolha do termo “Depressão” tenha derivado de seu homônimo na Geografia. Se bem for lembrado por quem está lendo, as aulas sobre os tipo de Relevo, no Ensino Fundamental, falavam sobre um local que sofrera grande desgaste por influência do vento e da água (fatores externos), durante anos, tornando-se uma espécie de buraco naquele espaço geográfico. O porquê deste casamento entre campos do conhecimento tão distintos entre si, talvez more nas palavras colhidas em relatos de parte daqueles que sofrem do transtorno: “é como se eu estivesse preso (a) /caindo em um enorme buraco”.

Critérios Diagnósticos

A Classificação Internacional de Doenças (CID-10) estabelece os espectros da Depressão dentro de sua seção de Transtornos de Humor (ou Transtornos Afetivos), localizados no intervalo das classificações F-30 e F39. Sendo as classificações do Transtorno Depressivo em específico localizadas entre F32.1 (Episódio Depressivo Leve) e F33.9 (Transtorno Depressivo Recorrente sem especificação).

No CID-10, a OMS define o que é considerado um Episódio Depressivo:

Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente apresenta um rebaixamento do humor, redução da energia e diminuição da atividade. Existe alteração da capacidade de experimentar o prazer, perda de interesse, diminuição da capacidade de concentração, associadas em geral à fadiga importante, mesmo após um esforço mínimo. Observam-se em geral problemas do sono e diminuição do apetite [o aumento também pode ocorrer]. Existe quase sempre uma diminuição da auto-estima e da autoconfiança e freqüentemente idéias de culpabilidade e ou de indignidade, mesmo nas formas leves. O humor depressivo varia pouco de dia para dia ou segundo as circunstâncias e pode se acompanhar de sintomas ditos “somáticos”, por exemplo perda de interesse ou prazer, despertar matinal precoce, várias horas antes da hora habitual de despertar, agravamento matinal da depressão, lentidão psicomotora, agitação, perda de apetite, perda de peso e perda da libido. O número e a gravidade dos sintomas permitem determinar […] [os] três graus de um episódio depressivo.

E, para das devidas diferenciações, também define o que é um Transtorno Depressivo:

[O]Transtorno caracterizado pela ocorrência repetida de episódios depressivos correspondentes à descrição de um episódio depressivo (F32.-) […]. O primeiro episódio pode ocorrer em qualquer idade, da infância à senilidade, sendo que o início pode ser agudo ou insidioso e a duração variável de algumas semanas a alguns meses.

Apesar de ser bastante criticado pela abrangência das interpretações possíveis de seus critérios diagnósticos, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) é amplamente utilizado no diagnóstico da Depressão. Sua caracterização engloba aquilo que está dentro do que é chamado de Transtorno Depressivo Maior, subdividido em episódio único ou recorrente, especificando também se em grau leve, moderado ou grave. Para o DSM-V, os critérios diagnósticos deste transtorno envolvem:

[A]Presença de pelo menos cinco entre os nove critérios.
[Os]Sintomas devem persistir por pelo menos duas semanas e um deles deve ser obrigatoriamente humor deprimido ou perda de interesse/prazer;

1. Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias, conforme indicado por relato subjetivo (p. ex. sente-se triste, vazio ou sem esperança) ou por observação feita por outra pessoa (p. ex., parece choroso) (Nota: em crianças e adolescentes, pode ser humor irritável);

2. Acentuada diminuição de interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia, quase todos os dias (conforme indicado por relato subjetivo ou observação);

3. Perda ou ganho significativo de peso sem estar fazendo dieta (por exemplo, mudança de mais de 5% do peso corporal em menos de um mês) ou redução ou aumento no apetite quase todos os dias. (Nota: em crianças, considerar o insucesso em obter o peso esperado);

4. Insônia ou hipersonia quase diária;

5. Agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias;

6. Fadiga ou perda de energia quase todos os dias;

7. Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva ou inapropriada (que podem ser delirantes) quase todos os dias (não meramente autorrecriminação ou culpa por estar doente);

8. Capacidade diminuída para pensar ou se concentrar, ou indecisão quase todos os dias (por relato subjetivo ou observação feita por outra pessoa);

9. Pensamentos recorrentes de morte (não somente medo de morrer), ideação suicida recorrente sem um plano específico, tentativa de suicídio ou plano específico para cometer suicídio.

Depression
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Um dos maiores problemas envolvendo o tratamento da depressão, segundo a OMS, está, mais ainda nos países sub-desenvolvidos, na falta de diagnósticos e principalmente nos diagnósticos equivocados a respeito do Transtorno – frequentemente atribuídos as definições amplas e vagas de seus critérios diagnósticos. Tais fatores comprometem desde o tratamento a pessoas que sofrem da condição, estendendo-se às estatísticas que entrarão em desacordo com a realidade que naquele local se apresenta.

Em seguida, ocorrendo de forma simultânea ao diagnóstico errado ou incompleto, vem a forma de tratamento oferecida. Não são raros relatos de diagnósticos que apontaram para um prognóstico limitado apenas ao consumo de antidepressivos, sem a indicação do tratamento psicoterápico.

depression diagnostico
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

O problema deste tipo de abordagem estritamente biológica é exatamente o que foi concluído em uma pesquisa da Universidade de Helsinque, na Finlândia, pelo renomado neurocientista Eero Castrén, em conjunto com o professor de farmacologia do curso de psiquiatria da Universidade de Columbia, em Nova York, René Hen.

depression efeito
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Estudando a plasticidade neuronal a partir do uso de antidepressivos, os pesquisadores chegaram à conclusão de que a efetividade do tratamento com antidepressivos apenas se comprovava quando havia uma combinação com a psicoterapia (Castrén, E., & Hen, R. (2013). Confira o estudo (em inglês) clicando aqui.

depression medos
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Tal afirmativa já vinha sendo defendida há algum tempo por profissionais da área da saúde mental, mas a comprovação do estudo endossa a eficiência de um tratamento em conjunto. Afinal, assim como qualquer outro transtorno, não se pode tratar apenas o sintoma – é preciso investigar e intervir na causa.

Depression 2
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.
Depression 4
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Distimia

A Depressão ainda pode aparecer em sua forma considerada mais “leve” e duradoura, a chamada distimia, classificada no DSV-5 como Transtorno Distímico (300.4) e dentro dos Transtornos Persistentes do Humor (F34.0), com o próprio nome de Distimia (F34.1). Sua condição pode permanecer por anos, sendo algo frequente a confusão do quadro com aspectos considerados “normais” à personalidade de suas vítimas.

Mais leve a nível de incapacitação, a distimia oferece constantes pensamentos negativos, marcados pelo pessimismo e característicos de uma baixa autoestima, uma elevada ou nula autocrítica do sujeito. Uma representação caricata e talvez fidedigna desta condição é encontrada no personagem Hardy, do desenho Lippy & Hardy da Hanna Barbera, famoso por seu bordão:

LippyHardy
Imagem obtida na Internet
 

Tratamento e Sintomas

Os sintomas, já descritos na definição, afetam os portadores no âmbito psicológico, social e até em nível neuro-fisiológico. Ainda não há um consenso na comunidade científica se os sintomas neuro-fisiológicos são a causa ou o efeito dos psicológicos (e vice-versa). Ou seja: ainda não se sabe ao certo se as alterações que o transtorno causa no corpo e no cérebro acontecem por causa de um determinado estado da mente do indivíduo ou se o que muda na cabeça deste paciente é uma causa direta daquilo que alterou a organização biológica de seu corpo. Uma espécie de questionamento semelhante ao famoso: “Quem veio primeiro? O ovo ou a galinha?”.

É exatamente por este motivo que o tratamento envolve psicoterapia e, nos casos em que a doença atinge seu nível grave ou moderado, a prescrição e administração de medicamentos específicos para que haja inibição da perda do principal hormônio responsável pelo humor: a serotonina.

depression não observável
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

O transtorno altera a vida social, a vida psíquica e até a atividade neurológica do paciente, gerando neste altíssimos índices de incapacitação. Áreas do Sistema Nervoso Central relacionadas ao prazer, à motivação e até à atividade psicomotora do sujeito se encontram com baixíssima atividade sináptica durante um episódio isolado ou (e mais ainda) em um transtorno depressivo. Veja a imagem a seguir:

mayo_c7_pet_depression1
Na imagem acima, a atividade sináptica, demarcada em amarelo e laranja, é comparada a partir do cérebro de um paciente Deprimido e outro Não Deprimido. Créditos na Imagem.

Também por ser tratar de uma condição onde a manifestação dos sintomas não se dá maneira explícita no corpo, ou seja, a percepção destes e de seus sinais é mais subjetiva (relacionada ao sujeito) do que objetiva (relacionada aos objetos, ao que se pode observar do meio externo). Sendo este fato bastante associado às tentativas de deslegitimação do Transtorno e do sofrimento experimentado por seus portadores.

Depression senso comum1
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.
depression senso comum2
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Tais fatores, alimentados pelo senso comum com ditos como “é falta do que fazer”, “é doença de rico” ou até “é frescura”, formam que pode piorar o quadro, uma vez o resultado destas falas se limitaria aumentar a dose de culpa – já muito presente nos pacientes que sofrem desta condição. A depressão é um Transtorno Mental que pode atingir todas as idades e classes sociais.

Depressão é Diferente de Tristeza

divertidamente_51
Personagem “Tristeza” da animação da Disney “Divertidamente”. Imagem obtida na internet.

Se a tristeza é uma emoção, a Depressão é uma condição. Uma emoção é uma resposta neuropsicofisiológica, pulsional e instintiva de um organismo ao ambiente que o cerca. Ou seja: é algo que ocorre no corpo, na mente e no cérebro por um breve momento, relacionada a um fator determinado para fins específicos. A tristeza tem seu fim assim que a próxima emoção tomar seu lugar. Não se trata do caso da Depressão.

Enquanto a tristeza pode ser uma emoção que irá se repetir por segundos, minutos ou dias, a depressão perdurará por semanas, meses e até anos na vida de um sujeito.

depression gosto
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

A tristeza dificilmente afetará as tarefas do dia-a-dia ou a performance no trabalho por um período significativo; bem como não provocará dores ou desregulará os ciclos do sono (circadianos), do apetite e da vida sexual a ponto de causar prejuízo cognitivo, nutricional, social e afetivo para quem a vivencia. Quem está triste não deixa de sentir o gosto dos alimentos.

Contrariando mais uma vez o senso comum, a Depressão também atingiu um dos maiores líderes religiosos do Brasil: o Padre Marcelo Rossi. Quebrando publicamente os alicerces argumentativos de quem dizia que o Transtorno era “falta de religião”. A Depressão, diferentemente da tristeza, traz déficits reais nas áreas cerebrais que integram a fala, a atenção e a concentração. E seria possível estabelecer e manter excelentes relações pessoais e profissionais com este desfalque?

depression fala
depression fala devagar
Imagens obtidas e publicadas no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Algumas vezes pude perceber em alguns pacientes uma fala sem muita articulação; uma fala lenta em que seu tom de voz não carregava mais a ênfase da vida. Era possível perceber a troca de nuances de volume, intensidade e tempo por um relato retilíneo e monótono na voz dos sujeitos. Era como se toda a carga emocional e afetiva daquele relato estivesse aprisionada dentro de um profundo buraco mal iluminado. Ao início da experiência clínica e teórica, eu mesmo me indagava se a fala de um paciente deprimido não seria algo “artificial”, “falso” e “forçado”. Hoje eu arriscaria dizer que sim, que de fato é. Mas não por alguma encenação ou defesa, muito pelo contrário: pela quantidade sobre-humana de esforço que é exigida do deprimido ao simples ato de interagir com outra pessoa. Ao simples ato de sentir qualquer coisa. Faltará energia, força e vigor para demonstrar uma”emoção” na fala. A verdade é que não lhe falta vontade e, muito menos, culpa pela falta de êxito em colocá-la em prática.

depression hdtv
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

O Blues, o estilo musical americano que de origem a inúmeros gêneros musicais, incluindo o Rock, ficou marcado por suas letras tristes, costumeiramente associadas à Depressão e à Tristeza. O estimulo musical acabou se tornando uma forma de se referir a um estado emocional e/ou de humor: “I’m blue today” (“Hoje eu estou triste”):

https://www.youtube.com/watch?v=4VBce5OvR-k

É Preciso Falar Sobre

O tratamento da Depressão pode ser longo e trabalhoso, tanto para o paciente como para o (s) terapeuta (s). Não raro será aquele relato de terapeutas que se sentiram “sugados” pela enorme carga afetiva negativa que acompanha uma sessão com um paciente depressivo. Daí a importância do próprio terapeuta sempre fazer terapia e supervisão.

Se há uma dificuldade na vida de um paciente deprimido é a da escuta. Ninguém quer escutá-lo; poucas pessoas permanecem por perto. O terapeuta deverá saber “pescar” as palavras que mais permeiam seu discurso, as dores que marcam seu corpo junto ao seu vocabulário e as sinalizações de seu sofrimento em seu rosto, suas vestimentas e cuidado consigo mesmo.

depression translate
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

A alavanca da melhora estará nas pequenas coisas: nos planos que começam surgir para o futuro, no súbito desejo de pintar as unhas; no ato de ir ao cinema ou tomar uma cerveja, mesmo que sem companhias. No inesperado “vou ali e já volto” em que a pessoa volta mesmo.

Lembro-me que o marco de melhora de um caso grave de depressão que atendi foi uma viagem, feita sem muito tempo de planejamento e sem companhias conhecidos. Duas coisas até então inéditas. Curiosamente, este evento somente foi perceptível ao paciente após alguns meses, quando, em uma objeção minha à sua autocritica direcionada a uma suposta ausência de iniciativa, independência e força de vontade, a viagem foi citada. Curiosamente, o quadro teve grande estabilidade após a tomada de consciência do significado que tinha aquela aventura.

depression group therapy
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Psicoterapias de grupo e até grupos de apoio também podem ser de grande efetividade. Uma vez que causam a percepção de que aquilo tudo não lhe é exclusivo, não é uma falha de sua volição. Estas psicoterapias facilitam, inclusive, o estabelecimento de novos vínculos, que podem ajudar no processo de recuperação dos pacientes.

Por fim, Não é o Fim.

A recuperação é uma lenta luta diária. Uma prova de força que supera de longe os desafios propostos aos halterofilistas mais bem preparados. Cada dia é uma nuvem a menos em um horizonte de intensa neblina. A chamada remissão começa com o enxergar daquela mísera fração de cores de um arco-íris em meio às trovoadas de uma tormenta, que apesar de demorar a passar, agora já acontece sem os fortes ventos que a acompanhavam.

Depression colours
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

É um lento processo que não é linear, mas que aos poucos permite a escolha de alguns tons de cinza – depois de tanto preto e branco. É um desembaçar de óculos que vai permitindo ver vida e alegria no bege que agora está na sua mais nova paleta de cores. O azul já é quase algo bom – começa a despertar algo diferente do que a dor sentida em todos aqueles Blues; dele surge um tom de verde, pois o amarelo também aparecera por perto. Outro encontro dá origem ao marrom: o vermelho também cruzara seu caminho. A escuridão do preto e a cegueira do branco podem até voltar, mas logo há respingos de outras cores que refletem alguma luz a mais. E assim vai.

Certo dia aparece um sorriso, n’outro duas risadas. Uma inesperada vontade de cheirar uma flor toma conta daquelas primeiras horas manhã. Será que correr pela rua seria uma boa ideia? Ainda há um eco da depressão, mesmo nas maiores histórias de superação e nos melhores momentos da vida; ela é assustadoramente sentida por perto, mas as pernas e os ombros estão mais leves. Haverá sempre a possibilidade de tropeçar e cair àquele lugar úmido e escuro, mas não hoje. Pode até ser que isso aconteça na semana que vem. Mas hoje não; hoje estou curado (a). Hoje dá até pra aproveitar, quem sabe amanhã também dê? Bom, já está na hora de fazer planos.

Por Caio Cesar Rodrigues de Araujo

depression cafe
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5 – Manual Diagnóstico e
Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.

CASTRÉN, E., & HEN, R. (2013). Neuronal plasticity and antidepressant actions. Trends in neurosciences36(5), 259–267. doi:10.1016/j.tins.2012.12.010.

CUNHA, J. A. Psicodiagnóstico – V – 5. ed. rev. e ampl. – Porto Alegre: Artmed, 2007.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais – 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FUKUYAMA, Y. L. Sim, estou bem. São Paulo: 2019. Disponível neste link. Acesso em 17 jul 2019. Link alternativo.

Portal OMS. Organização Mundial da Saúde; 2019 [acesso em 17 jul 2019]. Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/depression

World Health Association. The ICD-10 Clasification of Mental and Behavioural Disorders. Clinical descriptions and diagnostic guidelines. Geneva: World Health Organization; 1992.

O Que São Afetos, Emoções e Sentimentos? Quais as Diferenças entre Eles?

Monalisa

38127482_picture-taken-05-april-2005-in-paris-louvre-museum-of-the-portrait-of-mona-lisa-painted-1

Monalisa, de Leonardo da Vinci, é um quadro que ficou famoso pela confusão causada àquele que o vê. Não se sabe ao certo se a moça sorri, se sofre, se desdenha, suspeita ou odeia. Não se sabe ao certo quais emoções estão ali representadas. Caberá sempre ao expectador da obra nomear os afetos, sentimentos e emoções. Mas a condição primordial para o sucesso do quadro é: apenas aqueles por ele enxergados. É claro que, na variedade da experiência humana, estes poderão ser variados de acordo com a experiência individual de quem vê.

Afeto, Emoção e Sentimento: Conceitos, Semelhanças e Diferenças

Segundo Karen Quigley et al (2014), não existe uma definição amplamente aceita sobre o que é a emoção. Talvez ela fosse um conjunto de pacotes coordenados de experiências de mudanças fisiológicas e de comportamento, ou um Estado Mental que as pessoas associam a algo dito no senso comum (raiva, medo, nojo, tristeza, alegria). E talvez emoções envolvam mudanças no afeto, mas mudanças no afeto nem sempre se transformam em emoções. Mas se preferirmos as definições aqui apresentadas, estaremos longe de algum tipo de consenso ou imparcialidade teórico-científica (QUINGLEY, K.S.; LINDQUIST, K.A. & BARRET, L.F., 2014).

E aqui falamos sobre a psicologia, as neurociências e a psicanálise. Estas que, às vésperas do segundo século de duração, discutem frequentemente um consenso definitivo ou próprio destas emoções, sentimentos e afetos.

A Sociedade dos Psicólogos tentará, com muita parcialidade (já que esta é bastante afetada pela psicanálise), trazer alguns destes conceitos e suas diferenças. Lembramos que isso acontecerá a partir de engendramentos oriundos de múltiplas fontes de leitura. Entretanto, há aqui um aviso: a maioria é psicanalítica. Por isso, são mais do que bem-vindos os comentários, as críticas e os complementos dos leitores deste artigo. Boa leitura.

Emoções e Sentimentos: Psicologia Experimental

Em 1879, em Leipzig, na Alemanha, surge o primeiro laboratório de Psicologia Experimental. Um de seus fundadores foi Wilhelm Wundt, o mesmo autor que, em 1873, publica o trabalho intitulado Principles of Physiological Psychology (Princípios de Psicologia Fisiológica). A intenção declarada de Wundt era, segundo ele mesmo, criar um novo campo do conhecimento: a psicologia.

Como um médico, naturalmente Wundt seria orientado pelas evidências observáveis necessárias para que um conceito seja aprovado pelo método científico. Portanto, o desejo de ser chamado de psicólogo o fez deparar-se, à época, com a dificuldade de explicar aquilo que se experiencia individualmente, aquilo que se passa dentro da cabeça, ou mente, de alguém. Aquilo que a dissecação do cérebro de um cadáver não poderia explicar por si só. Aquilo que se apresenta no relato, pois necessita dele, poderia se tornar, de fato, ciência?
Wundt diz que as sensações e os sentimentos seriam as duas formas básica de experiência humana, postulando ainda que, para que fossem observadas, seria necessária um exame do estado mental experienciado. O autoexame dos estados mentais era chamado por ele de introspecção.

A sensação seria um resultado da comunicação entre o Sistema Nervoso Central e os órgãos dos sentido [no Sistema Nervoso Periférico]. Ou seja, os impulsos resultantes da estimulação do tato, paladar, olfato, visão ou audição atingem o cérebro e aí se “sente” algo. O sentimento, para Wundt, já estaria ligado ao que se percebe na experiência imediata, ou seja, o prazer e o desprazer; a tensão e o relaxamento, e a excitação e a depressão. Para o filósofo, psicólogo e fisiologista, as emoções poderiam englobar este conjunto de percepções fisiológicas que acompanham a experiência.

Sigmund Freud (1856-1939)

Os séculos XIX e XX pareciam carregar, especialmente na França, Alemanha e Império Austro-Húngaro (futura Áustria, após o término da Primeira Guerra Mundial), um interesse especial dos médicos pela mente humana.

Após sua especialização na área de neurologia, o médico Sigmund Freud não se contenta: se encanta com os Estudos de Charcot sobre a Hipnose e o Inconsciente. Decide investigar mais detalhadamente os resultados da experiência, mas não só aquele oriundo das percepções fisiológicas, como também no comportamento contínuo e nas patologias que a medicina não conseguia explicar com sua biologia observável através do método científico.

Em obras importantes à sua teoria, como Estudos Sobre a Histeria (1893-1895), A Interpretação dos Sonhos (1899-1900), A Psicopatologia da Vida Cotidiana (1901), Três Ensaios sobre a Teoria da Sexualidade (1905), Totem e Tabu (1913), O Eu e o Id (1923) e O Mal-Estar na Civilização/Cultura (1930) é possível observar que Freud, aos poucos, em uma crescente de seus conceitos, vai creditando à experiência da mente mais do que meros resultados fisiológicos captados pelos órgãos dos sentidos. As experiências postuladas por Wundt – de prazer e desprazer; tensão e relaxamento e excitação e depressão – eram também vistas por Freud através da relação daquele sujeito com aquilo e aqueles que o cercavam. Melhor dizendo, estas experiências seriam moldadas pelos afetos, os fluxos energéticos que acompanhavam as representações mentais criadas nas relações com os objetos externos à experiência individual. O sujeito seria afetado ao longo de suas relações interpessoais. Sua experiência individual era afetada por aqueles que lhe apresentavam e representavam o mundo (a linguagem). Portanto, a introspecção consciente não bastaria para entender as complexidades da mente – a própria consciência não o faria! Suas emoções apareciam de acordo com sua experiência afetiva histórica (talvez até pré-histórica!), ou seja, experienciaria sua raiva da maneira que aprendeu a fazê-lo a partir da relação com o Outro. E isso não seria diferente em sua alegria, medo, tristeza, nojo, vergonha ou culpa.

Contudo, na obra de Freud, o conceito de Pulsão se tornou o cerne de sua teoria. É altamente recomendado que você o conheça melhor ou o reveja no link a seguir:

O que é Pulsão? Qual é a Diferença entre Pulsão e Instinto?

Ao longo de sua obra, Freud enfatiza que estes processos acontecem em Instâncias Psíquicas diferentes que operam de forma conjunta. Seus nomes evoluem junto com seus estudos, mas, em geral, fixa-se o conceito de que: a consciência não governa os sujeitos, apenas auxilia na conciliação das exigências de seu Real Governador (o Inconsciente) e seus Simbólicos Órgãos de Fiscalização – A Leis, a Moral, as regras de convivência em Sociedade (1900). Freud ainda enfatiza que muitas experiências se perdem à consciência, e que a censura oriunda desta é uma forma de proteção ao desprazer, à tensão e à constante necessidade de excitação sensorial que as proibições sociais podem causar àquele que não consegue realizar e, portanto, satisfazer e obter descarga de excitação aos desejos oriundos do próprio Inconsciente. Tudo isso guiado por forças desconhecidas à consciência. Estas forças iriam além das instintivas, comuns aos animais. Portanto, falamos de forças que excederiam as buscas por sobrevivência e reprodução, mas que moveriam a experiência histórica dos seres humanos.

A questão é que tudo isso só aconteceria na relação do sujeito com o Outro. Na maneira em que o sujeito é afetado, após ser invadido pela linguagem, que o ligaria à sociedade, bem como às leis estruturais que a cercam. Portanto, as emoções e os sentimentos poderiam ser produtos da influência destas relações afetivas nas percepções sensoriais. De maneira mais simples: a maneira com que somos afetados subjetivamente, mentalmente, por algo ou alguém, nos permitirá experienciar no corpo o conjunto de sensações e percepções fisiológicas atreladas por associação e/ou causalidade àquilo. Isso ocorre à medida que nos relacionamos com o quê, quem, ou com representação simbólica daquilo que originalmente nos afetou. E, a partir da gravação mnêmica disso, poderíamos repetir um conjunto de afetos antigos a partir de um novo que é experienciado. Ou seja: se me entristece a morte de meu papagaio, em conjunto, a própria tristeza deste fato em si me fará entristecer mais uma vez pela morte de minha avó, algo ocorrido há dez anos.

Esboçamos um sorriso ao recebermos aquilo que fomos ensinados, através linguagem, como sendo um elogio. E o fazemos porque isso também implica que, da maneira que acreditamos ser que somos, nos tornamos objeto de desejo a alguém. Talvez o destino disso se chame alegria. Talvez alguns poetas relatem de uma maneira que se chame amor. Mas é certo que isso também poderá lembrar uma experiência antiga, como a alegria de saber-se amado pelos cuidadores que se tornaram nossas referência afetivas.

Os Outros Afetos

O psiquiatra francês Jacques Lacan (1901-1981) acata a maioria dos ensinamentos Freudianos e, de maneira que pode até lembrar uma crítica ou ruptura, os tenta complementar com o que traz do Estruturalismo de Ferdinand de Saussure, Claude Lévi-Strauss entre outros renomados autores. Mas aqui são citados os que falam mais sobre a linguagem e o estruturalismo.

Sua frase mais famosa é, sem dúvidas, aquela em que diz que O Inconsciente é Estruturado como uma Linguagem. As polêmicas interpretações possíveis são temporárias. Talvez, o mais aceito para o que se quis dizer aqui, pelo nem sempre simpático franco-psiquiatra, poderia ser que: assim como uma linguagem é estruturada, segundo Saussure (1916), a partir de um signo, significante e significado, o Inconsciente Freudiano, conforme Lacan o entenderia, também teria uma estrutura semelhante a esta em sua formação. E Lacan diria isso ao entender que os sujeitos estariam inseridos, invadidos, amarrados e barrados na sociedade através da linguagem. E as mesmas regras sobre a arbitrariedade do signo de Saussure, nas mesmas regras regentes da linguagem, Lacan viu semelhanças às regras que também poderiam reger o inconsciente de Freud. Por exemplo: os Mecanismos de Defesa de Condensação e Deslocamento, postulados por Freud como comuns aos sonhos, poderiam seguir as mesmas estruturas de figuras de linguagem como a metáfora e a metonímia, no que diria respeito à similaridade e contiguidade dos conteúdos. Sendo assim, A Interiorização das Regras dependeria da Interiorização da Linguagem. E a noção, a nomeação do próprio corpo, também. A linguagem se inscreveria nos corpos através de seus significantes, ou melhor, daqueles que vêm do Outro. Portanto, a linguagem estaria no corpo e na mente de maneira estruturada, sempre (bem ou mal) representada através de significantes ligados metafórica e metonimicamente em cadeia associativa.

A questão é que, segundo Lacan, muitos destes significantes, diferentemente do que é postulado por Saussure, poderiam carecer de significado se os observarmos apenas pela sua lógica conceitual. O significado dos signos, daquilo que está nas formas de representação, para Lacan, estaria nas relações com Outros significantes, em uma cadeia de representações inconscientes quase interminável. E de tudo isso dito, se indaga se os significantes também carregariam afeto. Em seu tom de voz, no volume de sua fala, na ordem escolhida para as palavras ou na velocidade do discurso adotado. Neste caso, os significantes também afetariam os sujeitos.

Como escutamos algo? Como somos afetados por algo? Através do que aquilo representa para nós.

E não seriam as emoções, portanto, resultados, destinos e traduções, daquilo que nosso corpo e nossa mente (ambos em função de uma cadeia de significantes) experienciam a partir dos afetos? Ou, pelo menos, como aprendemos a nomear tais coisas?

Aquela bronca que levei de meu pai quando andava de bicicleta na infância, por, segundo ele, estar indo muito rápido. Aquilo me gerou certa raiva ao momento. Sei que é raiva, uma vez que a linguagem, concedida, incidida em mim por meus semelhantes, me ensinou que este era o nome dado ao meu cerrar de punhos e lábios, do ranger de meus dentes e do calor facial (por conta do aumento do fluxo sanguíneo) que acompanham aquela vontade de praticar violência, aquela agressividade ou hostilidade. Entretanto, por ser uma criança em busca do amor de meus pais, eu que não me permitiria sentir esta vontade de aniquilação por quem tanto fazia e poderia fazer por mim. Portanto, consegui expulsá-la de minha consciência à tempo. Ufa! Mas, trinta anos depois, aconteceu um caso curioso: como que uma pessoa tão calma e serena como eu agrediria, violentamente, um guarda de trânsito num surto incontrolável de cólera? Apenas por este me dar uma multa por excesso de velocidade que pratiquei em minha motocicleta superpotente? Ou será que foi a adoção do mesmo tom de voz que, há muitos anos, fora empregado por meu pai? Será que o infeliz guarda de trânsito recebeu toda aquela raiva guardada por trinta anos, apenas por conta de seu timbre, entonação ou volume de voz? Ou foi também alguma outra relação desta cena com a aquela antiga, da bicicleta, que para a realização de um desejo infantil, se tornou uma moto muito potente? Será que foi a semelhança entre o conteúdo da multa e da bronca? Talvez tenha sido todo o conjunto de afetos associados a uma só emoção: a raiva.

Talvez no caso fictício acima tenhamos uma expressão da presença do afeto na linguagem e nas emoções. E aqui falamos de um em especial que tenha sofrido certa repressão da consciência (e é importante diferenciar esta do recalque, mas talvez em um texto à parte) e, anos mais tarde, através de significantes em cadeia de representação (bronca por andar de bicicleta muito rápido – multa por excesso de velocidade; raiva do pai – raiva da figura da Lei, o guarda; tom de voz do guarda – fonte de mobilização do afeto reprimido ao pai: a partir disso tudo, a percepção fisiológica atrelada à raiva – calor, cerrar de punhos, ranger de dentes – se liga ao ato e desejo anterior de agressividade).

Portanto, através da linguagem, os afetos se ligam às percepções sensoriais e podem provocar respostas fisiológicas aos estímulos externos, objetos externos ou significantes (podendo estes três serem um só). Seria isso então a emoção? Uma resposta fisiológica mobilizada pela apreensão de determinados afetos à certas representações de experiência subjetiva?

Os Três Afetos Sociais

A ligação dos afetos à linguagem parece ser tanta, que, para Lacan, três destes seriam exclusivamente sociais: A vergonha, o nojo e a culpa.

Tal afirmação se faria possível pois, para que estas aconteçam, seria preciso que já tenha havido a Interiorização das Regras. Ou seja, a criança ou o adulto precisam conhecer aquilo que se exige e se proíbe socialmente. É necessário já ter sido apresentado, invadido, barrado, representado e afetado pela Linguagem.

Os bebês não parecem sentir vergonha da percepção que teriam os alheios ao cheiro de suas fezes. Mas, é no mínimo curioso, que alguns adultos sofram até de sérias complicações intestinais porque a mera possibilidade de passar vergonha apenas lhes permite defecar em sua própria casa. Talvez pelo medo do julgamento alheio sobre seus próprios odores. Paralelamente, as crianças, nos primeiros anos de vida, não parecem sentir nojo das próprias fezes. Em certa idade, é até possível vê-las exibindo estas aos adultos, como uma espécie de orgulho; as deixando por aí, quase como presentes de fabricação própria: na sala, no quarto ou em algum lugar da casa de fácil visualização.

Antes da Interiorização das Regras, ou seja, da vivência da Castração, no Complexo de Édipo, na Fase Fálica (3-6 anos) da teoria do desenvolvimento psicossexual freudiano, não se tem vergonha dos próprios órgãos genitais à mostra na praia, na rua ou na reunião de família. O próprio manuseio destes, em forma de obtenção de prazer, às vezes acontece em público até que os adultos ensinem a criança que isso não é aceitável. Em contrapartida, já me foi possível conhecer o relato de mulheres que não conseguiram tirar a roupa em um quarto de motel; de homens que utilizavam objetos como desodorantes, pilhas, controle remoto, etc. para que fizesse volume em sua sunga antes de ir à praia. Suas óbvias motivações eram a vergonha do próprio corpo nu.

A culpa também parece ser ausente na criança que, se não guiada corretamente pelos cuidadores, pode até maltratar, agredir e machucar animais, insetos e até outras crianças – enquanto demonstra o deleite daquele divertimento através de seu sorriso puro e simples. Há ali uma diversão não permitida pelas regras sociais que acompanham a invasão da linguagem.

Portanto, a linguagem também afeta as emoções, principalmente aquelas homônimas a estes afetos supracitados, que são experienciadas através da relação com o Outro. Através do ser visto fazendo; do fazer sendo visto; do se ver fazendo, do ver fazendo e sobre como tudo isso lhe afeta.

O Mais ‘Puro’ dos Afetos

Para Lacan (1901-1981), a angústia seria o mais puro dos afetos. Por ser aquilo que se experiencia logo ao saber, ao estranhar, ao separar a imagem de si próprio daquela do Outro.

Os Outros afetos derivariam da angústia. Seja de deformações desta, seja de formas a fugir dela como ela mesma, como possibilidade. A vergonha poderia ser angústia de saber-se não amado e/ou tal possibilidade? O nojo poderia ser a fuga da angústia que poderia causar a memória de algo que já foi prazer em outros tempos? Ex: a criança que brincava com as próprias fezes não consegue sequer ouvir tal palavra sem sentir um grande incômodo psíquico na vida aduta.

Numa investigação mais detalhada, talvez seja possível até encontrar na essência de uma vergonha, nojo ou culpa, a presença de uma ou algumas fantasias inconscientes. Acredito ser bem possível, a não ser que se considere, na psicanálise, uma mera coincidência a ampla presença da fala “eu sou tímido” no meio artístico. Curiosamente, esta acaba sendo uma fala recorrente no meio que concerne à prática do teatro, talvez a maior exposição do próprio ser ao julgamento alheio – aquilo que os tímidos abominam à todo custo. Como ator amador, não foram raras as vezes que a ouvi de algumas pessoas que, momentos antes, observei, explicitamente, quebrarem muitas “regras sociais” ao palco. Mas aí entraríamos na discussão do que representaria a figura do personagem ao sujeito, coisa para Outro texto.

View this post on Instagram

"Vamos para casa". A negação é um dos Mecanismos de Defesa do Eu mais primitivos, geralmente o primeiro estágio do luto. Em Deusumanos (19/05 à 03/06 de 2018) o personagem Augusto entra em profundo estado de negação perante a morte de sua filha Ingrid (Vivian Bianchin). Na negação descarta-se, desconsidera-se um dado da realidade quando este é oriundo de um enorme sofrimento ou possibilidade deste. Para Augusto, toda a dor ligada à culpa e à angústia daquele momento foram substituídas por sua dissociação da realidade. Preferiu acreditar que iria levar sua filha para casa, que esta estaria a dormir, já que, inconscientemente, "sabia" que não lhe restavam mais recursos para lidar com aquela perda.

A post shared by Caio Cesar Rodrigues (@caiocesarpsi) on

Considerações Finais

Quando se diz que o inconsciente é estruturado como uma linguagem, inclui-se a dimensão do afeto, já que a linguagem também traz afeto através de suas entonações, timbres e, principalmente, por quem (o quê) a traz.

O afeto e as emoções, talvez não pudessem ser uma descarga de excitações endógenas dos órgãos perceptivos, exclusivamente, uma vez que eles acompanham muitos significantes em suas apresentações e representações. Se a emoção é o destino do afeto, esta rota entre origem e destino só poderia ser traçada através da linguagem. Por exemplo, a angústia perante possibilidade de não ser amado pelo Outro ao falar palavrões, impede que algumas pessoas os falem ou os escutem sem enrubescer de vergonha ou que os falem de fato. Em casos extremos, a própria escuta ou possibilidade de fala de tais significantes barrados pela linguagem, poderia angariar descargas de angústia através de sintomas como ansiedade, pânico e fobias em geral.

O afeto acontece na relação do sujeito com o Outro. Acontece em como o sujeito, sem querer querendo, se afeta nesta relação. O Outro o afeta com sua linguagem e este, quando a aprende, inevitavelmente carrega as excitações por esta produzida em seu corpo e, principalmente, ao conteúdo psíquico ao qual estas ficaram ligadas (através de representações e/ou significantes). Se aprendo a linguagem com o Outro, aprendo à maneira com que esta me afeta na relação intra e intersubjetiva. Portanto, se a emoção é o destino do afeto, individualmente falando, aprendo com meus pais que sinto raiva enquanto a percebo através da linguagem apresentada por eles. Sendo afetado por eles, através das representações simbólicas associadas através da linguagem, ligo estes afetos que carrego junto à minha definição de raiva às minhas percepções de experiências sensoriais neurobiofisiológicas. Isso tudo, através de uma relação estabelecida na cadeia de significantes que também carregam afeto. É preciso dizer que este processo seria inconsciente?

Estas percepções neuro biofisiológicas me causam calor, aumento do fluxo e pressão sanguíneos, contração dos músculos da face (sobrancelhas franzidas, lábios cerrados, olhos brilhantes), das mãos e de outras áreas do corpo. Entendo que, na relação que tenho com os Outros que me afetam, que minha emoção (raiva) é o resultado da não satisfação imediata daquilo que acredito que me trará prazer; da ausência de alívio de minha tensão, e/ou da descarga de excitação sensorial (ver grifo em A Interpretação dos Sonhos, Freud, S. 1900. cap. 7) que agora só me parece possível através da agressividade. Mas é também importante saber que isso me foi trazido também através da linguagem.

Entretanto, se isso é nomeado e apresentado por aqueles que diariamente me afetaram, de alguma forma mais intensa, em algum período mais crítico de minha formação psíquica, poderá haver certa ligação entre meus atos, aquilo que entendo destes e a percepção disto em meu corpo com desejos, expectativas e valores destas pessoas – geralmente subjetivamente entendidos como próprios. Sendo dado o nome de emoção a esta resposta fisiológica àquilo que me cerca, variando sua excitação sensorial de acordo com o que meu corpo e mente seriam, histórica e pré-históricamente programados. Há uma descarga de excitação biológica, uma experiência de um conjunto de hormônios, sensações e percepções aos órgãos dos sentido e do Sistema Nervoso Central e Periférico, a partir de um conjunto de afetos que um determinado ato pode representar com um significante, objeto externo e/ou estímulo.

Se fui censurado na infância pelo meu pai, e tive que reprimir ou até recalcar a maneira com que fui afetado por isso, talvez com raiva, ódio ou desejo de aniquilação através da força impulsionada por minha agressividade (situação inaceitável à consciência, que obrigaria o sentimento de gratidão ao amor dos pais), alguém que me censurar com uma fechada no trânsito poderia, em seu azar, experimentar toda aquela descarga bio-psico-fisiológica que aquela raiva, agora representada num soco, produziu e reservou décadas atrás. Se isso for verdade, certamente seria por conta desta pessoa da fechada ser responsável, sem saber, por eliciar uma representação afetiva simbólica (significante) linguisticamente associada às respostas e movimentos de meu organismo.

A Emoção se torna condicionada às representações do afeto que a linguagem foi capaz amarrar ao corpo, mas ainda da maneira que o indivíduo a experiencia por conta própria. Mas pra quê serve, então?

É preciso dizer que nos primórdios existenciais do Homo Sapiens, as descargas fisiológicas oriundas das emoções que eram experienciadas poderiam até apresentar um papel relativo à sobrevivência e à reprodução da espécie. Como por exemplo: há uma descarga de adrenalina (frio na barriga), dilatação da pupila (visão mais precisa do mundo externo), aumento da produção de energia (oxigênio – coração disparado ao extremo) para que se corra ou se lute perante uma ameaça à vida. Mas, nos dias de hoje, esta experiência é descrita perfeitamente por aqueles encaminhados ao psicólogo ou psicanalista pelo cardiologista, que visitaram com um ataque agudo de ansiedade, geralmente confundido com um infarto agudo do miocárdio.

Curiosamente, isso acontece fora da floresta. Bem distante mesmo. Geralmente em situações que não oferecem risco algum á vida, como por exemplo: sentados no confortável sofá da própria casa.

Para Não Dizer que Não Falei dos Sentimentos

Os sentimentos, por último, poderiam ser aqueles afetos e emoções que estão unidos através do laço social. A tradução social dos afetos. Através da linguagem compartilhada. Os sentimentos poderiam ser os afetos que chegaram ao coletivo, já que a maioria é sentida de maneira tão pessoal e única que parece não haver compreensão daquilo por alguém que não seja o sujeito ele próprio.

Os escritores e poetas e músicos são aclamados porque conseguem transformar os afetos vivenciados em sentimentos, pois foram, através da linguagem, traduzidos do individual para o coletivo. Isto é, através do que eles escrevem é possível ao leitor ler e escutar os próprios afetos. Encontrar representação. Estes seriam dificilmente verbalizados durante a própria experiência, mas agora estão perfeitamente localizados, representados nos significantes escolhidos por aqueles que souberam unir sua experiência idiossincrática à coletiva. Algo possível apenas àqueles dotados de uma avançada percepção da linguagem, perante aquilo que os afeta.

Quer saber mais sobre emoção?

Inscreva-se já para o 2º curso presencial de Introdução à Psicologia das Emoções. Dia 22/09/2018 em São Paulo. Vagas limitadas!

Mais informações:

http://cicem.com.br/cursos/introducao-psicologia-das-emocoes-sp/

Quer saber mais sobre afeto e psicanálise?

Inscreva-se no 7º curso presencial de “Introdução às Psicanálises”, de 4h de duração (inclui certificado digital), vai ocorrer no dia 21 de Julho de 2018 e irá expor alguns dos conceitos centrais referentes à perspectiva de 4 influentes autores psicanalistas (S. Freud; J. Lacan; M. Klein; e D. Winnicott), sendo ideal para estudantes dos primeiros semestres de psicologia que querem aprimorar seus conhecimentos sobre psicanálise e psicologia.

Venha aprender com a Sociedade dos Psicólogos, faça já sua pré-inscrição: sociedadedospsicologos@gmail.com

Procura Psicoterapia?

Entre em contato com os nossos psicólogos e agende uma entrevista através do nosso Canal de Comunicação (clique aqui).

psicoterapia

(Todas as imagens aqui utilizadas foram retiradas da internet. Caso seja o proprietário de uma delas, entre em contato com a Sociedade dos Psicólogos imediatamente)

REFERÊNCIAS – *Também considerar as bibliografias citadas apresentadas ao longo do texto (Por ordem livre).

Afeto, emoção e sentimento na psicanálise | Christian Dunker | Falando nIsso 146

Paiva, Maria Lucia de Souza Campos. (2011). Recalque e repressão: uma discussão teórica ilustrada por um filme. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 2(2), 229-241. Recuperado em 19 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-64072011000200007&lng=pt&tlng=pt.

Quingley, K. S.; Lindquist, K. A. & Barret, L. F. (2004). Inducing and Measuring Emotion and Affect. In Handbook of Research Methods in Social and Personality Psychology. Ed(s) Reis, H.T.; Judd, C.M. Cambridge University Press. p. 220-252

Pinheiro, Elaine, & Herzog, Regina. (2017). Psicanálise e neurociências: visões antagônicas ou compatíveis?. Tempo psicanalitico, 49(1), 37-61. Recuperado em 19 de julho de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382017000100003&lng=pt&tlng=pt.

Ravanello, Tiago, Dunker, Christian Ingo Lenz, & Beividas, Waldir. (2018). Para uma Concepção Discursiva dos Afetos: Lacan e a Semiótica Tensiva. Psicologia: Ciência e Profissão, 38(1), 172-185. https://dx.doi.org/10.1590/1982-37030004312016

Por Caio Cesar Rodrigues de Araujo