Depressão: Conceitos, Sintomas, Mitos e Tratamentos

Por que falar sobre Depressão?

Ser psicólogo, assim como em qualquer outra profissão, faz com que desenvolvamos certa antipatia perante alguns termos do senso comum. E o motivo nem sempre paira a arrogância ou o pedantismo, em grande parte das vezes a causa é o conjunto de danos que a desinformação pode causar a um grupo de indivíduos ou para a sociedade como um todo. O artigo de hoje vem exclusivamente para destrinchar, desmitificar e afastar do senso comum o conceito do grande mal do século XXI: a Depressão.

depression i am fine
Imagem obtida na internet

No lento drama d’um mergulhar de alma em uma lama movediça de pensamentos, emoções e sentimentos negativos e, quando pior ainda: naquele nada que não se pode ou se sabe nomear. Quanto mais se mexe mais se afunda. Quanto mais força se faz, menos intensidade se percebe. A principal causa do suicídio, que por sua vez se tornou a segunda maior causa da morte entre os jovens, se fosse alguma doença infecciosa, já seria considerada uma pandemia passível de decretar calamidade pública mundial.

Este artigo contou com as ilustrações do magnífico trabalho de arte e pesquisa do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram. Nele é ilustrado e escrito, com o auxílio de relatos de pessoas diagnosticadas com o transtorno.

Depression 3
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Você também poderá fazer o download do livro através deste link no Google Drive, mas pedimos que, em forma de retribuição pela qualidade do trabalho, curta a página no Facebook e a Siga no Instagram, exatamente para que mais pessoas possam conhecer este conteúdo de altíssima qualidade.

O Mal do Século

hole depression
Imagem obtida na internet.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 300 milhões de pessoas sofrem de Depressão no mundo inteiro. Uma população maior que a de habitantes do Brasil e quase que equivalente à dos Estados Unidos. Ainda de acordo com o órgão, o transtorno mental se tornou a maior causa de incapacitação ao redor do mundo, sendo mais comum (mas longe de ser exclusivo) em mulheres, falamos de algo que, na pior das hipóteses, pode levar quem sofra deste mal ao suicídio – a segunda maior causa de morte de pessoas entre os jovens na faixa etária dos 15 aos 29 anos de idade (OMS, 2019).

Sendo a depressão o transtorno mental que está relacionado à maioria de seus casos, estima-se que ao menos 800.000 pessoas cometam suicídio todos os anos. (Idem).

A Depressão é considerada um Transtorno de Humor. Mas o que é isso?

O Conceito de Humor

mascaras teatro grego
Nas festas dionisíacas, uma espécie de homenagem ao Deus da Mitologia Grega representante do vinho e da farra, máscaras eram utilizadas para designar as emoções, ou os estados de humor dos personagens que encenavam situações em um amplo espaço. Isso ocorria exatamente para que pudesse ser identificado pelo público, à distância, qual sentimento permeava aquela cena. Posteriormente, tais demonstrações deram origem às primeiras peças de teatro na Grécia Antiga. Imagem obtida na internet.

A palavra “Humor” deriva do latim “humore“, significando “líquido” em português. O humor é um estado afetivo, ou seja: é um retrato de como relacionamos nosso mundo interno com o mundo externo; como nossa mente se expressa através de nosso corpo; como equilibramos nosso eu ao mundo e as pessoas à nossa volta. E pode ser considerado mutável, assim como um líquido.

Foi associado durante algum tempo pela antiga medicina grega aos principais fluídos de nosso corpo (sanguefleumabílis amarela e bílis negra), como se estes fossem os verdadeiros responsáveis pela nossa saúde física e mental. Curiosamente, a medicina ainda utiliza, nos dias de hoje, a palavra “humor” para nomear certos líquidos do corpo humano. 

Contudo, apesar da palavra “Humor” ser algo frequentemente relacionado, inclusive pelo senso comum, à habilidade de fazer rir, esta não se resume a induzir alegria e riso através de nossas palavras e ações. O Humor pode ser considerado como aquela parte de nossa personalidade que irá, afetivamente, estabelecer uma conexão de nosso mundo interno com o “exterior”.

death humor
Na imagem uma caveira, envolvida em um manto todo preto com capuz (o que costuma ser uma representação da Morte), tomando um copo do que parece ser cerveja, pergunta a uma mulher loira, que acende um cigarro enquanto tem sobre a mesa um punhal, um vidro de comprimidos, um revólver e uma banana de dinamite: “Você está flertando comigo?”. Dando a entender que esta pessoa estaria prestes a cometer suicídio, por estar “flertando com a morte”. Abaixo a frase: “aqui está um pouco de “humor escuro popularmente apelidado de ‘humor negro’ no Brasil)”. Imagem obtida na internet.

Apesar de lembrar a definição de uma emoção, a principal diferença entre um estado de humor e um estado emocional está em sua duração. Uma vez que, em oposição aos instantes que pautam a duração de uma emoção, um determinado estado de humor pode permanecer por dias, semanas, meses e até anos. Podendo ser considerado deprimido, quando apresenta uma redução em sua “fluidez”, ou mais aflorado, elevado (e até maníaco) quando em maior atividade. Tais fatos irão definir nossa interação afetiva com o meio que nos cerca, bem como o conjunto de emoções e sentimentos que experimentaremos com maior ou menor facilidade e intensidade. Entenda a diferença entre Afetos, Emoções e Sentimentos clicando aqui.

O Conceito de Depressão

Depressão geo
A Depressão como forma de relevo, demonstrando o que o desgaste, ao longo dos anos, provoca numa estrutura geográfica de determinado local. Imagem obtida gratuitamente na internet.
 

É muito provável que a escolha do termo “Depressão” tenha derivado de seu homônimo na Geografia. Se bem for lembrado por quem está lendo, as aulas sobre os tipo de Relevo, no Ensino Fundamental, falavam sobre um local que sofrera grande desgaste por influência do vento e da água (fatores externos), durante anos, tornando-se uma espécie de buraco naquele espaço geográfico. O porquê deste casamento entre campos do conhecimento tão distintos entre si, talvez more nas palavras colhidas em relatos de parte daqueles que sofrem do transtorno: “é como se eu estivesse preso (a) /caindo em um enorme buraco”.

Critérios Diagnósticos

A Classificação Internacional de Doenças (CID-10) estabelece os espectros da Depressão dentro de sua seção de Transtornos de Humor (ou Transtornos Afetivos), localizados no intervalo das classificações F-30 e F39. Sendo as classificações do Transtorno Depressivo em específico localizadas entre F32.1 (Episódio Depressivo Leve) e F33.9 (Transtorno Depressivo Recorrente sem especificação).

No CID-10, a OMS define o que é considerado um Episódio Depressivo:

Nos episódios típicos de cada um dos três graus de depressão: leve, moderado ou grave, o paciente apresenta um rebaixamento do humor, redução da energia e diminuição da atividade. Existe alteração da capacidade de experimentar o prazer, perda de interesse, diminuição da capacidade de concentração, associadas em geral à fadiga importante, mesmo após um esforço mínimo. Observam-se em geral problemas do sono e diminuição do apetite [o aumento também pode ocorrer]. Existe quase sempre uma diminuição da auto-estima e da autoconfiança e freqüentemente idéias de culpabilidade e ou de indignidade, mesmo nas formas leves. O humor depressivo varia pouco de dia para dia ou segundo as circunstâncias e pode se acompanhar de sintomas ditos “somáticos”, por exemplo perda de interesse ou prazer, despertar matinal precoce, várias horas antes da hora habitual de despertar, agravamento matinal da depressão, lentidão psicomotora, agitação, perda de apetite, perda de peso e perda da libido. O número e a gravidade dos sintomas permitem determinar […] [os] três graus de um episódio depressivo.

E, para das devidas diferenciações, também define o que é um Transtorno Depressivo:

[O]Transtorno caracterizado pela ocorrência repetida de episódios depressivos correspondentes à descrição de um episódio depressivo (F32.-) […]. O primeiro episódio pode ocorrer em qualquer idade, da infância à senilidade, sendo que o início pode ser agudo ou insidioso e a duração variável de algumas semanas a alguns meses.

Apesar de ser bastante criticado pela abrangência das interpretações possíveis de seus critérios diagnósticos, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) é amplamente utilizado no diagnóstico da Depressão. Sua caracterização engloba aquilo que está dentro do que é chamado de Transtorno Depressivo Maior, subdividido em episódio único ou recorrente, especificando também se em grau leve, moderado ou grave. Para o DSM-V, os critérios diagnósticos deste transtorno envolvem:

[A]Presença de pelo menos cinco entre os nove critérios.
[Os]Sintomas devem persistir por pelo menos duas semanas e um deles deve ser obrigatoriamente humor deprimido ou perda de interesse/prazer;

1. Humor deprimido na maior parte do dia, quase todos os dias, conforme indicado por relato subjetivo (p. ex. sente-se triste, vazio ou sem esperança) ou por observação feita por outra pessoa (p. ex., parece choroso) (Nota: em crianças e adolescentes, pode ser humor irritável);

2. Acentuada diminuição de interesse ou prazer em todas ou quase todas as atividades na maior parte do dia, quase todos os dias (conforme indicado por relato subjetivo ou observação);

3. Perda ou ganho significativo de peso sem estar fazendo dieta (por exemplo, mudança de mais de 5% do peso corporal em menos de um mês) ou redução ou aumento no apetite quase todos os dias. (Nota: em crianças, considerar o insucesso em obter o peso esperado);

4. Insônia ou hipersonia quase diária;

5. Agitação ou retardo psicomotor quase todos os dias;

6. Fadiga ou perda de energia quase todos os dias;

7. Sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva ou inapropriada (que podem ser delirantes) quase todos os dias (não meramente autorrecriminação ou culpa por estar doente);

8. Capacidade diminuída para pensar ou se concentrar, ou indecisão quase todos os dias (por relato subjetivo ou observação feita por outra pessoa);

9. Pensamentos recorrentes de morte (não somente medo de morrer), ideação suicida recorrente sem um plano específico, tentativa de suicídio ou plano específico para cometer suicídio.

Depression
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Um dos maiores problemas envolvendo o tratamento da depressão, segundo a OMS, está, mais ainda nos países sub-desenvolvidos, na falta de diagnósticos e principalmente nos diagnósticos equivocados a respeito do Transtorno – frequentemente atribuídos as definições amplas e vagas de seus critérios diagnósticos. Tais fatores comprometem desde o tratamento a pessoas que sofrem da condição, estendendo-se às estatísticas que entrarão em desacordo com a realidade que naquele local se apresenta.

Em seguida, ocorrendo de forma simultânea ao diagnóstico errado ou incompleto, vem a forma de tratamento oferecida. Não são raros relatos de diagnósticos que apontaram para um prognóstico limitado apenas ao consumo de antidepressivos, sem a indicação do tratamento psicoterápico.

depression diagnostico
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

O problema deste tipo de abordagem estritamente biológica é exatamente o que foi concluído em uma pesquisa da Universidade de Helsinque, na Finlândia, pelo renomado neurocientista Eero Castrén, em conjunto com o professor de farmacologia do curso de psiquiatria da Universidade de Columbia, em Nova York, René Hen.

depression efeito
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Estudando a plasticidade neuronal a partir do uso de antidepressivos, os pesquisadores chegaram à conclusão de que a efetividade do tratamento com antidepressivos apenas se comprovava quando havia uma combinação com a psicoterapia (Castrén, E., & Hen, R. (2013). Confira o estudo (em inglês) clicando aqui.

depression medos
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Tal afirmativa já vinha sendo defendida há algum tempo por profissionais da área da saúde mental, mas a comprovação do estudo endossa a eficiência de um tratamento em conjunto. Afinal, assim como qualquer outro transtorno, não se pode tratar apenas o sintoma – é preciso investigar e intervir na causa.

Depression 2
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.
Depression 4
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Distimia

A Depressão ainda pode aparecer em sua forma considerada mais “leve” e duradoura, a chamada distimia, classificada no DSV-5 como Transtorno Distímico (300.4) e dentro dos Transtornos Persistentes do Humor (F34.0), com o próprio nome de Distimia (F34.1). Sua condição pode permanecer por anos, sendo algo frequente a confusão do quadro com aspectos considerados “normais” à personalidade de suas vítimas.

Mais leve a nível de incapacitação, a distimia oferece constantes pensamentos negativos, marcados pelo pessimismo e característicos de uma baixa autoestima, uma elevada ou nula autocrítica do sujeito. Uma representação caricata e talvez fidedigna desta condição é encontrada no personagem Hardy, do desenho Lippy & Hardy da Hanna Barbera, famoso por seu bordão:

LippyHardy
Imagem obtida na Internet
 

Tratamento e Sintomas

Os sintomas, já descritos na definição, afetam os portadores no âmbito psicológico, social e até em nível neuro-fisiológico. Ainda não há um consenso na comunidade científica se os sintomas neuro-fisiológicos são a causa ou o efeito dos psicológicos (e vice-versa). Ou seja: ainda não se sabe ao certo se as alterações que o transtorno causa no corpo e no cérebro acontecem por causa de um determinado estado da mente do indivíduo ou se o que muda na cabeça deste paciente é uma causa direta daquilo que alterou a organização biológica de seu corpo. Uma espécie de questionamento semelhante ao famoso: “Quem veio primeiro? O ovo ou a galinha?”.

É exatamente por este motivo que o tratamento envolve psicoterapia e, nos casos em que a doença atinge seu nível grave ou moderado, a prescrição e administração de medicamentos específicos para que haja inibição da perda do principal hormônio responsável pelo humor: a serotonina.

depression não observável
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

O transtorno altera a vida social, a vida psíquica e até a atividade neurológica do paciente, gerando neste altíssimos índices de incapacitação. Áreas do Sistema Nervoso Central relacionadas ao prazer, à motivação e até à atividade psicomotora do sujeito se encontram com baixíssima atividade sináptica durante um episódio isolado ou (e mais ainda) em um transtorno depressivo. Veja a imagem a seguir:

mayo_c7_pet_depression1
Na imagem acima, a atividade sináptica, demarcada em amarelo e laranja, é comparada a partir do cérebro de um paciente Deprimido e outro Não Deprimido. Créditos na Imagem.

Também por ser tratar de uma condição onde a manifestação dos sintomas não se dá maneira explícita no corpo, ou seja, a percepção destes e de seus sinais é mais subjetiva (relacionada ao sujeito) do que objetiva (relacionada aos objetos, ao que se pode observar do meio externo). Sendo este fato bastante associado às tentativas de deslegitimação do Transtorno e do sofrimento experimentado por seus portadores.

Depression senso comum1
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.
depression senso comum2
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Tais fatores, alimentados pelo senso comum com ditos como “é falta do que fazer”, “é doença de rico” ou até “é frescura”, formam que pode piorar o quadro, uma vez o resultado destas falas se limitaria aumentar a dose de culpa – já muito presente nos pacientes que sofrem desta condição. A depressão é um Transtorno Mental que pode atingir todas as idades e classes sociais.

Depressão é Diferente de Tristeza

divertidamente_51
Personagem “Tristeza” da animação da Disney “Divertidamente”. Imagem obtida na internet.

Se a tristeza é uma emoção, a Depressão é uma condição. Uma emoção é uma resposta neuropsicofisiológica, pulsional e instintiva de um organismo ao ambiente que o cerca. Ou seja: é algo que ocorre no corpo, na mente e no cérebro por um breve momento, relacionada a um fator determinado para fins específicos. A tristeza tem seu fim assim que a próxima emoção tomar seu lugar. Não se trata do caso da Depressão.

Enquanto a tristeza pode ser uma emoção que irá se repetir por segundos, minutos ou dias, a depressão perdurará por semanas, meses e até anos na vida de um sujeito.

depression gosto
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

A tristeza dificilmente afetará as tarefas do dia-a-dia ou a performance no trabalho por um período significativo; bem como não provocará dores ou desregulará os ciclos do sono (circadianos), do apetite e da vida sexual a ponto de causar prejuízo cognitivo, nutricional, social e afetivo para quem a vivencia. Quem está triste não deixa de sentir o gosto dos alimentos.

Contrariando mais uma vez o senso comum, a Depressão também atingiu um dos maiores líderes religiosos do Brasil: o Padre Marcelo Rossi. Quebrando publicamente os alicerces argumentativos de quem dizia que o Transtorno era “falta de religião”. A Depressão, diferentemente da tristeza, traz déficits reais nas áreas cerebrais que integram a fala, a atenção e a concentração. E seria possível estabelecer e manter excelentes relações pessoais e profissionais com este desfalque?

depression fala
depression fala devagar
Imagens obtidas e publicadas no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Algumas vezes pude perceber em alguns pacientes uma fala sem muita articulação; uma fala lenta em que seu tom de voz não carregava mais a ênfase da vida. Era possível perceber a troca de nuances de volume, intensidade e tempo por um relato retilíneo e monótono na voz dos sujeitos. Era como se toda a carga emocional e afetiva daquele relato estivesse aprisionada dentro de um profundo buraco mal iluminado. Ao início da experiência clínica e teórica, eu mesmo me indagava se a fala de um paciente deprimido não seria algo “artificial”, “falso” e “forçado”. Hoje eu arriscaria dizer que sim, que de fato é. Mas não por alguma encenação ou defesa, muito pelo contrário: pela quantidade sobre-humana de esforço que é exigida do deprimido ao simples ato de interagir com outra pessoa. Ao simples ato de sentir qualquer coisa. Faltará energia, força e vigor para demonstrar uma”emoção” na fala. A verdade é que não lhe falta vontade e, muito menos, culpa pela falta de êxito em colocá-la em prática.

depression hdtv
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

O Blues, o estilo musical americano que de origem a inúmeros gêneros musicais, incluindo o Rock, ficou marcado por suas letras tristes, costumeiramente associadas à Depressão e à Tristeza. O estimulo musical acabou se tornando uma forma de se referir a um estado emocional e/ou de humor: “I’m blue today” (“Hoje eu estou triste”):

https://www.youtube.com/watch?v=4VBce5OvR-k

É Preciso Falar Sobre

O tratamento da Depressão pode ser longo e trabalhoso, tanto para o paciente como para o (s) terapeuta (s). Não raro será aquele relato de terapeutas que se sentiram “sugados” pela enorme carga afetiva negativa que acompanha uma sessão com um paciente depressivo. Daí a importância do próprio terapeuta sempre fazer terapia e supervisão.

Se há uma dificuldade na vida de um paciente deprimido é a da escuta. Ninguém quer escutá-lo; poucas pessoas permanecem por perto. O terapeuta deverá saber “pescar” as palavras que mais permeiam seu discurso, as dores que marcam seu corpo junto ao seu vocabulário e as sinalizações de seu sofrimento em seu rosto, suas vestimentas e cuidado consigo mesmo.

depression translate
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

A alavanca da melhora estará nas pequenas coisas: nos planos que começam surgir para o futuro, no súbito desejo de pintar as unhas; no ato de ir ao cinema ou tomar uma cerveja, mesmo que sem companhias. No inesperado “vou ali e já volto” em que a pessoa volta mesmo.

Lembro-me que o marco de melhora de um caso grave de depressão que atendi foi uma viagem, feita sem muito tempo de planejamento e sem companhias conhecidos. Duas coisas até então inéditas. Curiosamente, este evento somente foi perceptível ao paciente após alguns meses, quando, em uma objeção minha à sua autocritica direcionada a uma suposta ausência de iniciativa, independência e força de vontade, a viagem foi citada. Curiosamente, o quadro teve grande estabilidade após a tomada de consciência do significado que tinha aquela aventura.

depression group therapy
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Psicoterapias de grupo e até grupos de apoio também podem ser de grande efetividade. Uma vez que causam a percepção de que aquilo tudo não lhe é exclusivo, não é uma falha de sua volição. Estas psicoterapias facilitam, inclusive, o estabelecimento de novos vínculos, que podem ajudar no processo de recuperação dos pacientes.

Por fim, Não é o Fim.

A recuperação é uma lenta luta diária. Uma prova de força que supera de longe os desafios propostos aos halterofilistas mais bem preparados. Cada dia é uma nuvem a menos em um horizonte de intensa neblina. A chamada remissão começa com o enxergar daquela mísera fração de cores de um arco-íris em meio às trovoadas de uma tormenta, que apesar de demorar a passar, agora já acontece sem os fortes ventos que a acompanhavam.

Depression colours
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

É um lento processo que não é linear, mas que aos poucos permite a escolha de alguns tons de cinza – depois de tanto preto e branco. É um desembaçar de óculos que vai permitindo ver vida e alegria no bege que agora está na sua mais nova paleta de cores. O azul já é quase algo bom – começa a despertar algo diferente do que a dor sentida em todos aqueles Blues; dele surge um tom de verde, pois o amarelo também aparecera por perto. Outro encontro dá origem ao marrom: o vermelho também cruzara seu caminho. A escuridão do preto e a cegueira do branco podem até voltar, mas logo há respingos de outras cores que refletem alguma luz a mais. E assim vai.

Certo dia aparece um sorriso, n’outro duas risadas. Uma inesperada vontade de cheirar uma flor toma conta daquelas primeiras horas manhã. Será que correr pela rua seria uma boa ideia? Ainda há um eco da depressão, mesmo nas maiores histórias de superação e nos melhores momentos da vida; ela é assustadoramente sentida por perto, mas as pernas e os ombros estão mais leves. Haverá sempre a possibilidade de tropeçar e cair àquele lugar úmido e escuro, mas não hoje. Pode até ser que isso aconteça na semana que vem. Mas hoje não; hoje estou curado (a). Hoje dá até pra aproveitar, quem sabe amanhã também dê? Bom, já está na hora de fazer planos.

Por Caio Cesar Rodrigues de Araujo

depression cafe
Imagem obtida e publicada no trabalho do designer gráfico Leonardo Fukyama. “Sim, Estou Bem” está disponível no Facebook e Instagram.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5 – Manual Diagnóstico e
Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.

CASTRÉN, E., & HEN, R. (2013). Neuronal plasticity and antidepressant actions. Trends in neurosciences36(5), 259–267. doi:10.1016/j.tins.2012.12.010.

CUNHA, J. A. Psicodiagnóstico – V – 5. ed. rev. e ampl. – Porto Alegre: Artmed, 2007.

DALGALARRONDO, P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais – 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FUKUYAMA, Y. L. Sim, estou bem. São Paulo: 2019. Disponível neste link. Acesso em 17 jul 2019. Link alternativo.

Portal OMS. Organização Mundial da Saúde; 2019 [acesso em 17 jul 2019]. Disponível em: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/depression

World Health Association. The ICD-10 Clasification of Mental and Behavioural Disorders. Clinical descriptions and diagnostic guidelines. Geneva: World Health Organization; 1992.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s