Pulsão ou Instinto? Qual é a diferença?

Instinto ou Pulsão? Qual é o conceito de cada um? Qual é a diferença entre eles? Confira.

24672693

A Guerra Ideológica nas Traduções

É natural a todo principiante nos estudos da psicanálise e, consequentemente, da psicologia moderna, se deparar com versões distintas de tradução nas obras de Freud. Numa versão bastante difundida de sua Obra Completa, termos como Instinto (Instinkt em alemão) e Repressão (Unterdrückung em alemão) , por exemplo, eventualmente são utilizados para descrever os conceitos de Pulsão (Trieb em alemão) e Recalque (Verdrängung em alemão).

Alguns estudiosos vão dizer que há aqui um componente ideológico, inserido durante as traduções do alemão para o inglês, dando abertura para interpretações que eventualmente destoariam do que fora originalmente proposto por Freud. Mas deixaremos esta discussão para um outro momento. Contudo, vamos começar pela diferença etimológica entre pulsão e instinto.

Etimologia

Conforme já sabemos, Sigmund Freud era Austríaco, tendo como sua língua materna o alemão. Naturalmente, nos é necessário buscar o significado das palavras usadas pelo psicanalista na língua em que foram escritas.

Instinto – Instinktgrafado de maneira idêntica ao que é postulado na biologia, é algo mais pautado ao comportamento de uma espécie, comumente usado como instinto sexual. Naturalmente, a palavra instinto é também utilizada, em alguns contextos, como sinônimo da palavra “impulso”.

Pulsão – Trieb: grafado de maneira semelhante ao verbo trieben – ação de impelir.
Trieb: impulsão, fazer avançar à força; empurrar, impulsionar; força motriz (usado na física e na engenharia); impulso da força instintual (instinkt).

Vemos que Trieb também pode vir a ser utilizado como um sinônimo de Instinkt na língua alemã. Então por que ainda se fala em “Erro de Tradução”, ou ainda em “Guerra Ideológica” através da mudança do termo? Para chegarmos a algo que nos aproxime de tal entendimento, será necessário conhecer um pouco mais sobre as definições.

As Definições

Se lembrarmos do uso da palavra Instinto antes de chegarmos a sua definição, podemos lembrar que em línguas latinas e também na língua inglesa não é incomum que nos deparemos com uma semelhança no emprego de Instinto, Intuição e Impulso.

Ex: “Eu agi por instinto”; “My instinct told me to act like that (Meu instinto me disse para agir daquele jeito)”; “O instinto materno é algo incrível!”.

Um consenso sobre como houve essa aproximação de conceitos caberia aos bons linguistas. Quando buscamos uma definição de instinto, o resultado dificilmente não se aproxima de um conceito Darwinista:

“Considera-se ordinariamente como instinto um ato desempenhado por um animal, sobretudo quando é novo e sem experiência, ou um ato desempenhado por muitos indivíduos, da mesma maneira[…]” (DARWIN, C. 2003. p. 273).

Um instinto poderia ser, em outras palavras, um comportamento biologicamente herdado, igual em todos os membros de uma determinada espécie, que perante um estímulo motiva ações com a finalidade ligada à sobrevivência e/ou reprodução.

Mas devemos nos atentar a um detalhe: o instinto nos impulsiona de acordo com o que acontece em nosso meio, com uma finalidade específica. A confusão entre instinto e pulsão é legítima, dadas as semelhanças, mas deve ser extinta, uma vez que falamos de funções e finalidades diferentes.

Por exemplo: se falta alimento no local onde estamos, devemos usar nossos músculos para que haja movimento até conseguirmos o alimento no mundo externo.

A partir do momento em que tal finalidade é atingida, deixamos de sentir toda aquela urgência instintiva que nos impulsiona a algo. E, naturalmente, agimos de acordo com o que é esperado para nossa espécie.

Quando algo deixa de ser Instintivo?

Cena de: “La grande bouffle” (em italiano: La grande abbuffata; no Brasil, A Comilança; em Portugal, A Grande Farra), filme franco-italiano de 1973 em que um grupo de pessoas se reúne com o objetivo de comer tudo aquilo que desejam até a morte.

As Pulsões

Em sua obra, quando se refere às Pulsões, Freud não deixa de utilizar o termo Trieb. E em seus usos do termo Instinkt (“Nova Série das Conferências de Introdução à Psicanálise“, Freud, 1933/1964, p. 106) mostra que seu entendimento de Instinto era diferente daquilo que viria a ser o grande cerne de sua teoria: As Pulsões (Trieb) – bastante retratadas em “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade” (1905), As Pulsões e seus Destinos (1915) e Além do Princípio do Prazer (1920).

Para “resumir a síntese de uma resenha” deste conceito, poderíamos utilizar uma passagem que adaptamos de Freud para definir o que seria uma Pulsão:

Um conceito-limite entre o psíquico e o somático, como o representante psíquico dos estímulos que provém do interior do corpo e alcançam a psique, como uma medida da exigência de trabalho imposta ao psíquico em consequência de sua relação com o corpo. (Freud, 1915, p. 4-5)”

Pulsões seriam, então, representantes de forças impulsionadoras que se originam no interior do corpo e são transmitidas ao aparelho mental, pressionando no sentido de descarga. São Inconscientes e fazem parte do que Freud chamou de Processo Primário, ou seja: ocorrem antes da ação do Recalque. As Pulsões buscam restaurar um estado anterior das coisas (Freud, 1920). Contudo, o processo de recalque não as cessa, apenas as direciona para um tipo mais elaborado de descarga.

Já é possível perceber aqui que, diferentemente dos instintos, os estímulos de uma Pulsão estão exclusivamente do mundo interno de um sujeito. Ou seja, enquanto nosso instinto de sobrevivência só nos permite mover os músculos para fugir quando encontrarmos um leão na selva, nossa Pulsão utilizará de combustível para impulsionar o que está em nosso mundo interno em busca de descarga: a libido.

A Pulsão não ocorrerá para desencadear um comportamento em específico. Ela muito menos se limita a se apresentar de maneira igual em indivíduos de uma mesma espécie. Cada um encontrará a satisfação de seus impulsos pulsionais em objetos que façam acordo com sua própria história subjetiva.

Se é da ordem do instinto ingerirmos determinada quantidade de alimento para a nossa sobrevivência, é além da ordem de algum tipo de princípio do prazer, impulsionado por uma grande força que tenta restaurar algum estado anterior das coisas, aquela nossa compulsão por repetir à exaustão o consumo de determinados alimentos que sequer têm algum valor nutritivo. Ou será que comemos apenas para nutrir nosso organismo? Você conhece alguém que ingere alimentos apenas pela pela motivação da fome? Se isso fosse verdade, colocaríamos em xeque todo o entendimento de dietas para múltiplos fins; toda a variedade de temperos e técnicas de culinária empregadas por toda a dedicação que há nos Chefs de cozinha. Comemos por algo a mais.

Explico a relação da comida com a fase oral do desenvolvimento neste texto. Confira.

Se o instinto acaba no ato de sua finalidade, a pulsão continua até deixar de existir – o que só aconteceu antes do nascimento; aquilo que só poderá acontecer após o fim do último batimento cardíaco. O fim da pulsão estará sempre aliado ao fim de toda a atividade cerebral de um indivíduo: a morte.

Tipos de Pulsão

Se o instinto sexual nos conduz à reprodução de nossa espécie, à continuidade de nossos genes num futuro próximo, a Pulsão de Vida (Eros – Pulsão Sexual) se tornou uma tentativa de postergar – através das pequenas doses de prazer obtidas após uma serie de tensões e conflitos, oriundos no contato com o mundo externo – até onde for possível a última finalidade de toda e qualquer vida: o retorno para aquele pacífico estado inanimado, semelhante a algo antes de seu começo – a morte (Thanatos, Pulsão de Morte).

1016675984_large-image_egsdedmothlg1910

Se no início as pulsões encontraram satisfação no próprio sujeito, direcionando a descarga em áreas específicas do corpo durante as fases de seu desenvolvimento psicossexual, após certo momento, seus alvos foram se tornando objetos no mundo externo.

Se sabemos que a Pulsão de Morte é aquilo que conduz o indivíduo ao prazer de não sentir desprazer algum, ou seja, um estado onde não há o conjunto de complicações da vida, nos é previsível indagar o que faria essa força impulsionadora diminuir sua intensidade para nos deixar vivos por mais tempo.

Se quisermos desenhar, ilustrar a possibilidade de nosso próprio organismo tentar nos conduzir a morte a partir de seu movimento natural, podemos lembrar da própria mitose, o processo de desenvolvimento das células através de sua igual repartição. Quando esta ocorre de maneira desenfreada em alguma célula do organismo, conduz seu crescimento constante até que esta se torne uma anomalia que se tornou a segunda principal causa de morte no mundo.

E por falar em câncer, o que seria um de seus maiores causadores, senão uma fixação, um retorno da libido àquele momento da vida em que era predominante a satisfação das tensões, ou seja: uma descarga das Pulsões libidinais através da via oral? Naturalmente, recorrer ao cigarro em momentos de estresse e tensão deve ser algo que aproxime o sujeito, mesmo numa pequena fração, à primeira satisfação que lhe proporcionou o seio materno.

E esta seria uma forma de representar uma pulsão se direcionando a um objeto, num momento em que esta deixou de poder encontrar satisfação apenas no indivíduo. Freud vai nos dizer (1920) que, sem a pulsão de vida, nossa compulsão à repetição daquilo que nos dá prazer, motivada por Thanatos, nos conduziria à morte rapidamente. A Pulsão de vida (Pulsão Sexual), seria uma forma de encontrar pequenas pausas, uma mudança temporária da rota ao destino final.

A relação sexual é uma forma de descarga da Pulsão que envolve o contato com um outro. Contudo, para que esta aconteça, escolhe-se o conjunto adversidades  naturais do contato interpessoal para encontrar tal descarga de libido. O sujeito escolhe, inclusive, passar pelas etapas de um processo de sedução, pela a exposição perante a rejeição do desejo pelo outro e muitas outras dificuldades que envolvem a busca por sexo; uma vez que conseguir obter o intermédio do outro, através do consentimento e suas condições, é uma forma de satisfazer minimamente a pulsão e respeitar as leis sociais. Caso contrário, se um sujeito obedecesse estritamente a a intensidade máxima de sua Pulsão e agisse sem a ação do Supereu – de fazê-lo entender os limites e leis da sociedade – ele provavelmente cometeria um crime sexual.

Assim como se eu comer bacon sem parar, se eu fumar um cigarro atrás do outro sem intervalo algum para viver o prazer de forma ininterrupta, meu tempo de vida estará em jogo. Para Freud (1920), a Pulsão de Vida (Eros) será responsável pela interrupção dos comportamentos impulsionados por Thanatos através da busca pelo contato com o outro.

É como se, ao reparar nas semelhanças daquele objeto (o outro) com aquilo que eu acredito ter me dado prazer em tempos primórdios de minha infância, eu buscasse uma forma de satisfação quase tão boa quanto, mas que só aconteceria após uma boa dose de estresse e tensão – componentes naturais quando falamos da divergência existente no contato entre seres humanos diferentes. E nessa satisfação obtida através do ato sexual, da investigação científica (como forma forma de sublimação), etc. desvia-se um pouco da morte iminente que causaria o cega busca pela satisfação das Pulsões de Morte.

“A pulsão seria, então um estímulo para o psíquico que vem do interior do organismo, que não age como uma força momentânea de impacto, mas como uma força constante. (Freud, 1920)”.
Enquanto a pulsão de morte tenta adiantar o objetivo da vida, a Pulsão de vida tenta mostrar outro caminho que pode prolongar a experiência durante este objetivo.

A Ambivalência

amor-odio

“Se uma relação de amor com um dado objeto for rompida, freqüentemente o ódio surgirá em seu lugar, de modo que temos a impressão de uma transformação do amor em ódio. Esse relato do que acontece leva ao conceito de que o ódio, que tem seus motivos reais, é aqui reforçado por uma regressão do amor” (Freud, 1915, p. 15)

Uma das mais antigas funções do aparelho psíquico é sujeitar os impulsos pulsionais que se chocam com ele, ou seja, fazer com que se tornem parte do sujeito. Se são predominados pelo processo primário, ou seja, aquilo que ocorre antes do recalque, após o acontecimento deste mecanismo, deverão encontrar sua pequena dose de satisfação a partir de atividades socialmente aceitas, que trazem rastros do prazer anterior ao recalcamento. O prazer na atividade atual se liga a algum prazer de Outros tempos.

É mais ou menos assim que um sádico se torna um cirurgião – seu prazer em ferir alguém se transforma na habilidade de curar, de salvar uma vida a partir de um uma ferida na pele. Assim toda aquela libido que ficaria livre num Eu se torna repousada, quiescente naquilo que agora serve ao indivíduo e o meio que este pertence.

As pulsões de vida, ou seja, o contato com o mundo externo e com o outro, podem nos tirar certa paz. Podem nos dar certa tensão, certas desavenças e algum estresse, é verdade. Mas não se pode negar que há pequenos intervalos de prazer e de alívio destas tensões, de satisfação levemente plena. Podemos até mencionar daquele sentimento oceânico que Freud menciona em O Mal Estar na Civilização (1929). E é daí que vale a pena todo este estresse que nos causa a renúncia de retornar ao estado zero. A morte, a ausência de problemas e preocupações e tensões deixa de ser tão atrativa nestes intervalos de prazer em que a vida vale a pena.

Para que servem as Pulsões?

“Retirantes”, de Cândido Portinari. Uma obra que retrata a morte presente em corpos vivos. A Vida e a Morte ocorrendo ao mesmo tempo.

Eros e Thanatos agem em conjunto. Se nossa capacidade de seguir as Pulsões de Vida não obtivesse interferência das forças impulsionadoras ao fim, é possível que sequer sentíssemos alguma urgência de prosseguir com algo. É possível que sequer buscaríamos aquilo que Lacan uma vez chamou de objeto a.

Não haveria desejo sem Pulsão de Morte. A urgência do desejo, o impulsionamento do indivíduo a buscar uma nova versão de tudo aquilo de bom que já experimentou depende de suas Pulsões. Mas se o contato com este desejo não for intermediado pelas relações humanas, é bem possível que nos prenderíamos exclusivamente a qualquer ilusão de pleno prazer. Por sexo e masturbação compulsivos, pelo sabor de uma comida favorita ou pela satisfação e pela euforia que causam certas substâncias lícitas ou ilícitas. O sujeito estará, lenta ou rapidamente, a caminho da morte, pois é a ela que serve o princípio do prazer.

E é por isso que Eros e Thanatos andam juntas. É por isso que nossas vidas subjetivas são repletas de ambivalência. Nossa capacidade de odiar algo ou alguém, ou seja, de buscar sua destruição através de toda a força pulsional que as Pulsões de Morte nos oferecem, é equivalente ao quanto aquilo nos poderia ter acalentado a libido através das Pulsões Sexuais (Pulsões de Vida), mas infelizmente foi algo que se perdeu nos conflitos inerentes ao contato humano.

Se amar alguém não é algo fácil, odiar também se torna um grande esforço libidinal. É preciso forte investimento para ambos. Não é atoa que eventualmente nos deparamos com notícias como esta:

Ex-líder da Ku Klux Klan é flagrado fazendo sexo com homem negro.

Considerações Finais

Portanto, se as Pulsões são confundidas com instintos, estaríamos determinando comportamentos igualitários para toda a espécie humana. Estaríamos contrariando esta pesquisa. Postulando um conjunto normativo de comportamentos. Se justificarmos o desejo de ser mãe de uma mulher como algo equivalente ao “Instinto Materno”, outras mulheres, aquelas que não querem ser mães; aquelas que não possuem o impulso que este “Instinto” causa, poderiam ser colocadas em uma categoria marginalizada (à margem) daquilo que é normal. Se justificarmos o ato sexual como unicamente proveniente do instinto humano, tornaríamos as relações sexuais homo, bin e pan afetivas uma anomalia do comportamento humano. E a história nos mostra o contrário. E isso poderia servir à múltiplas ideologias – e aqui respondemos uma hipótese ao que fora dito no início do texto: ideologias que poderiam ir contra aquilo que a teoria de Freud defendeu, ou seja, a liberdade dos sujeitos serem quem são.

Se a psicanálise nasce estudando os sintomas oriundos das repressões presentes em uma cultura uniformizante, como aquela da Era Vitoriana, por que dialogaria com a possibilidade de uniformizar o comportamento humano através da noção de Instinto?

Daí podemos pensar que a tradução de “Trieb” por “Instinto” poderia ter muita servidão a grupos mais conservadores à revolução trazida pela teoria que:

  • Foi contra a repressão da sexualidade feminina;
  • Apontou a existência de uma sexualidade infantil;
  • Explicitou a presença de um desejo incestuoso na sexualidade;
  • Explicitou uma agressividade não condizente com o que era permitido exibir;

Mas também mostrou que a história de cada sujeito permite que este module as variações daquilo que lhe é inerente. Apontou que o conhecimento obtido na análise pode permitir que o sujeito reconheça a origem e mude o destino de alguns de seus impulsos ou, ao menos, aprenda a conviver melhor com estes.

A psicanálise não poderia ser instintual, uma vez que sua ética para com o sujeito pulsional estará sempre à frente da hipocrisia pregada pela moral social.

REFERÊNCIAS

DARWIN, Charles (2003). A Origem das Espécies, no meio da seleção natural ou a luta pela existência na natureza, 1 vol., tradução do doutor Mesquita Paul.

Freud, S. (2006). Além do princípio de prazer. In L. A. Hanns (Ed. e Trad.). Obras Psicológicas de Sigmund  Freud:Escritos sobre a psicologia do inconsciente (Vol. 2, pp. 123-198). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1920).

Freud, S. (2004). Pulsões e destinos da pulsão. In L. A. Hanns (Ed. e Trad.) Obras Psicológicas de Sigmund Freud:Escritos sobre a psicologia do inconsciente (Vol. 1, pp. 133-173.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1915)

FREUD, S. (1905). Trois essais sur la théorie de la sexualité. Paris, Gallimard, 1987.

HANNS, Luiz Alberto. Dicionário comentado do alemão de Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996

 

 

O Complexo de Édipo e As Fases de Freud: Oral, Anal, Fálica e Genital.

b255aaa9b84144f4945348814227848b

A imagem acima carrega a foto e a fala de Norman Bates, personagem principal do filme Psicose, de Alfred Hitchcock. E agora também da série Bates Motel. No filme, o personagem diz que “o melhor amigo de um menino é sua mãe”. A fala é decerto Freudiana. E ela é se, com a permissão de um spoiler, já soubermos que ali existia uma relação praticamente simbiótica e, portanto, sem a interdição necessária na relação mãe-e-filho. Tal interdição, conforme explicaremos adiante, se faz necessária para garantir que ambos possam, à sua maneira, procurar a satisfação individual de maneira independente, sem que prosseguisse a ilusão de um ser parte do Outro; sem que adiante se mantivesse a ideia de corpos que não se diferenciam; sem que dois seres continuassem vivendo com o prazer infinito de serem um só em extensão. Certamente, não foi o que ocorreu com Norman Bates. Este que é o personagem mais famoso da história do suspense cinematográfico e, sem dúvidas, aquele que marcou eternamente a carreira do ator Anthony Perkins e, mais recentemente, de Freddie Highmore também.

Mas neste post iremos nos atrelar mais ao primeiro Bates e, adiante, tentaremos o exercício de tentar localizar nas fases do desenvolvimento psicossexual estabelecidas por Freud, um Lugar que traga mais traços em comum com este ícone da Cultura PoP.

Norman Bates

Norman parecia confundir tanto a imagem de si com a de sua mãe a ponto de no ápice de sua euforia, numa cena emblemática, ele finalmente unir as vestes e o cabelo de sua progenitora ao corpo. É como se agora fossem apenas um; como se suas personalidades e suas forças estivessem fundidas; como se agora nada impedisse o seu gozo de cometer o crime — que parece acontecer quase como se não fosse uma escolha própria. Como se a mulher esfaqueada por Norman fosse mais vítima de uma mãe ciumenta do que de um psicopata assassino. E aí está um grande ponto da série e do filme: talvez Norman Bates não fosse um psicopata.

E daí o nome do filme explica o restante: Norman Bates poderia ser um psicótico.

A Psicose

E Freud (1924) já nos dizia que a psicose ocorre quando o ego se mantém na primitividade, quando seus recursos de lidar com as exigências da realidade são incapazes de uma elaboração mais madura, voltada para o mundo externo, de modo que permitam um mísero contato com a realidade em situações de estresse psíquico. Como se ele vivesse apenas em uma plena satisfação, parecida com aquela união mãe-bebê durante um momento de amamentação.

E curiosamente, neste ato de ruptura com a realidade externa, tomando como exemplo em particular a persecutoriedade e/ou a grandeza egocentricamente vividas nos delírios psicóticos, seria possível perceber em um olhar mais atento algo semelhante ao que ocorre na Fase Oral proposta por Freud. E se uma frase poderia fazer analogia ao pensamento que rege tal estrutura, talvez fosse parecida com esta a seguir:

“Não cederei às tuas pífias exigências, Dona Realidade! Provo-te, por meu corpo, por minha percepção e por meu discurso, que me aguarda em algum lugar o direito à plena satisfação. Aquilo que eu detinha ao ventre não poderá ser tirado de mim e, caso seja, com algum tempo, hei de reivindicá-lo como fazia no berço. E sabes bem que dependo apenas da voz para que minhas necessidades sejam satisfeitas, bastou lá atrás. Basto-me. E, se a realidade insiste em me contradizer, algo está errado; algo só pode estar errado. Mas não comigo, com o externo. Se não volto ao gozo é por complô, é por ser perseguido em função de minha grandeza. Pois eu, sendo quem sou jamais deveria ter o dever de sofrer tuas exigências; jamais poderia disfarçar meu descontentamento, jamais poderia vender meu esforço por migalhas de satisfação! Não aceito. Nego, descarto! Não pode existir um mundo assim e se pode, ficarei com o meu próprio”.

Este desejo de ter suas necessidades atendidas por um mundo que ainda parece ser parte de si é muito parecido com o do recém-nascido. Lembra muito de sua relação com a mãe. Há então de se indagar: o quão prejudiciais podem ser os destinos oriundos de algumas relações estabelecidas de maneira indevida entre mãe e filho? É por isso que algumas vezes é um aprendizado, na prática clínica, conhecer a mãe de um paciente que sofra de alguma psicose.

O caso de Norman Bates é um exemplo dos múltiplos destinos indesejados que podem decorrer, dentro do que se entende na psicanálise, de uma relação simbiótica entre mãe e filho — que persiste sem algum tipo de interdição. Um destino possível de quando não há uma boa elaboração do sujeito no que diz respeito sobre sua passagem por alguma (s) das Fases do Desenvolvimento Psicossexual da criança, postuladas por Freud (1905/1976a).

O Sujeito

O caso do famoso filme de Hitchcock é aquele que, em termos psicanalíticos, ainda não é sequer o caso de um $ujeito na Linguagem. Já que a inauguração subjetiva apenas se daria após o acontecimento de algo: Aquilo que Barra uma futura personalidade de qualquer confusão que ela pudesse fazer de seus impulsos imediatos com a realidade do mundo exterior. Pois para existir um sujeito, deve haver um desejo. E não iremos confundir aqui os impulsos com os desejos. Pois falamos de Outro tipo de desejo. Falamos daquele desejo que para existir deverá vir da falta. Aquele que não vê a falta em si poderia até confundir a própria realidade com a externa, talvez por sentir que não precisa sequer procurar a segunda. Bates nos deixa claro que suas confusões foram muitas — principalmente no que o tornaria diferente à imagem e aos desejos de sua mãe.

Talvez Norman tivesse ficado preso naquela fase em que o filho ainda se confunde com a mãe. Talvez tenha sido, de fato Imagem e semelhança — deificadamente. Talvez Norman fosse um significante que às vezes fora confundido com Norma, o mesmo do Nome Próprio de sua mãe. E, sendo este o caso, a Letra que fica sobrando poderia escrever muita coisa. Mas há um certo NÃO que é dito à realidade externa. Infelizmente, falamos da mesma que tornaria Um diferente da Outra.

As Fases do Desenvolvimento da Organização Sexual

enhanced-21391-1534353143-1

(Imagem Retirada do Site Buzzfeed)

Faça o Teste

Recentemente, o portal BuzzFeed publicou um teste – com meros fins de entretenimento, é preciso ressaltar – em que a pergunta principal é: Qual fase do desenvolvimento da infância você não superou segundo Freud? O teste pode ser acessado aqui. Selecionamos algumas imagens diretamente do site para exemplificar o teste em questão. Nele, o usuário seleciona algumas imagens, como por exemplo, esta a seguir:

oral freud buzzfeed

E após a seleção de um conjunto de itens, o resultado apareceria da seguinte maneira:

fase oral freud

Como o propósito dos testes do BuzzFeed é meramente recreativo, podemos respirar aliviados com os “diagnósticos”, mas é com o compromisso da disseminação do conhecimento, que a Sociedade dos Psicólogos produz este texto, explicando de maneira breve (ou quase) as Fases do Desenvolvimento Psicossexual de Freud. E o fazemos para que todos aqueles, que fizeram o teste ou não, possam entender melhor sobre esta contribuição tão presente dentro e fora do ambiente universitário, psicológico e psicanalítico.

IMPORTANTE

Antes de prosseguir com a leitura, é altamente recomendado que se revise e entenda o conceito de Pulsão, explicado no texto a seguir. Clique no link:

O que é Pulsão? Qual é a diferença entre Pulsão e Instinto?

As Fases de Freud

Estas primeiras fases do desenvolvimento, dentro do que é postulado pela teoria psicanalítica, têm um papel fundamental na estruturação do Eu. Cada passagem deixará seus traços, seus rastros e suas particularidades; no discurso, na linguagem e na relação de cada sujeito com os seus e Outros afetos no futuro.

Isso não quer dizer que os traços de caráter, mnêmicamente gravados ao longo da passagem dos indivíduos por tais fases, sejam imutáveis ou deterministas sobre quem ele é/será. Mas se desvencilhar de características tão intrínsecas, segundo Freud, não seria algo tão simples quanto se livrar de um hábito recentemente adquirido – o que já não é fácil. Aqui falamos dos caminhos que, durante certa evolução, a libido percorre o corpo e, de certa maneira, a mente de um ser em desenvolvimento. Ressalta-se todavia, que não falamos de processos conscientes; e, sem dúvidas, a libido e sexualidade não dizem respeito exclusivamente ao ato da relação sexual em si.

IMPORTANTE

Para um entendimento mais claro dos conceitos que aqui serão explicados, é altamente recomendado que se tenha aprendido o conceito de Pulsão. Se necessário. Para revê-lo clique aqui.

A Fase Oral – Idade Aproximada: 0-2 Anos

bebe2

Nesta fase, dos 0 aos 2 anos – e não falamos aqui de idades exatas, mas aproximadas – , a criança experimenta o mundo pela boca. E é importante fazermos aqui um exercício de empatia com o bebê:

Pois iremos então supor o seguinte, sua vida atual se resume da seguinte maneira:

  • Tu não conheces a fome e nem a vontade de comer, pois há em ti uma nutrição constante via cordão umbilical que impede este primeiro mecanismo – e como conhecer o segundo se o paladar sequer lhe é algo conhecido?
  • Felizmente, o útero é um ambiente quente, seguindo temperaturas próximas aos 36º; o líquido amniótico da placenta envolve o bebê em boa temperatura – mesmo nas formas mais amorfas àquela que conheceremos ao seu nascimento. Sendo assim: como poderia ele conhecer o frio?
  • Não se sabe o que é luz. Os olhos ainda não se abrem. Basta ao leitor lembrar do quão propensos somos a manter os olhos fechados em ambientes de baixa luminosidade (e o quanto não gostamos de um contato lúcido em nossos olhos, principalmente se este vier em seguida de um longo período no escuro). O bebê não sentiu ainda o incômodo da luz em sua retina; pois então: há de se preocupar com o quê?
  • Ali dentro ainda há outro benefício: não se sabe ainda, absolutamente, como é ser tocado; então é evidente que também não se sabe o que é dor física.

Não há fome, não há luz, não há sequer frio ou dor; estamos falando não haver uma gota sequer de desprazer nesta vida. Pura verdade. Mas só até o maior trauma; até a maior condenação à morte que começou na relação sexual dos pais, (como diria Lacan); só até o maior prazer na vida de muitos casais ser a primeira experiência de desprazer na vida de um ser: o próprio Nascimento.

Temos aqui um trauma inaugurado pelo desprazer do toque: algo puxa, contra a sua vontade, o bebê de seu berço esplêndido de gozo; segue-se um tapa. Uma palmada que provoca a dor e a eterna missão de mandar ar aos pulmões 24 horas por dia; em seguida, um movimento de seu corpo para lá e para cá. Vozes, agora em um volume muito maior, desconhecidas. Ainda por cima, para variar o desprazer, há algo que nunca se sentiu antes: fome, sede; a dor nos olhos causada pela luz inédita (lembram como é incômodo o acender de luzes após certo tempo no escuro?) que acompanha o frio de sentir o vento bater no molhado de seu corpo — que sensação horrivel! “O que raios será que é tudo isso que nem nomear eu posso?!” — Poderia pensar o bebê.

Ainda bem que em breve este bebê estará nos braços de sua mãe. Ali terá a primeira experiência de satisfação de sua vida; aquela que nunca mais será possível repetir com tamanha intensidade: a que acompanhará o calor dos braços da mãe, o afeto de sua voz sorridente e, finalmente, a satisfação da primeira sucção do mamar. Acabou a fome. Acabou o frio. Ouve-se ternura e afeto, sem sequer saber o que estes são. Eles vêm uma voz bem próxima. Nem o melhor dos cigarros, dos charutos cubanos; nem o melhor conhaque, vinho, whisky ou a melhor refeição que um Chef poderia preparar poderão resgatar por completo o que acaba de ser vivido. Aqui há um prazer que tentará ser repetido por toda uma vida. E certamente falamos de tentativas falhas, que atingem apenas um rastro de tudo aquilo. Mas é oficial: aqui inicia-se a Fase Oral do Desenvolvimento.

Freud vai nos dizer que nesta fase o prazer vive pela boca. Suas únicas experiências moram no que escuta, no que vê com seus parcos recursos visuais; no que é sentido na pele, no que é cheirado e, principalmente, no que é ingerido. Mas não há aqui, ainda, linguagem complexa. Não haveria aqui, ainda, algo que impeça seu prazer e desperte sua raiva. Pois, convenhamos, estamos falando de um bebê!

Aliás, ledo engano: há sim. Há algumas insatisfações. Há as ausências maternas súbitas. Há a fome que agora vai e volta. Há o incômodo de uma fralda suja, há cólicas e um conjunto de desprazeres que ainda não são entendidos, nomeados ou expulsos com facilidade. Mas tudo (ou quase tudo) tende a se cessar com a presença da mãe, que a princípio, a criança pode até confundir com uma extensão de si mesma – já que falamos de um ser que nunca sequer se viu (e se o fez num espelho, não se reconheceu), que ainda não teve tempo para compreender a realidade como nós; já que esta figura que até nomeia teu choro com leite, colo ou banho é o que lhe traz a paz para os desprazeres — e nisso existe linguagem. Portanto, aos primeiros balbucios e engatinhamentos busca-se o mundo todo pela boca. Busca-se prazer por esta via.

Regressão Sadia à Fase Oral

É possível que na vida adulta tenhamos alguma vontade de retornar a esta fase perante alguns desprazeres. Vai-se lá saber o quanto gostávamos dela? De toda forma, Freud nos ajuda a entender que há meios de fazer isso: fixamo-nos nos copos de cerveja, vinho e whisky perante alguma ansiedade; levamos um lápis, caneta ou dedo à boca em momentos de tensão; e como não esquecer do cigarro? E ainda, do preferido por Freud: o charuto! E por mais que às vezes, como os itens anteriores, um charuto pode ser apenas um charuto, noutras vezes ele pode ser, quando não um símbolo de Poder – quase que representando um certo órgão sexual – também poderia ser um prazeroso retorno à Fase em que tínhamos nossa demanda atendida com veemência, emergência: um retorno às primeiras satisfações.

churchill
Imagem da Internet: O Primeiro Ministro Britânico durante a Segunda Guerra Mundial, Winston Churchill, fumando um de seus adorados charutos e fazendo seu famoso símbolo que, às vezes, era invertido num insulto disfarçado.

A Fase Anal – Idade Aproximada: 2-4 Anos

bebe-preprado-para-desfraldar-sentado-no-penico-fazendo-xixi-e-coco

Agora imaginemos: todo o amor e atenção que era reservado ao bebê na fase anterior passa a ter um preço. Qual preço? O de algumas regras sociais. Após experimentar o mundo pela boca e até, de certa forma ter uma ideia melhor da própria imagem — entender-se como diferente dos pais e já se reconhecer no espelho — a criança descobre algo novo. A partir de agora algo fora produzido diretamente por ela; a partir de agora ela passa a sentir um prazer sobre seu mais novo aprendizado: o controle de suas evacuações.

Agora escolhe quando e onde se deposita aquilo que se tornou a primeira produção autoral de um ser. E tem até um agravante: os cuidadores demonstram até mais amor se o cocô é feito no vaso, no penico. E mais: há grande insatisfação deles se, num gesto natural de conhecer a primeira obra propriamente humana, em sua primeira empreitada, em seu primeiro pertence valioso, a criança decidir brincar com suas fezes. Também há insatisfação dos cuidadores quando esta as deixa pela sala, pelo quarto e por outras áreas da casa como um presente, com orgulho! Como alguém que oferece aquilo feito unicamente por si em em prova de amor. Mas aqui que se aprende que o amor tem preço, que não existe amor saudável que seja incondicional. É preciso agora reprimir alguns impulsos que a deixam com vontade de brincar com as próprias fezes; e também reprimir os impulsos de evacuar à hora que bem entender. É preciso ter controle sobre os impulsos. Mais ainda sobre os esfíncteres. Não é atoa que pessoas excessivamente controladoras e/ou compulsivamente organizadas; com certas compulsões por limpeza ou altamente apegadas a objetos materiais e/ou dinheiro podem descobrir em suas análises certas fixações nesta fase do desenvolvimento.

Destino Socialmente Aceito

Mas, se precisarmos de exemplos, um artesão que trabalha com argila encontrou um meio tão eficiente de “brincar com suas fezes”, ou seja, de retornar aos prazeres da fase anal de uma maneira socialmente aceita, quanto um degustador de vinhos encontrou de retornar à fase oral. Para Freud, a Neurose Obsessiva pode ter uma de suas fontes conhecidas se a Fase Anal do Desenvolvimento de alguém for devidamente investigada.

35dc90e3bb36aeac9a5f70f7f6b4d449
Cenas do Filme 500 Dias com Ela, onde a personagem de Zoey Deschanel diz que seu apelido na escola era “Garota Anal”, por ser muito limpa e organizada. Uma clara referência chistosa à Fase Anal Freudiana.

Fase Fálica e Complexo de Édipo – Idade Aproximada: 4-6 anos

fase falica

Após a criança começar a conhecer alguns limites de seu corpo e entender finalmente que sua dinâmica familiar é maior do que ela mesma, e ainda maior do que apenas respeitar algumas regrinhas, chegou a hora de uma relação triangular.

cpn
(Imagem de um modelo familiar proposto por Freud no Século XX. Aqui mostramos apenas uma das possíveis configurações familiares, no caso a heterossexual. É importante que se observe a realização da Função Materna e da Função Paterna em moldes que se adequem à realidade familiar de cada criança)

Usaremos, para meros fins de ilustração, o mesmo modelo que Freud usou de exemplo para designar uma dinâmica familiar de sua época. Lembrando, é claro, deste não ser o único existente. Tomaremos como exemplo a relação Homem (Pai), para Função Paterna; Mulher (Mãe), para Função Materna e Filho (sexo e gênero masculinos) para representar a criança.

A relação mãe-bebe era, conforme descrito na fase oral, praticamente simbiótica. Onde não há diferenciação de um pelo outro até que o bebê consiga finalmente reconhecer e controlar o próprio corpo. Mas ele só pode fazê-lo ao entender que este seu corpo é um outro separado de sua mãe. E isso pode ser observado nos momentos em que a criança começa a se reconhecer no espelho.

Entendido isso e mais algumas pequenas regrinhas sociais, aparece outro empecilho: um terceiro naquela relação que antes era exclusiva.

O Intruso

Com a redução das demandas imediatas de um bebê, a criança vai naturalmente ficando menos dependente do cuidado materno. Não há mais tanta necessidade de colo, de trocar as fraldas, de mamar no peito e de ter toda aquela atenção exclusiva. A própria chupeta aqui pode ser até algo preocupante ao desenvolvimento saudável.

Todavia, algo não poderá passar despercebido ao nosso sujeito em desenvolvimento: a mãe, além de se “afastar” dele volta sua atenção para uma outra pessoa – aquela que designará a Função Paterna. E é claro que esta ausência será sentida e manifestada pela criança – que irá reivindicar sua saudosa exclusividade! Como ousaram tirar isso dela?! — poderá sentir—. Mas há formas e formas para isso. Talvez este sujeito em desenvolvimento tentará dormir na cama dos pais; poderá até forçar sua presença em ambientes e situações inadequadas. Poderá falar mais alto, se debater, chorar até fazer outras coisas comumente apelidadas de “birra”.

maxresdefault

Daqui poderá surgir um pensamento comum até aos adultos mais ciumentos: “O ele tem que eu não tenho?”; “O que me faz ser preterido perante este ‘novo’ preferido?”. A criança percebe-se como alguém insuficiente a suprir todas as demandas de sua mãe. E que bom que isso acontece. Caso contrário, que peso, que fardo teria de carregar!

— Se não sou suficiente para a satisfação de um Outro, será que algo me falta? — E se esta dúvida surge justamente na fase em que marca-se a diferenciação sexual, na fase em que a sexualidade – a libido – está concentrada nos genitais – descobre-se aqui outra fonte de alívio de tensão e obtenção de prazer. Mas também se questiona a respeito dos genitais e hábitos próprios e alheios. Talvez como se estes até pudessem ser uma alusão às diferenças papéis sociais desempenhados por cada gênero.

Quero dizer: se na época de Freud (Século XIX e XX) o pai, que trabalhava fora e comandava a casa com voz ativa, era o detentor primordial do amor da mãe, será que um terno, ser mais forte e mais alto; falar mais grosso, usar chapéu e sapato ou até ter um pênis maior e mais desenvolvido poderia, em tom de comparação, ser algo que faria a criança recuperar a posição que lhe fora tomada?

Geralmente, nesta mesma idade pode-se observar os primeiros gestos que se assemelham ao que será a masturbação (que virá em sua “forma definitiva” na puberdade), há curiosidade (“Por que o meu e o dele são diferentes do dela? Será que ela perdeu? Será que eu também posso perder meu?”) e estímulo voltados para os genitais. Mas há também – e deve haver – Leis Sociais que reservam a este período de desenvolvimento um conjunto de restrições e punições (Exemplo: “Parece que recebo menos amor e mais hostilidade de meus pais se manuseio meus genitais na sala de visitas”).

Há também a introdução da Lei, a supressão e a repressão dos impulsos sexuais que buscam satisfação imediata. Há aqui a necessidade de barganhar o prazer imediato com a autoridade parental.

Numa bem simplificada “resenha da síntese do resumo das anotações”: troca-se prazer imediato por amor e realizações sociais a longo prazo. E caberá a demonstração da Lei à Função Paterna, podendo esta ser uma pessoa, um objeto ou uma situação de ausência. Tudo isso, não coincidentemente, acontece junto ao domínio e inserção da Linguagem complexa, da fala, da língua e suas primeiras regras gramaticais. Como se para usufruir dos direitos e restrições de qualquer sociedade houvesse um requisito primordial: ser nela um falante.

O Processo de Identificação

“Pois então, se aquele Terceiro da relação detém o amor de minha mãe, o que não falta nele? O que falta em mim? E o que falta na minha mãe? O que ela perdeu?”

A lógica seguinte deste questionamento inconsciente é a do processo de Identificação. Onde percebe-se, de maneira inconsciente, quais características, posturas e responsabilidades sociais se herdará naquela sociedade.

Objeto de Identificação e Objeto de Desejo x Identidade de Gênero e Orientação Sexual

Aqui geralmente forma-se a Identidade de Gênero naquele sujeito em desenvolvimento. Sem que este perceba ou lembre-se disso, foi aqui que soube pela primeira vez que usaria seu pai como referência de como se portar em sua sociedade.

Elege-se um Objeto de Identificação (o pai), que aparentemente capta parte do olhar que tanto se quer ter com exclusividade novamente. Também elege-se o Objeto de Desejo (a mãe), que está para a formação da Orientação Sexual tanto quanto o Objeto de Identificação está para a formação da Identidade de Gênero. É comum aos meninos nesta idade imitarem os gestos, as vestimentas e os comportamentos inúmeros da Figura Paterna. Aqui há um maior e melhor manejo da língua, que também carrega uma porção de Leis que devem ser seguidas.

Figuras de Referência

E aqui há uma Lei que deverá ser eternamente lembrada pela criança: “Não poderei obter a mesma forma de amor que minha mãe oferece a meu pai”.

— Portanto, procurarei esta realização no mundo; levarei comigo aquilo que gravo deste Terceiro para desbravar relações minimamente parecidas com esta, que agora é minha principal referência de mundo.

— Procurarei amigos, pares românticos e profissionais que, por coincidência ou não, sempre poderão me lembrar desta primeira experiência —. E aqui falamos de uma passagem saudável pelo Complexo de Édipo. O exemplo de um homem, cis gênero e heterossexual é meramente ilustrativo, podendo o comentarista deste artigo tomar a liberdade para citar outros.

O Mito do Rei Édipo

edipo-guiado-por-antigona

Freud Baseia esta parte de sua teoria na Tragédia Grega Édipo Rei, de Sófocles (Aproximadamente 496 a.C. até Aproximadamente 406 a.C) e também na obra de Fiodor Dostoiévski (que o próprioFreud considerava o melhor romance já escrito) “Os Irmãos Karamazov” (1880), que futuramente terá um texto pra si aqui neste blog.

Focaremos hoje no mito grego. A Narrativa é de um Rei de Tebas, Édipo – em grego: Oidípous “Pés Inchados” – , que ao seu nascimento é amarrado pelos pés pelo próprio pai, que o entrega a um pastor que tem a missão de garantir sua morte ainda bebê. E das cicatrizes geradas pelos grampos que prendiam seus pés àquela época, Édipo ganha seu Nome Próprio.

O então príncipe abandonado ao nascimento é salvo pela misericórdia do pastor que o recebeu. Vivo, ele é entregue ao Rei Políbio, da cidade vizinha à Tebas, Corinto. Políbio não podia ter filhos, logo, ao ser adotado, Édipo passa a ser o principal herdeiro do trono daquela Polis. Sempre sendo criado como um príncipe legítimo.

Em sua idade adulta, o Príncipe dos Pés Inchados se exila de Corinto pelo mesmo motivo que levou seu pai biológico querer sua morte: uma profecia do Oráculo de Delfos, que era o portador oficial da voz do Deus Apolo. A profecia dizia que quando adulto, Édipo mataria seu pai e desposaria sua mãe. E desta união incestuosa só poderia nascer um tipo de prole: a que faria atos tão abomináveis quanto o incesto e parricídio que permitiriam sua existência. Édipo, que acreditava ser filho de Políbio, se escafede de Corinto e, ao revelar o Enigma da Esfinge que atordoava Tebas, se torna Rei de sua antiga Pátria.

Contudo, um pouco antes, no caminho para Tebas, Édipo – um príncipe! – se sente desrespeitado ao ser mandado para longe da rota de um comboio de homens que se cruza seu caminho. O grupo parecia proteger aquele que era seu líder.

Numa coincidência que demonstra a inevitabilidade de uma profecia, o Príncipe de Duas Cidades comete um dos maiores tabus da humanidade: o parricídio. Assim o próprio filho é quem mata Laio, o Rei de Tebas àquela época. Só lhe faltou saber que aquele era seu pai biológico. Esta metade da profecia é cumprida, mas a outra metade vem logo adiante.

Quando é finalmente proclamado Rei de Tebas, Édipo se casa com a Rainha Jocasta. Ele de novo cumpre a maldita profecia: fecunda e torna o lar daquela prole abominável o mesmo local que outrora havia sido sua primeira residência – o útero de sua mãe biológica.

Destinos do Édipo

Freud se baseia no Mito para apontar a repetição que observou no contexto familiar daquilo apontado na narrativa. É claro que ele enxerga e expõe isso de maneira metafórica. Postula ainda que ninguém poderá passar por tal fase sem carregar uma marca ao menos; mas estas variadas possibilidades de ferida egóica são as marcas necessárias para que se encontre realização nas outras múltiplas áreas da vida.

Para Freud, uma fixação ou má elaboração no Complexo de Édipo, localizado na Fase Fálica do Desenvolvimento Subjetivo, pode falar muita coisa sobre a Histeria e a competitividade.

E, se pedíssemos para alguém exemplificar os conflitos que carrega desta fase esta pessoa poderia responder de maneira parecida a esta:

“Talvez um carro mais caro, um bom charuto cubano ou um volume infinito de parceiras sexuais poderiam dar a ilusão, por alguns breves momentos de minha vida, que não fui tão impotente ao perder aquela primeira disputa amorosa quando era criança. Talvez não haja essa falta dentro de mim. Não que eu perceba isso: mas talvez o eterno conflito com aqueles que são mesmo sexo que eu, aqui em minha vida adulta, possivelmente tenha se tornado uma maneira autoafirmativa de me mostrar mais distante àquela inferioridade que eclodiu, e às vezes explode dentro de mim. Talvez eu me sinta menos rejeitado pelas mulheres com quem me relaciono ou pretendo me relacionar, se as objetificar; já que é perigoso tratá-las como um ser humano completo. A última vez que fiz isso me decepcionei muito, de maneira bem parecida como naquela experiência com minha primeira referência. E talvez eu deva de fato ter o mesmo emprego que meu pai; mesmo se eu não gostar tanto da área. Afinal, olha quem… ops, quero dizer, olha o que ele conseguiu para si e eu não. Mas, é importante que eu ressalte: aquela única vez que troquei o Nome de minha esposa pelo de minha mãe, foi simplesmente porque eu estava cansado; foi mera distração e coincidência; elas nem são tão parecidas assim. Elas não podem ser. Até porque, se fossem, a teoria de Freud – que eu acho um absurdo! – até faria sentido”.

A Fase Genital – Da Puberdade até a Morte

puberdade

Após a passagem por todas estas fases e um Período de Latência (que não é fase do desenvolvimento), entre os 6 anos e a puberdade, Freud vai nos dizer que agora é hora de buscar a realização no mundo exterior (caso do Neuróticos). É hora de buscar relações saudáveis, de própria escolha, fora da dinâmica familiar. É tempo de começar a tentar ser, ao menos um pouco, sujeito de sua própria história.

Aqui se estabelecem os grupos de amigos, os grupos profissionais e escolares, os pares amorosos as escolhas futuras. E vale dizer que a passagem pelas outras Fases do Desenvolvimento seja vista, aqui, como grande influenciadora da maneira que utilizaremos para lidar com os nossos conflitos, afetos e até do nosso modo de obtenção de prazer na vida.

Aqui se espera que o sujeito já saberá negociar, de alguma forma, às exigências que lhe faz a realidade, que por sua vez, estará sempre em conflito com os impulsos e desejos mais primitivos.

Espera-se que aqui terá algum equilíbrio Além do Princípio do Prazer e o Princípio da Realidade; aqui se começa a encarar, como diria Nelson Rodrigues:

ea22f6224a32d1537d36801893bc.png

Por Caio Cesar Rodrigues de Araujo

*Todas as imagens aqui utilizadas foram retiradas da internet. Caso alguma seja de sua propriedade, entre em contato conosco imediatamente.

Algumas referências bibliográficas para aprofundamento:

Freud, S. (1976a). Três Ensaios sobre as teorias da sexualidade (J.
Salomão, Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras
Psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. VII ). Rio de
Janeiro: Imago. (Original publicado em 1905).

Freud, S. (1974). A dissolução do complexo de Édipo. (J. Salomão,
Trad.). Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas
Completas (Vol. XIX, pp. 215-226). Rio de Janeiro: Imago.
(Originalmente publicado em 1924)

Freud, S. (1974). Algumas conseqüências psíquicas da distinção
anatômica entre os sexos. (J. Salomão, Trad.). Edição Standard
Brasileira das Obras Psicológicas Completas (Vol. XIX, pp. 303-
322). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1925)

Quer saber mais sobre Psicologia e Psicanálise? Inscreva-se em nossos Cursos Presenciais.