Qualidade de vida no trabalho: aspectos ínfimos em um mar de possibilidades

Thinking smiling woman with questions mark above head looking up

Antigamente quando um profissional buscava uma oportunidade no mercado de trabalho, seu principal objetivo era estabilidade, construir sua carreira em uma organização e manter-se nela até sua aposentadoria. Com as novas gerações, esse ideal foi se desconstruindo e o objetivo tornou-se a busca pela empresa que forneça não apenas uma boa remuneração, mas também, os benefícios que refletem na qualidade de vida no trabalho (QVT) desse colaborador. E o que seria essa qualidade de vida no trabalho que ouvimos tanto no meio organizacional?

Conceitos tradicionais

qualidade-de-vida-no-trabalho

A qualidade de vida no trabalho é considerada um conjunto de benefícios adotados para a melhoria do ambiente de trabalho, visando melhorar a produtividade por meio da satisfação dos funcionários, reter seus colaboradores ou mesmo, utilizar essas práticas como forma de captar novos profissionais. Quando houve o compreendimento de que um funcionário motivado e feliz produz mais e melhor, gerando resultados positivos para as empresas, a preocupação com o bem-estar dos trabalhadores começou a se tornar algo mais concreto.

Recursos humanos como principal provedor de QVT

O Recursos Humanos possui grande parte da obrigação em tornar possível o acesso dessas práticas aos seus colaboradores. Eles são os responsáveis por escolher pessoas adequadas para cada função, acompanhar a evolução de seus funcionários, garantir que seus salários e benefícios são justos e suficientes para as funções exercidas, recompensá-los pelos resultados alcançados e principalmente por estar atenta às necessidades básicas de seus colaboradores.  Além disso, é importante que o RH tome medidas para garantir que sua equipe esteja motivada. Podemos observar alguns exemplos: apresentar ao profissional a importância de manter-se um equilíbrio entre as esferas da vida (física, pessoal e profissional); investir no funcionário por meio de cursos e treinamentos; utilizar a ferramenta feedback para que seu crescimento seja constante; considerar a disponibilização de horários flexíveis visto que indivíduo possui um horário em que produz melhor.

Consequências de um ambiente organizacional sem qualidade de vida

A falta de qualidade de vida no trabalho pode gerar transtornos na vida dos profissionais e, consequentemente, na vida das empresas. Uma pessoa com a saúde mental debilitada, deprimida, por exemplo, tem grande dificuldade em manter relacionamentos amorosos, desempenhar as funções no trabalho e até mesmo educar os filhos. Uma pessoa com problemas emocionais pode influenciar todos os membros da família. Uma pessoa com a saúde mental afetada está mais propensa à dependência de drogas e de álcool, a contrair doenças infecciosas, desenvolver alergias, doenças auto-imunes, estado depressivos que a levem a questionar sua existência e a tentativa de suicídio.

O stress é na atualidade um grave problema com inquestionáveis implicações na qualidade de vida. Os problemas serão mais intensos dependendo do nível de stress a que o indivíduo está sujeito, das causas que lhe deram origem e dos sintomas apresentados.

sad businesswoman

Papel do psicólogo organizacional

O psicólogo das organizações encontra-se em um vasto campo de atuação,   que   incluem   ações   ligadas   à   gestão   e   compreensão   dos comportamentos de  pessoas,  grupos  e  estruturas  organizacionais.  Duran  (1994) aponta que cabe ao psicólogo produzir conhecimentos e atuar no sentido de reduzir as  dificuldades  nas  relações, criando um ambiente propício para a qualidade de vida no trabalho. Desta forma,  o  psicólogo  deve  ser  capaz  de  aprender, desenvolver  e  aplicar  os  conhecimentos  gerados  através  da  psicologia.

A busca pela QVT

A QVT envolve os aspectos intrínsecos (conteúdo) e extrínsecos (contextos) do cargo. Ela afeta atitudes pessoais e comportamentos relevantes para a produtividade individual e grupal, tais como: motivação para o trabalho, adaptabilidade a mudanças no ambiente de trabalho, criatividade e vontade de inovar. Não é determinada apenas pelas características individuais (necessidades, valores, expectativas) ou situacionais (estrutura organizacional, tecnologia, sistemas de recompensas, políticas internas), mas sobretudo pela atuação sistêmica dessas características individuais e organizacionais.

Para que possamos garantir uma boa qualidade de vida e não dependermos apenas de iniciativas e ações das empresas, devemos nos preocupar com a manutenção de hábitos saudáveis, como por exemplo: cuidar do corpo, uma alimentação equilibrada, exercício físico, relações saudáveis, ter tempo para realizar atividades de lazer e principalmente, cuidar do nosso estado psíquico. Segundo as palavras de William Shakespeare, o trabalho agradável é o remédio da canseira.

Referências

DURAN, A. P. Alguns dilemas na formação do psicólogo: buscando sugestões para superá-los.  In:  ACHCAR,  R.  (Org.). Psicólogo  brasileiro: práticas  emergentes  e desafios para a formação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1994.