Onde pode trabalhar um psicólogo além da Clínica e do RH? Outras Áreas de Atuação da Psicologia

Já está bem definido no Imaginário popular o trabalho de um psicólogo. A princípio, vê-se um sujeito deitado no divã. O outro, naquela sala à meia luz, está geralmente tomando nota em um bloco que apoia em cima de suas pernas cruzadas. E, se não estiver, haverá uma exímia necessidade de sua mão apoiar seu queixo – nem sempre por completo, às vezes é de modo parcial, deixando sobrar um ou dois dedos à bochecha adjacente – pois este haverá de ser representado em seus momentos pensativos, desconsiderando quaisquer reflexões sobre esteriótipos. Menos comum, é preciso dizer, mas pode ser também que este seja representado ao porte de seu cachecol ao pescoço – que é presente mesmo que sua função seja desnecessária às condições climáticas apresentadas num país tropical como o nosso. E sim, na maioria das vezes, será atribuído ao profissional algum grau de miopia, hipermetropia ou qualquer outra disfunção no trato visual, uma vez que este estaria sempre vestindo suas lentes. Se ficar difícil imaginar, observe as duas imagens a seguir.

psychologist

É de se admitir que, mesmo com os protestos ao esteriótipo, tal visão representada em filmes, séries e fotografias não carece tanto de verdade. Esta visão se aproxima sim, de alguns psicanalistas e psicólogos clínicos (entenda as diferenças), mas não pode e nem deve representar toda a classe. Pois há, sim, como veremos adiante, inúmeras áreas de atuação da psicologia e muitas delas fogem do Imaginário popular.

A área da Psicologia Organizacional, mais comumente na atuação no setor de Recursos Humanos (RH), também é mais reconhecida no dia-a-dia como um campo de atuação de psicólogos, e é exatamente por isso que ela não será apresentada no post, junto à Psicologia Escolar, já que aqui serão mostradas outras áreas onde a profissão ainda é vista com tom de surpresa.

O Psicólogo Hospitalar

hosp

Demorou algum tempo para acontecer e, há de se confessar, ainda é um pouco difícil para alguns profissionais da área (médicos, enfermeiros e/ou técnicos e auxiliares) mais conservadores, a compreensão da importância do psicólogo no ambiente hospitalar.

O hospital é um ambiente transicional. E é direcionado na maioria das vezes ao seu objetivo imediato – salvar e manter uma vida a qualquer custo. E este objetivo já foi plano de fundo para pensamentos mais superficiais, que deixam o real trabalho do psicólogo um pouco ofuscado. Um exemplo, real, é a seguinte frase: “[…] aqui não é lugar de conversar, o que um psicólogo pode fazer para uma perna quebrada?”.
Dita por um profissional da enfermagem, a frase é recente e representa a dificuldade na compreensão do trabalho da psicologia hospitalar por outros profissionais, mesmo nos dias atuais, onde a psicologia já é bem mais difundida.

Este artigo científico, publicado em uma importante revista, revela o impacto que a aderência do paciente ao tratamento tem e que ela é sim, um fator de significativas taxas de melhora dos quadros. E não é incomum que questões emocionais, sócio-culturais, familiares e até, em alguns casos, psicopatologias, sejam fatores que bloqueiam a completa recuperação de um paciente. Seja por questões psicossomáticas, que poderiam confundir a aparição ou remissão de sintomas, seja bloqueios emocionais causados por questões subjetivas que podem prejudicar o tratamento.

E o trabalho do psicólogo hospitalar não se limita apenas aos pacientes. Além do acompanhamento psicológico destes e das avaliações psicológicas, há também grupos terapêuticos com os familiares, que em alguns casos até adoecem junto ao paciente; grupos com a equipe multidisciplinar (médicos, enfermeiros, assistentes sociais, etc), uma vez que os profissionais de saúde têm condições de trabalho e rotinas muito exaustivas e também presenciam cenas que corroboram muito com o aumento de seu sofrimento psíquico, cabendo ao psicólogo hospitalar identificar, apontar e trabalhar em grupo ou individualmente; é também possível para o psicólogo indicar um colega de profissão para o acompanhamento individual a longo prazo de alguns portadores destas demandas, já que o trabalho de psicologia hospitalar tende a ser mais breve. Hospitais de largo reconhecimento e porte como o Hospital Israelita Albert Einstein e o Hospital das Clínicas, ambos em São Paulo, são referência no trabalho e na formação, a nível de excelência, dos profissionais da Psicologia Hospitalar no Brasil.

O Psicólogo Jurídico e/ou Forense

psicologia-juridica-930x375

Outra área menos difundida do trabalho do psicólogo está na junção de duas grandes áreas do conhecimento: a psicologia e o direito.

O psicólogo jurídico atua, principalmente, realizando avaliações psicológicas nas varas criminal, da família, cível e trabalhista. Seu trabalho consiste em entrevistas, aplicação de testes psicológicos e na elaboração de laudos que se aproximem ou se afastem das hipóteses de possíveis perfis psicológicos retratados em vítimas, agressores, pais e mães (em casos de disputa de guarda), criminosos, empregadores e empregados, etc. Há também o lado de produção científica, onde o trabalho pode ajudar na ampliação das estatísticas, relações de dados e na difusão e inclusão de novos conhecimentos aos profissionais da área.

Um laudo emitido por um psicólogo jurídico, ou forense (do fórum), é muitas vezes fator decisivo em ambientes judiciais, sendo um trabalho similar ao de uma perícia. O profissional, apesar de preservar algumas questões sigilosas de quem ele avalia, irá basear seu laudo nas demandas específicas de cada caso, procurando apontar se as características da personalidade e do discurso daquele sujeito se adequam ao é apresentado e/ou representado em julgamento por ou contra ele.

Ainda na área, há também psicólogos que fazem o trabalho específico de perito. Este trabalho acontece dentro das polícias militar, civil e federal e até na Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Psicólogo do Trânsito

pisico20transito

No Brasil, quem vai tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), necessariamente precisará por um processo burocrático levemente extenso. Orientação das leis de trânsito, das penalidades, aulas práticas e teóricas sobre tudo isso. Haverá também os famosos exames médico e psicotécnico. Este segundo é aplicado por um psicólogo do trânsito.

Testes sobre atenção, cognição, e características da personalidade corroboram uma rápida entrevista onde se avalia se aquela pessoa está apta a conduzir um veículo em sociedade. Uma pessoa altamente desatenta ou agressiva não costuma ser elegível para tal, mas dificilmente esta se revelaria desta forma em uma simples entrevista. Portanto caberá ao psicólogo levantar ou descartar tais hipóteses a partir de seus conhecimentos e instrumentos de trabalho.

Mas o trabalho do psicólogo do trânsito não acaba aí. Há também a área de pesquisa, onde se analisa os comportamentos no trânsito – dos motoristas e pedestres – de diferentes cidades, estados, países, classes sociais, etc. Há até trabalhos revelando como alguns perfis de personalidade podem ser fatores de influência em acidentes de trânsito. E, se através de algumas fechadas propositais, conversões proibidas e desrespeito à sinalização é possível ver a corrupção no trânsito, por que não alguns indícios da personalidade? E por que não até os de algumas psicopatologias?

Psicologia do Esporte

psicologia-esporte

Em 2014 a Seleção Brasileira de Futebol, em seu próprio país, foi eliminada da Copa do Mundo pelo placar de 7×1 enquanto jogava contra a Seleção da Alemanha.

Apesar de as características técnicas dos jogadores de ambos os times não se distanciarem tanto, a expressiva disparidade no placar provocou uma revolta constante nos torcedores. Em um país onde o futebol é forte aspecto cultural, houve aí uma agressão quase (quase?) pessoal aos torcedores. Muita raiva e frustração foram direcionadas à comissão técnica, aos jogadores e aos dirigentes. Mas uma matéria do jornal O Globo apontou um aspecto importante: a falta do acompanhamento psicológico da Seleção Brasileira foi sim, um grande agravante. Uma matéria do jornal El País também destaca que sim, em nosso país os clubes desprezam este aspecto.

A própria Seleção da Alemanha conta com uma equipe de 12 psicólogos, e os jogadores são acompanhado desde as categorias de base. Mas o que faz um psicólogo do esporte?

O trabalho do Psicólogo no Esporte acontece de maneira semelhante aos outros contextos, mas com diferenças fundamentais. São avaliados os estados psicológicos dos atletas, indispensavelmente. Mas além disso há um acompanhamento a longo prazo de tais aspectos, conhecendo os principais fatores de oscilação à motivação e desmotivação, por exemplo, e de outros que se aliam ao desempenho de cada atleta. Isso é observado em cada atleta à sua maneira e também à equipe como um todo.

Conforme dito, é também fruto da avaliação o conjunto de condições dos outros profissionais da equipe, bem como as condições de relacionamento destes entre si, com os atletas e, é claro, dos atletas entre si. Na própria Copa de 2014, o jogador Neymar estava lesionado, sendo ele uma grande aposta da equipe e também já bem entrosado com seus colegas. Seria possível ali trabalhar como isso seria vivido pela comissão, pelos jogadores e pelo próprio jogador lesionado, uma vez que tal lesão ocorreu durante o campeonato, pegando todos de surpresa, diferentemente da lesão que ocorreu neste ano, também ano de Copa do Mundo. Mas este trabalho também poderia acontecer durante a recuperação do próprio atleta de sua lesão. Considera-se que seu corpo é seu instrumento de trabalho e que quando sua pesada rotina de atleta de alto rendimento sofre uma parada brusca dessas, sua autoestima, seu senso de produtividade, sua vida social e outros aspectos de sua vida psíquica podem também entrar como fatores que influenciam sua recuperação, além de seu futuro entrosamento e, como consequência, seu desempenho.

O trabalho do Psicólogo do Esporte se atrelaria ao da Comissão Técnica em Olimpíadas, Campeonatos e Centros de Treinamento, sempre focando no Bem-Estar dos atletas para potencializar seus resultados.

Neste ano, houve a acusação do ex-técnico da Seleção Brasileira de Ginástica de assédio e abuso de seus atletas. Infelizmente, este caso também nos serve como exemplo. Esta foi uma situação onde um bom profissional da psicologia do esporte também poderia atuar. A proximidade de atletas e profissionais do esporte é muito intensa, quase familiar. Casos do tipo não são incomuns. Existe o famoso caso do médico Larry Nassar, que abusou de mais de 150 atletas nos Estados Unidos. E o psicólogo é um profissional que tem meios de identificar a presença de comportamentos agressivos, evasivos e até de abuso sexual que, assim como podem acontecer no ambiente familiar e corporativo, também podem acontecer ambiente esportivo, sendo também este papel de prevenção uma das atribuições deste profissional.

Até o próximo texto.

(As imagens utilizadas no texto foram obtidas de forma livre na internet. Caso você detenha os direitos de alguma dessas imagens e solicita que esta seja removida, entre em contato com a Sociedade dos Psicólogos imediatamente).