Ansiedade, Atenção Plena e Black Mirror

“Agora, mais uma vez, concentre-se na sua respiração… Repare como a sua respiração continua por si só… Sua mente pode vagar. Simplesmente observe… Calmamente… Sem julgamento…”

Assim começa o segundo episódio da quinta temporada de Black Mirror – Smithereens. Não parece, é um App Mindfulness (ou em português Atenção Plena), a narração transcrita acima é uma meditação guiada. Amplamente utilizada para tratamento complementar dos Transtornos de Ansiedade ou como uma maneira de ser manter o indivíduo focado no momento presente.

Charlie Brooker aparentemente trabalhou com uma paleta de cores pastel na quinta temporada do seriado Black Mirror (2011/____ ), diferente da temática do filme-evento Bandersnach. Em vez da usual crônica da vida privada sobre possibilidades de futuro HI-TEC distópico/pessimista, neste episódio vemos algo contemporâneo situado em 2018.

Black Mirror: Season 5 | Official Trailer | Netflix

Black Mirror é o convite a reflexão sobre efeito da tecnologia em nossas vidas, uma noção que se perde à medida que as facilidades vão aumentando. Você pode dizer que os dispositivos ou ‘modo de usar’ apresentados no seriado nem sejam inventados, mas o que está em jogo é que todos os dias novas tecnologias são criadas sem regulamentação jurídica ou vinculadas a um código de ética.

Quando você posta uma opinião no campo comentário, ou fotos em rede sociais, ou expia a vida alheira, curtidas, deslikes, retweets, solicita transporte, remédios, amenidades, roupas, peças de carros, aparelhos eletrônicos ou comidas, cada vez que você clica em botão aceito, seu bem mais precioso pode ser utilizado sem sua percepção: suas informações pessoais.

“Meios cada vez mais precisos para fins cada vez mais vagos, são uma característica da nossa época”.

Albert Einstein

Desde os primórdios, nossos ancestrais desenvolvem tecnologia para facilitar a execução e/ou minimizar o tempo de trabalho. Tecnologia Digital faz isto com maestria, cada vez menos intervenções humanas e cada vez mais algoritmos proporcionando autosserviço ao toque das suas mãos. Como sobra mais espaço em nossas agendas, podemos consumir outros conteúdos, e com isto, nosso tempo de vida é consumido.

Persona – Conectando você com o que importa

Após um dia de trabalho, o motorista do App de transporte vai a cafeteria, e ao ouvir o alarme de notificação dos celulares a sua volta, tem visível aumento de sudorese, demonstra irritabilidade e alteração comportamento. O intuito desta cena sem diálogos é instigar o espectador através da edição, sugerindo que o personagem apresenta sintomas de ansiedade. Geralmente, quando se menciona a palavra ansiedade, esta é sempre referida pelo escopo psicopatológico, descrição dos possíveis transtornos, sintomatologia, posologia e tratamento psicológico.

Afinal de conta, o que é Ansiedade?

Ansiedade é o medo de uma ameaça antecipada ou real e incerteza sobre a capacidade de lidar com isso, definição que consta no The Ekman Atlas of Emotions (tradução livre: Altas das Emoções de Paul Ekman). Semelhante ao sinal amarelo do semáforo (farol ou sinaleira, entre outro regionalismos do Brasil) que indica atenção, mostrando a iminência da parada obrigatória.

Por que nos sentimos ansiosos frente as situações?

A Psicologia Evolucionista, disciplina resultante da síntese entre a Psicologia Cognitiva e a Biologia Evolutiva, que engloba conhecimentos da Antropologia, Paleontropologia, das Ciências Cognitivas e das Neurociência, aponta que a perpetuação da espécie equipou seres humanos com este mecanismo biológico das emoções.

Você encontrará neste blog no texto a Psicologia das Emoções, a evolução dos estudos e embasamento teórico, mas adianto que medo é uma emoção humana, cuja função principal é preservar a vida. Se o dispositivo emocional de ansiedade de um individuo não sinaliza frente há uma situação de perigo, existe a possibilidade deste não ser humano.

Em outro texto também publicado neste blog (Por que todos desejam ser como Spock?) descrevo mecanismos do desenvolvimento biopsicossoal na Teoria Comportamental Cognitiva, mas neste ponto irei me ater aos mecanismos cognitivos do desenvolvimento humano.

“As funções executivas do cérebro humano podem ser consideradas um conjunto de processos cognitivos que de forma integrada, permitem ao individuo direcionar comportamentos a metas, avaliar eficiência e adequação destes comportamentos, abandonar estratégias ineficazes em prol de outras mais eficientes e, desse modo, resolver problemas de médio e de longo prazo (Malloy-Diniz, de Paula, Sedó, Fuentes e Leite, 2014).”

Todos os seres humanos deste planeta, independente de ter acesso a educação escolar, possuem este conjunto de capacidades. Porque aprendemos com nossas experiências, podemos ter respostas adaptativas aos problemas apresentados, é com isto, começamos em anteciparmos os acontecimentos. Então, podemos supor que em teoria, quanto maior for o repertório do sujeito, melhor será resposta frente as situações. Certo?

Daniel Kahneman, o Prêmio Nobel de Economia em 2002, afirma em seu livro Pense Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar, que há dois sistemas funcionando em paralelo no cérebro: e o que pensa depressa e é automático – ligado a memória e as emoções – e o que pensa devagar é racional – isto leva tempo e consome energia. Podemos supor que o cérebro funciona no módulo avião (recurso que limita o consumo da bateria do seu celular), talvez por isto muitas funções são automatizadas, inclusive o pensamento.

Quando ansiedade vira doença?

De acordo com Robert L. Leahy no seu livro Livre de Ansiedade a reposta é clara e objetiva: é quando o sujeito começa sentir o medo certo na hora errada.

Uma mente pode estar com a sensação de algo está acontecendo novamente, ou que está perdendo o controle. Imagine como é ficar tentando antecipar possibilidades cuja evidências não corroboram para que se realizem?

Leahy afirma que, quando somos dominados pela ansiedade, a mente funciona 24/7, como se o botão liga/desliga estivesse sempre ligado. Um tsunami de pensamentos invade a mente do individuo, independe se a vida estiver com alegrias e as coisas estão indo bem, este fica preocupado demais com as ansiedades do passado e do futuro, que tudo que está a sua volta fica imperceptível. Isto mesmo, ao contrário do que dizem a ansiedade não é a mente pensando somente no futuro, a mente pode estar presa em algo que aconteceu e revivendo a sensação constantemente.

Ansiedade: Aviso de Utilidade Pública

Os Transtornos de Ansiedade são categorizados nos compêndios médicos CID 10 – Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde publicado pela OMS em fase de atualização para CID 11 e DSM V – Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais publicado pela Associação Americana de Psiquiatria. Para saber se você é acometido por uma psicopatologia deste grupo, é necessário um diagnóstico adequado que nenhum site de busca não dará para você. O tratamento deve ser realizado com acompanhamento psicológico e medicamentoso, dependendo do grau de comprometimento do paciente.

Aos familiares, amigos e pessoas próximas é sempre importante lembrar que tentar acalmar dizendo ‘não se preocupe’ e ‘vai ficar tudo bem’, quase nunca ajuda efetivamente. A sensações físicas e sofrimentos psicológicos são reais é devem ser tratados com empatia genuína, gentileza e cuidado.

A orientação é buscar profissionais capacitados e treinados que irão auxiliar o indivíduo e familiares o caminho da melhor qualidade de vida.

Vale ressaltar que deste ponto em diante entraremos nos questionamentos e reflexões propostos neste episódio, portanto spoilers estão chegando.

“Descobre o que você puder sobre este cara.”

No início deste episódio, vemos o motorista de App de transporte (usando um App de Mindfulness) indo pegar uma passageira na porta Smithereens, que é um App de Rede Social. Ele pergunta para a mulher se ela trabalha naquela empresa, e a resposta é: “nem estava prestando atenção no que disse, mas não, quem me dera se eu trabalhasse.”

Dia seguinte novo passageiro, mesmo local de embarque, mesma pergunta: “você trabalha na Smithereens?” O rapaz em sua primeira semana de emprego, responde com um sorridente sim. Em seguida o motorista diz: “o App esta sinalizando trânsito no caminho para o aeroporto, posso utilizar um caminho alternativo?” Duas respostas afirmativas em seguida num episódio de Black Mirror, nunca é bom sinal. O motorista pacato se revela um sequestrador armado cujo o único objetivo é conseguir contato com o ‘Todo Poderoso’ criador/CEO do Smithereens (apenas para registrar é o App de Rede Social).  

O sequestro ganha contornos dramáticos quando o carro do sequestrador é cercado por várias viaturas da polícia. Os agentes têm dificuldades identificar o motorista, pois a placa do veículo está no nome de uma mulher. Enquanto isto, o sequestrador segue com seu plano, entrega seu celular na mão do sequestrado e o ameaça a ligar na Smithereens, ao fazer o que foi mandado, o número é rastreado.

Alguns cliques depois, os funcionários da rede social fictícia conseguem, como dizem no jargão policial, levantar a capivara do sequestrador. Gostos musicais, quantidades de acessos, compras, documentos, viagens, e entre outros padrões de comportamento comum em redes sociais. Como um passe de mágica um hacker disponibiliza o áudio do celular de dentro do carro e passamos a ouvir tudo que sequestrador e sequestrado conversam. Até os agentes da polícia, que não conseguiram identificar a placa, se impressionam…

Enquanto vidas correm perigo, usar a tecnologia para nossa proteção pode ser uma estratégia fantástica. No filme V de Vingança, o terrorista V diz: “eu entendo por que o medo fez com o que as pessoas entregassem sua liberdade em troca de segurança”. Bauman fala em seus livros sobre o Medo Líquido, que ocorre em relações amorosas, conflito entre países e instituições, que deixaram a ultrapassada solidez para um estado líquido impermanente, isto é atribuído ao medo.

“Na era da informação, a invisibilidade é equivalente à morte.”

Zygmunt Bauman

Você pode me dizer que não teve escolha. O mundo ficou grande demais, populoso, globalizado e concentrou riqueza em pouquíssimas mãos, e talvez por isto, o controle comportamental pelas plataformas digitais se tornou como vilão dos filmes da Marvel Thanos se auto proclama: inevitável.

No mesmo dia da postagem deste texto, o especialista em cibersegurança Marcelo Lau em entrevista ao Programa Pânico explicando como as mídias digitais impactam sua vida.

“Quero que você apenas me escute, apenas me escute.”

Enquanto isto, o sequestrador permanece irredutível, a única maneira de evitar uma tragédia é ter que interromper o retiro de dez dias em silêncio (uma espécie de detox sem eletrônicos, sem falar e sem contato humano) do “Todo Poderoso” criador/CEO do Smithereens, que ao ficar ciente da gravidade do caso, prontamente se oferece para atender a exigência do sequestrador. Muito suspense, manipulação e jogo de poder, jurídico e assessores tentam sem sucesso demover ideia do seu chefe. Quando o criador/CEO toma a decisão, dispensa seu staff e diz a sua assistente pessoal: “a vantagem de estar na minha posição é que eu posso brincar de ser Deus”. Ele mesmo captura o número e entra em contato com o sequestrador.

Neste momento, uma pausa para reflexão. Em tradições religiosas seculares, Deus é onipresente e onisciente, ou seja, está em todo lugar e sabe tudo. A ideia de falar com o criador é um desejo antigo do ser humano, Mary Shelley assombrou o mundo literário com seu romance Frankenstein em 1816, desde de então a ficção nos brinda com a mesma dinâmica, seja em Blade Runner (1982) ou até mesmo no recente seriado Westword (2016/___ ) da HBO.

O criador/CEO se identifica no outro lado da linha, dá a voz ao sequestrador que desejava confessar uma falha, algo que vez com que ele perdesse a razão do seu viver. Apenas porque naquele instante, ele deixou o momento presente e foi olhar em seu celular, que disparou uma notificação aleatória de algo de menor importância. O “Todo Poderoso”, com aparência messiânica de fala calma e tranquila, diz que não foi por isto que seu App foi criado. O objetivo inicial se perdeu com o tempo, cada vez mais pessoas subordinadas entravam no circuito, dando sugestões de melhorias que fizessem com que a rede social se tornasse mais atrativa, estimulante e consequentemente, mais viciante.

Não vou revelar o final do episódio, para não estragar a experiência, entenda isto como um convite. O objetivo é expor o quanto associamos ansiedade com o mundo contemporâneo em que vivemos, devido a constante eminência do perigo tecnológico e Black Mirror faz isto como nenhuma outra proposta de entretenimento.

O fato também inegável é que não há como parar a Revolução Digital. Antes bastava pensar para existir. A exigência agora é que para existir é preciso ser visto, curtido e compartilhado, nem que seja por seguidores comprados.

Talvez seja necessário regularizar, criar jurisprudência, aprender com os erros passados e ter mecanismos de segurança, pelo menos esta é a bandeira do Mark Zuckerberg, dono do Facebook.

“Não é possível que eu não possa fazer nada por você.”

Assim como no seriado, é fácil encontrar aplicativos de Mindfulness em loja de App para celular. Repare que há uma crítica no episódio na forma de utilização, o sequestrador usa Atenção Plena para aparentar calma ao manter-se na execução do seu plano. Este definitivamente não é o “para que” da Atenção Plena. Pesquisas cientificas revelam que mentes que conseguem manter-se no momento presente são mais funcionais e tem uma melhor qualidade de vida.

Recentemente, ouvi numa palestra na Taverna Medieval em São Paulo, na semana do Pint of Science, o Lama Rinchen dizendo que meditação “não é dizer o que uma pessoa deva fazer, mas guiá-la para que ela encontre a si mesmo no processo”.

Conheça a ti mesmo’, frase ainda hoje é atribuída ao filosofo Sócrates, mas tratava-se do lema dos cidadãos de Delfos na Grécia. Alegam que fora no Templo de Apolo que oráculo proclamou Sócrates ‘o homem mais sábio na Grécia’, e ele prontamente teria respondido: “se assim fosse, isso faria com que fosse o único homem que estava ciente da sua própria ignorância”. Na Enciclopédia Grega Suda do século X, há este interessante complemento à esta conhecida frase: “o provérbio é aplicado àqueles que tentam ultrapassar o que são“, ou “ainda um aviso para não prestar atenção à opinião da multidão.”

Psicóloga Masilvia Diniz

Contribua conosco, concordou, discordou ou deseja outras análises neste formato deixem seu comentário na caixa de descrição.

BLACK MIRROR – Smithereens (5S2E). Criação: Charlie Brooker: Netflix, 2019. Streaming (70 minutos).

BAUMAN, ZYGMUNT – Amor líquido. Sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004b BAUMAN, ZYGMUNT –

CONHECE A TI MESMO. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Conhece_a_ti_mesmo&oldid=55470184>. Acesso em: 12 jun. 2019.

LEAHY, Robert L. Livre de ansiedade / tradução: Vinicius Figuiera; revisão técnica: Edwiges Ferreira de Mattos, Rodrigo Fernando Pereira – Porto Alegre: Artmed, 2011. 248p.

KAHNEMAN, DANIEL. Rápido e devagar [recurso eletrônico]: duas formas de pensar / Daniel Kahneman; tradução Cássio de Arantes Leite. – Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS: DSM V [ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition], Tradução Maria Inês Correa Nascimento. Porto Alegre. Ed.: Artmed, 2014

MALLOY-DINIZ, Leandro F.; CAMARGO, (Org.). Neuropsicologia: aplicações clinicas. Porto Alegre: Artmed, 2016.p. 291.

MLA style: Daniel Kahneman – Biographical. NobelPrize.org. Nobel Media AB 2019. Thu. 20 Jun 2019. <https://www.nobelprize.org/prizes/economic-sciences/2002/kahneman/biographical/

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. CID-10 : Classificação Internacional de Doenças. São Paulo : EDUSP, 1994, 1ª ed.

Psicologias da Emoção: teorias e implicações

Psicologia das emoções
(O filme Divertida Mente [Inside Out], 2015, Disney-Pixar, ilustra bem várias questões relacionadas ao desenvolvimento e ao uso das emoções)
Todos os dias e em quase todos os momentos estamos em contato com as nossas emoções e a psicologia científica estuda emoções desde o seu surgimento. Embora muitas estruturas, fenômenos e leis tenham sido investigadas, ainda não há um consenso sobre o que são as emoções e como elas acontecem. Diversos modelos de experiência emocional já foram propostos ao longo da história e, no texto de hoje, vou abordar algumas das principais teorias e descobertas que tocam a vida emocional humana. Quando falamos de emoção, falamos daquilo que é pulsional e mobiliza o comportamento em virtude de uma função (social/comunicação; proteção/sobrevivência); falamos daquilo que te faz sorrir e pular de alegria, de forma involuntária, frente à uma conquista, por exemplo; e falamos daquilo que acontece com você no caso de se deparar com um leão enorme rugindo na sua frente: você paralisa por um instante, sua pálpebra superior se eleva e sua pupila dilata, você encara a fera enquanto seu cérebro cuida de desviar o sangue do seu corpo em direção às suas pernas e, antes que você pense muito, já se percebe correndo/fugindo.

Falar de emoção é também se emocionar, olhar para si, para seus sinais corporais, expressões faciais, pensamentos associados, sentimentos, alterações respondentes (cardíacas, sudorese, enrubescer…). É falar sobre as valências emocionais, isso é, suas intensidades e sensações associadas (positivas ou negativas). É viver emoções primarias (básicas/universais) e secundárias (sociais/culturais). É tentar diferencias emoções, sentimos e afetos. É apreciar a leveza e a paz que um alívio pode trazer e perceber também que o nojo te protege de ingerir algo tóxico e prejudicial. Venha pela trilha emocional e lembre-se sempre que “as emoções determinam a qualidade das nossas vidas” (P. Ekman).

Charles Darwin: o pai do comportamento emocional

O comportamento emocional é essa força viva, universal e involuntária que faz o indivíduo responder de maneira previsível quando o assunto é a experiência emocional genuína/espontânea (quando uma pessoa, de fato, sente uma emoção). O trecho abaixo apresenta alguns exemplos do comportamento emocional.

O sorriso verdadeiro durante a vivência da alegria;
O paralisar, correr ou lutar frente à situação de perigo;
A elevação do pitch vocal e “tremor na voz” durante a sensação de ansiedade;
A dilatação e a contração pupilar referente não a alteração da luminosidade do ambiente, mas à alteração emocional particular de alguém;
O aumento no uso de gestos manipuladores durante a emoção negativa;
O ruborizar durante a vergonha ou raiva, por exemplo.

(Ferreira, 2018, p. 11)

Psicologia das emoções expressão facial duchenne
(Duchenne realizou experimentos de eletroestimulação em músculos da face humana, durante uma investigação sobre a fisiologia das emoções que influenciou Darwin.)

Se hoje podemos falar de comportamento emocional universal, vale lembrar que foi em 1872 que Charles Darwin publicou “A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais”, onde propôs, de forma pioneira, que as emoções e suas expressões não seriam produto cultural ou decorrente de processos de aprendizagem, mas seriam universais e partilhadas, de maneira comum, por todos os membros de uma mesma espécie. Trocando em miúdos, segundo Darwin, todos os cachorros do mundo expressam raiva e medo da mesma forma e todos os humanos do mundo expressam alegria e tristeza da mesma forma, por exemplo, e isso acontece de forma instintiva – como resultado de uma interação dialética evolutiva entre a espécie, sua sobrevivência e seu meio. Ao longo do livro, Darwin relaciona diversos comportamentos (encolher-se, eriçar de pelos, empalidecer, elevar a pálpebra, abrir a boca, abaixar as sobrancelhas, franzir o nariz etc…) com base em suas funções práticas para lidar com uma situação

Como a surpresa é provocada por algo inesperado ou desconhecido, quando nos assustamos, naturalmente desejamos descobrir a causa tão logo quanto possível. E consequentemente, abrimos bem os olhos, de forma que o campo de visão seja ampliado, e os olhos possam mover-se facilmente em qualquer direção.

(Darwin, 1972/2009 p. 241)

Darwin chegou a essas suas conclusões por meio de suas próprias observações e arcabouços teóricos sobre a evolução e seleção natural, contou também com o aporte de relatos enviados por colegas viajantes que contavam como eram as expressões emocionais das pessoas em diferentes pontos da Terra e também se baseou nos trabalhos do Dr. Duchenne, que em 1862 publicou uma pioneira investigação fotográfica sobre a expressão facial das emoções em seres humanos.

Teoria James-Lange

Uma das primeiras teorias da emoção, dentro da chamada psicologia moderna, foi proposta por William James (1842-1910) e Carl George Lange (1834-1900), que chegaram às mesmas conclusões após trabalharem de forma independente. A premissa básica é que a sensação emocional vem depois de uma excitação fisiológica e, dessa forma, as emoções são vistas como a experiência de conjuntos de alterações corporais que acontecem após um estímulo emocional.

Para exemplificar, se pensarmos em uma situação que envolve um urso raivoso na nossa frente, a tendência é pensar que sentimos medo e então corremos/fugimos, mas a teoria James-Lange aponta uma outra ordem para os comportamentos. Ela vai nos dizer que primeiro há as alterações fisiológicas (elevação dos batimentos cardíacos, dilatação da pupila e comportamento de correr) para depois, com o conjunto disso, ser experienciada a emoção de medo. Trocando em miúdos, diz que não sentimos medo e por isso fugimos, mas fugimos e por isso, sentimos medo. Nessa visão, o princípio vale para todas as emoções e seus comportamentos associados, isso é, ficamos tristes porque choramos e não o contrário. Caso você se pergunte, por exemplo, por que se sente alegre? A teoria de James-Lange diria que, como você está respirando rápido e seu coração está mais acelerado, seu cérebro concluiu que você está alegre.

Estímulo emocional → Padrão de resposta fisiológica → Experiência afetiva

Talvez essa lhe pareça uma teoria absurda (é até considerada contra intuitiva), mas já existem estudos de informação retroativa (facial feedback hypotesys) que apresentam dados sobre como certas mímicas faciais e comportamentos acabam por disparar neurotransmissores específicos relacionados com estados emocionais (assunto esse, para outro post).

Teoria Cannon-Bard

Uma teoria posterior criticou a visão de James-Lange, ao afirmar que as mesmas manifestações fisiológicas poderiam estar presentes em emoções muito distintas, isso é, o medo é acompanhado sim por aumento da frequência cardíaca e sudorese, mas essas mesmas alterações fisiológicas acompanham outras emoções como a raiva, e até estados patológicos, como a febre. Dessa forma, Walter Cannon (1871-1945) e Philip Bard (1898-1977) propuseram que o sistema nervoso central seria o causador, tanto das manifestações fisiológicas, quanto da experiência emocional, e isso ocorreria ao mesmo tempo, como processos paralelos (e não sequenciais, em comparação com a teoria anterior). A teoria Cannon-Bard é conhecida também como uma teoria “talâmica” das emoções, em referência à estrutura cerebral “tálamo”, pois foi Bard quem descobriu que todas as informações sensoriais, motoras e fisiológicas tem que passar pelo diencéfalo (particularmente o tálamo), antes de serem submetidas a qualquer processamento adicional.

Dessa forma, frente ao mesmo urso raivoso, pela teoria Cannon-Bard, as mudanças fisiológicas (elevação dos batimentos cardíacos, dilatação da pupila e comportamento de correr) ocorrem ao mesmo tempo em que a sensação de medo enviada.

James-Lange Cannon-Bard Psicologia das emoções
(Quadro comparativo entre as teorias James-Lage e Cannon-Bard)

O circuito de Papez

sistema límbico papez psicologia emoções
(imagem ilustra os componentes originais do circuito de Papez [interligados por setas grossas], e aqueles acrescentados por outros pesquisadores [interligados por setas finas]. Lent, 2010, p. 720).
A teoria Cannon-Bard foi a primeira tentativa concreta de compreensão das bases neurais emocionais e acabou atraindo a atenção de vários neurocientistas. James Papez (1883-1958) foi um deles e foi responsável por mudar a noção de um “centro emocional cerebral” para um “sistema” ou “circuito cerebral das emoções“, isso é, revendo a literatura da época e apontando um conjunto de regiões associadas à experiência emocional.

Papez percebeu que essas regiões eram conectadas reciprocamente de modo “circular”, o que revelava uma rede neural que ficou conhecida como circuito de Papez. Mais tarde aproveitou-se um termo antigo criado pelo neurologista Paul Broca, e o circuito de Papez passou a ser conhecido como sistema límbico.

(Lent, 2010, p.720)

Paul Ekman: a teoria neuro-cultural

Uma vez que começamos com as propostas universais de Darwin, quero fechar o texto com descobertas emocionais que dialogam com as hipóteses dele. Com fins de recapitulação, Darwin disse, em 1862, que as expressões emocionais são inatas e universais. Com pesquisas transculturais realizadas, principalmente nos anos 1960 e 1970, foi possível validar a afirmação de Darwin para 6 emoções básicas com expressões faciais universais (alegria, tristeza, raiva, nojo, medo e surpresa), isso é, independente de onde nasceu e como foi criada uma pessoa, ao entrar em contato com uma dessas emoções, ela vai movimentar músculos na face que são organizados, conhecidos e previsíveis.

Um dos psicólogos responsáveis por mapear as expressões faciais universais foi Paul Ekman (1934- ) que, em um de seus estudos, comparou a expressão emocional entre japoneses e estadunidenses e percebeu que eles apresentavam as mesmas expressões faciais quando estavam sozinhos assistindo aos vídeos do estudo, mas que os japoneses, mais do que os estadunidenses, mascaravam emoções negativas (medo e nojo) com a exibição de um sorriso. Essa investigação apontou um fenômeno que hoje é conhecido como “regras de exibição” ou “costumes” (display rules) e, sobre elas, Ekman diz:

são socialmente aprendidas, muitas vezes culturalmente diferentes, a respeito do controle da expressão, de quem pode demonstrar que emoção para quem e de quando pode fazer isso. Eis por que, na maioria das competições esportivas públicas, o perdedor não demonstra a tristeza e o desapontamento que sente. As regras de exibição estão incorporadas na advertência dos pais: “pare de parecer contente”. Essas regras podem ditar a diminuição, o exagero, a dissimulação ou o fingimento da expressão do que sentimos.

(Ekman, 2003, p. 22)

Ekman neuro cultural emoções psicologia
(Paul Ekman e nativos Fore na Papua Nova-Guiné)

Em outro estudo posterior, Ekman foi para a Papua Nova-Guiné analisar a expressão emocional de uma tribo socialmente isolada – os Fore. Lá, com máquina fotográfica e fotografias de faces emocionais, ele chegou a conclusão sobre a universalidade de 6 emoções básicas inatas. Vale dizer que outros pesquisadores, como Carroll Izard, estavam, ao mesmo tempo, realizando estudos paralelos e chegaram a conclusões que também apontavam para a existência de expressões faciais universais. Ekman desenvolveu então a teoria neuro-cultural das emoções, que aponta características universais e inatas relacionadas às estruturas e ao funcionamento cerebral, mas também aponta a influência da cultura naquilo que diz respeito à permissividade ou não de uma exibição emocional. Foi só o começo…nos anos 70, uma ferramenta científica de mensuração da ação facial foi criada, o Facial Action Coding System (FACS), que permite analisar e medir qualquer expressão facial realizada por um ser humano. Nos anos 80, novas evidências foram encontradas e a emoção desprezo foi incorporada à lista das emoções básicas universais. Estudos comparativos entre atletas cegos e atletas com visão foram feitos e as expressões forma sempre as mesmas. Por meio das pesquisas de Ekman, hoje falamos também das famílias das emoções, isso é, o saber que a alegria compreende prazeres sensoriais, alívio, diversão, contemplação…. que o medo compreende ansiedade, receio, terror… que a raiva compreende aborrecimento, irritação, fúria… Por meio do legado de Paul Ekman, podemos também nos entreter assistindo o Lie to Me e nos deleitar com o, sempre emocional, Divertida Mente.

Referências

Darwin, C. (2009). A expressão das emoções no homem e nos animais. (Leon de Souza Lobo Garcia, Trad.). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1872).

Ekman, P. (2003). A linguagem das emoções: revolucionando sua comunicação e seus relacionamentos reconhecendo todas as expressões das pessoas ao redor. São Paulo: Lua de Papel.

Ferreira, C. (2018). Estudos sobre a mensuração científica da face humana: vol. 1 – o guia do emocionauta. São Paulo: CICEM Ed.

Lent, R. (2010) Cem bilhões de neurônios?: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo: Ed. Atheneu.

Por Caio Ferreira

Para saber mais (CURSO)

Quer saber mais sobre as emoções humanas? Sua estrutura, função e expressão? Inscreva-se já para o próximo curso presencial Introdução à Psicologia das Emoções. Mais informações aqui: http://cicem.com.br/introducao-psicologia-das-emocoes-sp/

Explicando Seligman: Felicidade Autêntica e Florescimento (Psicologia Positiva)

Quando a psicologia decide investigar a felicidade e o bem-estar (subjetivo) humanos, ela passa, inevitavelmente, sob os terrenos abertos pela Psicologia Positiva e pelo seu fundador, o psicólogo Martin Seligman, PhD. Isso, pois foi a corrente da Psicologia Positiva que conseguiu, de forma pioneira, investigar, compreender e intervir com sucesso sobre as chamadas forças e virtudes do homem e ampliar o foco da psicologia científica tradicional que, até então, partilhava do modelo médico e estava voltada, quase que totalmente, a curar/tratar doenças. É então, com a Psicologia Positiva que não apenas temos hoje estudos sobre os fenômenos e impactos das emoções positivas na vida das pessoas, ou do “estado de flow”, ou do “mindfulness”, ou da resiliência, por exemplo, entre outras contribuições, mas também podemos falar de uma psicologia preventiva e fortalecedora tão sólida quanto a tradicional psicologia reparadora de danos.

Vale dizer que a Psicologia Positiva (PP) está saindo da adolescência, isto é, ela foi fundada em 1998 e, portanto, é um corpus de estudo científico relativamente novo. Para saber mais sobre seus antecedentes, nascimento, propósito e principais contribuições, recomendamos o texto A Psicologia Positiva e o Estudo da Felicidade.

Martin Seligman

Psicólogo Martin SeligmanMartin Elias Pete Seligman (1942 – ) é um Psicólogo estadunidense considerado o pai da da PP. Ele é um dos principais divulgadores internacionais dessa corrente e foi responsável pela sua criação, em 1998, enquanto Presidente da American Psychological Association (APA). Ficou conhecido como “a voz”, ao lado de Mihaly Csikszentmihalyi, conhecido respectivamente como “o cérebro” e também pai da teoria flow. Seligman preparou o terreno para o nascimento da PP, contactou patrocínios, escreveu artigos, livros, desenvolveu ferramentas de mensuração e possibilitou outras tantas contribuições para esse campo. Entre seu legado, vale destacar a obra Character Strengths and Virtues: A handbook and classification (CSV) (sem tradução para a língua portuguesa) que, resumidamente, é o equivalente ao DSM para a PP, isto é, ao invés de catalogar, de forma rigorosa, doenças e tratamentos, cataloga forças, virtudes e as respectivas avaliações e intervenções sob elas.

Felicidade Autêntica

felicidade autêntica martin seligmanUm dos pilares da PP é o estudo das emoções positivas no âmbito pessoal e coletivo (instituições positivas) e, buscando compartilhar sua visão, Seligman estrutura o livro Felicidade Autêntica (Authentic Happiness, 2002) em 3 eixos:

  • Estudo das emoções positivas;
  • Estudo dos traços de personalidade positivos (como forças e virtudes);
  • Estudo das instituições positivas ou aquelas que promovem aspectos positivos no ser humano.

“A crença de que existem maneiras rápidas de alcançar felicidade, alegria, entusiasmo, conforto e encantamento, em vez de conquistar esses sentimentos pelo exercício de forças e virtudes pessoais, cria legiões de pessoas que, em meio a grande riqueza, definham espiritualmente. Emoção positiva desligada do exercício do caráter leva ao vazio, à inverdade, à depressão e, à medida que envelhecemos, à corrosão de toda realização que buscamos até o último dia de vida.”

(Seligman, 2010, p. 16)

Por meio de relatos de pacientes, relatos de pesquisas, questionários, fatos históricos, teorias, estatísticas, porcentagens e muita emoção, Seligman apresenta uma teoria da felicidade. Resumidamente, ele diz que a felicidade é alcançada por meio da emoção positiva, do engajamento e do significado. Falar cientificamente sobre a felicidade não é fácil, mas um avanço foi feito ao correspondê-la em elementos mais bem definidos e mensuráveis.

Esses 3 elementos, por sua vez, fazem referências a 3 tipos de vida:

  • Vida prazerosa ⇒ emoções positivas
  • Vida engajada ⇒ engajamento (flow)
  • Vida significativa ⇒ sentido

Nessa teoria, Seligman não apenas divide a felicidade, mas fala de 3 caminhos que levam à ela. A vida prazerosa é aquela onde temos alta concentração, quantidade, frequência e intensidade de emoções positivas (diversão, orgulho, contemplação, gratidão, serenidade…). Na vida engajada, o sujeito utiliza suas forças pessoais e envolve-se em atividades com ela. Essa felicidade se relaciona diretamente com o estado de flow – um estado em que o indivíduo fica envolvido, concentrado e absorvido, sem sentir fome e/ou perder a noção do tempo, por exemplo, durante uma tarefa (comum em escritores, pintores, músicos, atletas mas alcançável por qualquer pessoal). Na vida significativa, a pessoa valoriza os sentimentos de buscar, servir e pertencer a algo maior ou a algum propósito que envolva suas virtudes.

Florescer

Florescer florescimento martin seligman psicologia positiva9 anos depois da publicação do Felicidade Autêntica, com novas e importantes pesquisas sobre a felicidade, Seligman publica o Florescer (Flourish: a visionary new understanding of happiness and well-being, 2011), onde faz uma mudança teórica significativa, ao deixar de abordar o conceito de felicidade, para abordar o de bem-estar. Com essa mudança, as formas de felicidade anteriormente descritas passam a ser elementos da nova teoria.

O novo modelo é representado didaticamente pelo acrônimo PERMA

  • P – Positive emotion (Emoção positiva)
  • E – Engagement (Engajamento)
  • R – Relationships (Relacionamentos)
  • M – Meaning (Significado)
  • A – Accomplishment (Realização)

Dessa forma, cada elemento contribui, mas não define o bem-estar. A tabela abaixo compara os temas, padrões de mensuração e objetivos correspondentes às duas teorias.

psicologia positiva martin seligman
(Seligman, 2012, p. 19)

Referências e recomendações de leitura:

Achor, S. (2012). O jeito Harvard de ser feliz. São Paulo: Editora Saraiva.

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Character strengths and virtues: A handbook and classification. New York: Oxford University Press and Washington, DC: American Psychological Association.

Pureza, J. R.; Kuhn, C. H. C.; Castro, E. K. & Lisboa, C. S. M. (2012). Psicologia positiva no Brasil: Uma revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. 2012, 8 (2), pp.109-117.

Seligman, M. E. P. (2010). Felicidade autêntica: usando a nova psicologia para a realização permanente. Rio de Janeiro: Objetiva.

Seligman, M. E. P. (2012). Florescer: uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem-estar. Rio de Janeiro: Objetiva.

Para saber mais e já sobre Psicologia Positiva:

Por Caio Ferreira

Por que todos desejam ser como Spock?

“O espaço, a fronteira final. Estas são as viagens da nave estelar Enterprise em sua missão de cinco anos para a exploração de novos mundos, para pesquisar novas vidas, novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve!”.

Esta é abertura padrão de todos os episódios da consagrada série Star Trek, que no Brasil nas décadas de 80/90 passava na TV aberta com o nome de Jornada nas Estrelas. A série originalmente produzida para TV americana com 3º temporadas e 79 episódios procedimentais,

estruturados para serem histórias fechadas, tinha como elenco principal o comandante da tripulação o Capitão James T. Kirk e seus homens de confiança o oficial chefe médico Leonard McCoy e o primeiro oficial, segundo em comando e oficial de ciências Sr. Spock.

Algo particular sobre Sr. Spock era pontuado pelos demais personagens, além de ser um alienígena originário do planeta Vulcano, possuía a habilidade de resolver problemas de forma lógica desprezando emoções, é isto causava desconforto com os outros personagens do seriado. Em diversos momentos, o estranhamento era percebido quando uma resposta lógica desconsiderava valores morais e/ou questões éticas. Porque ainda hoje pessoas desejam resolver questões vitais de forma pragmática? É se isto fosse possível, o Homo sapiens evoluiria neste contexto?

Antes de seguirmos em frente, ressalto que existem várias analises psicológicas sobre a representação simbólica da tríade Kirk, McCoy e Spock, portanto nossa missão não irá por este sistema solar. Neste texto, o que irei assumir de forma isolada a dimensão que o personagem Spock ganhou em nossa cultura. Como ponto de partida, uma abordagem que é também contemporânea da série, a Teoria Comportamental Cognitiva, nos acompanhará na aventura.

Neste diário de bordo data estelar 282.17, o fenômeno eletromagnético conhecido como Efeito Murasaki 312 (citação do Episódio 17º “O primeiro em comando” da 1º Temporada) se espalha como uma tormenta no fantástico mundo da internet: o embate entre razão versus emoção.

Na ponte de comando, o Capitão Kirk ordenaria a velocidade para o início da aventura ‘Sr. Sulu, mantenha em velocidade de dobra 7’.

“É curioso como vocês humanos conseguem tantas vezes obter aquilo que não querem.”

Spock, Star Trek T03E01

Spock povoa a cultura pop mais de 50 anos. Mascote informal da Agência Espacial NASA, o ator Leonard Nimoy que imortalizou o personagem, fora recepcionado Cabo Canaveral em 1967 pelo astronauta John Glenn após o termino da primeira temporada.

Quando fora ameaçada de ser cancelada por baixa audiência no final da segunda temporada, a emissora teve a informação de quem era seu público cativo: assistido por cientistas, curadores de museus, psiquiatras, doutores e professores de universidade, a grande maioria de pessoas letradas. Se não fosse uma mobilização em massa, a série não chegaria a terceira temporada. Começou com uma enxurrada de cartas (tecnologia da época) que se igualava a série mais famosa da emissora, o The Moonkes (um grupo de rock que tinha um apelo semelhante aos The Beatles), chegando a uma manifestação de estudante do centro de Instituto de Tecnologia da Califórnia marchou para frente dos estúdios da NBC carregando cartazes dizendo “Escolham Spock” e “Poder Vulcano”. Apesar de ser efetivo, não foi eficiente, com orçamento muito menor do que as temporadas anteriores, não agradou o público e não foi renovada. Em suas reprises, ganhou público cativo e passou a fazer parte do imaginário da cultura pop.

Nas décadas seguintes, o Sr. Spock, foi reverenciado em musicas, filmes, seriados, desenhos (inclusive o aclamado The Simpson), videoclipes e até no WhatsApp tem um emoji com sua saudação típica. Inúmeras vezes o personagem Sheldon desejou ser Spock na série The Big Bang Theory ( Warner Bros. Television  em sua ultima temporada). No lançamento do terceiro filme da recente leva Star Trek: Beyond (2016), nos despedíamos de Nimoy (falecido em fevereiro/2015) e ao mesmo tempo seu filho lançava o documentário contando a vida do ator intitulado “For the Love of Spock” disponível na Netflix.

“Como eu posso ter sido tão tolo? Ao ponto de seguir uma raça alienígena inventada pela televisão? Sheldon, The Big Bang Theory. T9EP07

Se esta pergunta titulo deste texto fosse feita ao personagem da série clássica exibida de setembro entre 1966 a 1969,originalmente produzida o canal de televisão americano NBC e disponível na plataforma Netflix, provavelmente a resposta seria:

“Após algum tempo, você vai perceber que ter não é tão agradável como querer. Não é lógico, mas é normalmente verdade.” (citação do 1º episódio da segunda temporada Amok Time).

“A mudança é um processo essencial a toda a existência.”

Spock, Star Trek – T03E15

No começo anos 1960 também nos Estados Unidos, Aaron Beck com formação psicanalista (especialista na teoria desenvolvida pelo Dr. Sigmund Freud) e seus colaboradores, começaram a trabalhar em pesquisas de dados dos sonhos dos seus pacientes e encontrará um padrão de sonhos masoquistas em pacientes deprimidos. Após inúmeros estudos fizeram com que a equipe abandonasse a hipótese inicial, concluiu que “certos padrões cognitivos poderiam ser responsáveis pela tendência de o paciente fazer julgamento de si mesmo, de seu ambiente e do futuro que, embora menos proeminentes no período fora o episodio depressivo, se ativariam facilmente durante os períodos de depressão. (Beck,1967)”

Descartes cunhou a frase iluminista “Penso, logo existo”, certo? Bem, até Antônio Damásio, neurocientista em seu livro o “O Erro de Descartes” descrevendo o caso Phineas Gage, colocou em xeque está máxima, dado que a perda de massa cerebral do lobo frontal ocasiona drástica mudança de comportamento. Considerando que isto ocorre com uma porção mínima da população mundial, os que possuem o frontal intacto em teoria, possuem a capacidade de pensar. Portanto é seguro fazer a seguinte pergunta: é se o que você pensa te faz você existir em sofrimento?

Digamos que ocorreu uma situação, imagine um fato qualquer, enquanto você lê este texto ouve, por exemplo, uma freada de carro. Primeiro o barulho, instantaneamente isto pode ter mobilizado uma mudança de humor e/ou sensação física, que de acordo com a sua história de vida, gera um (ou uma cadeia de) pensamento(s), estes sendo desagradáveis podem retroalimentar as mesmas sensações físicas e/ou alterações do estado de humor. Esta mesma situação pode gerar reações distintas em pessoas diferente, ou até a mesma pessoa pode interpretar a mesma situação de formas diferentes em diferentes fases da sua própria vida. Uma mente em constante atividade, cuja as emoções tem como base o pensamento, gerando raciocínio, afetos e condutas que permitem o indivíduo ter maior ou menor percepção da realidade.

Ambiente, pensamentos, reações físicas, estados de humor e comportamento, atuam interligados, ora um protagonista e ora os demais como coadjuvantes, “os cinco mobilizam os aspectos das experiencias de vida do indivíduo.” (Padesck, 1995).

Perceba na imagem a importância do fator ambiente. Na Terapia Cognitiva Comportamental a individuo é “biopsicossocial”, gerado através da carga genética, fruto do meio o ambiente sócio-econômico-cultural e sua constituição psíquica, e a partir do seu desenvolvimento cognitivo ser capaz de se relacionar com o mundo.

“Se nosso pensamento fica atolado de significados simbólicos distorcidos, pensamentos ilógicos e interpretações erradas, nos tornamos, de verdade, cegos e surdos.” Aaron Beck

Anamnese Procedimental

Antes de iniciar esta parte do texto, peço desculpas aos fãs da série caso alguma informação esta errada e/ou suprimida. Meu conhecimento aqui apresentado é baseado na série original que ainda permanece disponível em streaming e em textos retirados da internet. Em nenhum momento tive a intenção de desrespeitar, mas apenas homenagear este personagem. Caso desejar, fique a vontade para corrigir o fato/dados encaminhando mensagem no box no final do texto.

Spock nasceu em Vulcano (planeta fictício) e foi submetido ao processo de condicionamento para hipervalorizarão do raciocínio lógico e total repressão das emoções, baseado nos ensinamentos do filósofo (também fictício) Surak que prega a lógica para guiar a vida. Através de um ritual de meditação diário, os vulcanos mantém-se em controle, sem isto, perdem de sí mesmos e se transformam em bárbaros novamente. Outro fator constitui a persona Spock, fruto da união entre a terráquea Amanda Grayson e embaixador Vulcano Sarek (ser extraterreste humanoide desse planeta fictício) por ser um hibrido, ele é não é bem aceito em sua comunidade. Sempre que possível seja por vulcanos e mais comumente por humanos, é colocado em xeque capacidade de se comportar como a cultura Vulcana demanda.

No auge da série, o ator Leonard Nimoy observava Spock como alguém que vive “lutando para manter uma atitude vulcana, uma postura filosófica vulcana e uma lógica vulcana, se opondo a aquilo que está lutando em seu interior, que era a emoção humana”.

“Fatos insuficientes convidam sempre ao perigo.”

Spock, Star Trek T01E24

O cenário está montado, já temos um personagem, uma abordagem teórica, o contexto biopsicossocial.

A ideia é sedutora, resolver questões apenas com raciocínio logico, menosprezando a existência das emoções, sendo capaz de calcular com precisão quais sãos os riscos e fazer a escolha com menor prejuízo. Ressalto aqui, se o computador de bordo forneceu corretamente os dados, o que mantem a capacidade de racionalizar dos Vulcanos não é uma característica genética, em vez disso um processo de condicionamento e autocontrole.

Ressalto que a abordagem da Teoria Cognitivo Comportamental tem como objetivo utilizar técnicas que viabilizam o minimizar o sofrimento do individuo e melhora de sua qualidade de vida. A ideia do texto e apresentar conceitos básicos que façam com o leitor perceba o cerne da questão: a maneira que o individuo conduz sua vida é baseada em capacidade cognitiva e seu constructo . Algo como: ‘somos como nos percebemos e aquilo que aprendemos ser’. Spock, por questões filosóficas e culturais, realmente acredita que suas decisões são baseadas tão somente em lógica. Fascinante!

No episódio “O primeiro comando”, uma equipe vai fazer uma exploração num planeta, dado que parte da missão espacial é informações e amostras para compor base de dados para pesquisas. Devido a um efeito eletromagnético a nave exploradora perde contato e não tem combustível suficiente para retornar a Enterprise. Após inúmeras tentativas propondo inclusive deixar tripulantes para trás, a solução foi propor uma manobra arriscada, com baixa possibilidade de sucesso e que no máximo possibilitaria ter contato visual pela Enterprise que acionaria o teletransporte.

Ao retornar a nave, Spock fora questionado pelo Capitão Kirk: “não vai admitir que a solução encontrada para salvar os tripulantes fora um ato de desespero.” A reposta de Spock não poderia ser outra: “não, foi uma solução lógica”. Kirk discorda: “mas foi um descontrole emocional” e Spock permanece em sua posição: “Não concordo.”  Kirk finaliza: “Sr. Spock o senhor é teimoso.” Spock diz: “sim, eu sou.”

No episodio ‘Amok Time‘, o Sr. Spock tem reações e falas agressivas que são reparadas por diversos tripulantes. Ao ser interpelado pelo Capitão Kirk, Spock explica que devido a uma questão biológica vulcana, os exames médicos constataram altos níveis de adrenalina e poderá morrer se não retornar ao seu planeta natal para o ritual de acasalamento. Devido a urgência, a Enterprise e desviada de sua missão e mantem-se em orbita de Vulcano. No cerimonial, a noiva prometida não aceita a união e propõem um luta entre Spock versus Kirk, que perde o embate e cai morto.

Ao ver Kirk morto, a Spock sai do estado febril e descrito pelo mesmo como “estado de loucura” que se encontrava e liberta sua noiva para que o seguir com outro vulcano. Ao subir na Nave, Spock é surpreendido ao ver o Capitão Kirk vivo (que havia recebido uma injeção do Dr. McCoy que paralisa o corpo) e demonstra com através de expressões faciais emoções de surpresa e alegria e ao alterar o tom de voz ao dizer: “Jim”.

Ao ser questionado sobre sua reação, Spock apenas diz: “foi apenas uma reação muito lógica, por não ver a frota perder um excelente capitão”. McCoy apenas diz: “que não está plenamente convencido”. É você leitor, está convencido?

“Quando você elimina o impossível, o que restar, embora improvável, deve ser a verdade.”

Spock, Star Trek VI

O embate emoção versus razão. Diversas abordagens psicológicas e os recentes conhecimentos da neurociência concordam sobre o fato é que se não fossem as emoções humanas jamais teríamos chegado tão longe como espécie.

Em sua publicação Razão, Emoção e Ação em Cena: A Mente Humana sob um Olhar Evolucionista, a pesquisadora Angela D. Oliveira, apresentou como considerações finais é “que se procurou demonstrar é que tomar decisões, comportar-se de uma determinada maneira, fazer escolhas, agir como free-rider (tradução livre: impulsivamente) ou seguir padrões morais do grupo dependem tanto de mecanismos racionais quanto emocionais. Ingênuo pensar os indivíduos da espécie humana pautando-se em avaliações de custo-benefício de suas condutas, prescindindo das emoções.”

Ressalto que Spock é, por assim dizer, meio humano e você (assim espero) é um humano inteiro.

Como complemento deste texto, recomendo o vídeo ‘Como seria viver sem emoções’ do Canal Nerdologia. O vídeo também analisa o primeiro oficial da Enterprise, além de embasar de forma cientifica a importância das emoções em humanos.  Além de simular como seria a personalidade do Sr. Spock se fosse bem-sucedida a exclusão de suas emoções, certamente, os espectadores jamais conseguiríamos nos identificar com o personagem.

Isto acontece por causa de outro conceito que valeria outro texto, a Teoria da Mente. Por enquanto, podemos dizer que além de outros atributos, é a capacidade de reconhecer nas pessoas emoções semelhantes a que individuo possui em seu repertório. É isto só é possível porque o Homo sapiens expressa emoções de forma patronizada não importando a região do globo (ou platô, como dizem por ai), língua, cor de pele como revela os estudos do Dr. Paul Ekman (mas isto é assunto para outro colega, não é Caio Ferreira).

Me despeço como Spock faria: Vida Longa e Próspera.

Contribua conosco, concordou, discordou ou deseja outras análises neste formato deixem seu comentário na caixa de descrição.

Masilvia Diniz

Bahls, S. Clair e Navolar, Ariana B. Borba. Razão, Emoção e Ação em Cena: A Mente Humana sob um Olhar Evolucionista. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Jan-Abr Vol. 22 n. 1, pp. 053-062 (2006). Brasília
Disponível: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n1/29844.pdf

DAMÁSIO, Antonio. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. (1998) São Paulo: Schwarcz.

Greenberger D. e Padesky C. A. Vencendo a Mente com Humor: Mude como você se sente, mudando o modo com você pensa. (1999) Tradução: Andrea Caleffi. Porto Alegre: Artmed.

LISTA DE EPISÓDIOS DE STAR TREK: THE ORIGINAL SERIES. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2018. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Lista_de_epis%C3%B3dios_de_Star_Trek:_The_Original_Series&oldid=53583005>. Acesso em: 17 mar. 2018.

Nerdologia. Como seria viver sem emoções. 2015 (5m47). Disponível:
https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=PO7GZ1DsPpo Acesso: 20 mar. 2019

Oliva, Angela D. Terapia Cognitivo-Comportamentais: Conceitos e Pressupostos Teóricos. (2004). Curitiba. Disponível: http://files.personapsicologia.webnode.com/200000093-024d10346f/Terapias%20Cognitivo-comportamentais.pdf

Star Trek – A caminho de Babel (Jorney to Babel) T2:E10. Criação: Gene Roddenberry: NBC, 1968. Streaming Netflix. (50 minutos).

Star Trek – Tempo de Loucura (Amok Time) T2:E1. Criação: Gene Roddenberry: NBC, 1968. Streaming Netflix. (47 minutos e 50 segundos).

STAR TREK. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Star_Trek&oldid=54072910>. Acesso em: 15 mar. 2019.

Range B. e Colaboradores. Psicoterapias cognitivo-comportamentais : um diálogo com a psiquiatria (2011). 2. ed. Porto Alegre: Artmed.

Vários Colaboradores. Livro da Psicologia (2012). Tradução: Hermeto Clara M. e Martins A. L. São Paulo: Globo

A Psicologia Positiva e o Estudo da Felicidade

Psicologia positiva no Brasil
Construtos teóricos identificados em revisão sistemática da literatura científica brasileira associada à psicologia positiva (Pureza et al., 2012).

A psicologia deve olhar para a doença ou para a saúde? A psicologia detém a visão completa do comportamento humano? Para onde ela deve olhar, se quiser avistar as “leis do comportamento”?

Dentro da psicologia contemporânea, um tópico que vem ganhando relevância nos últimos anos é o da Psicologia Positiva (PP). Crítica à tradicional ênfase dada sobre doenças e transtornos mentais, a psicologia positiva visa expandir o alcance/atuação da psicologia e resgatar suas missões, principalmente naquilo que diz respeito à investigação, classificação e desenvolvimento de qualidades positivas. É um paradigma teórico que implica na análise de fenômenos como bem-estar; satisfação em determinadas áreas da vida; experiências de flow; emoções positivas; saúde geral; auto-estima, habilidades sociais; e felicidade (Pureza et al., 2012).

A 3ª Força da Psicologia

A psicologia positiva começa a brotar com a chamada 3ª Grande Força da Psicologia. Esse movimento psicológico foi inicialmente desenvolvido durante as décadas de 1950 e 1960 e se caracteriza por ter abordagens teóricas vindas da corrente humanista. Em resumo, a 1ª Grande Força é considerada o behaviorismo e a 2ª Grande Força a psicanálise. No behaviorismo é apresentado o valor das contingências ambientais que antecedem e sucedem o comportamento; na psicanálise é apresentado o valor da vida psíquica inconsciente e seus impactos para com a nossa forma de se sujeitar no mundo; na vertente humanista, é apresentado o valor da vida psíquica consciente e do real contato consigo e com o outro.

Na 3ª Grande Força encontramos abordagens e autores como a Gestalt-Terapia e Fritz Perls; a Abordagem Centrada na Pessoa e Carl Rogers; ou a Logoterapia e Viktor Frankl, por exemplo. Essas abordagens e autores possuem diferenças e peculiaridades que as tornam únicas e singulares – mas todas partilham do legado comum proveniente da filosofia humanista – o que afeta sua visão de homem e de mundo. Vale dizer que a PP não se configura como mais uma linha/abordagem teórico-prática, mas sim como uma filosofia e conduta do psicólogo.

O pai da psicologia humanista é considerado Abraham Maslow, psicólogo estadunidense que viveu entre 1908 e 1970. Foi ele quem deu credibilidade científica aos fenômenos observados, mas que, muitas vezes, é apenas lembrado e citado por sua pirâmide hierárquica das necessidades humanas. Foi Maslow quem começou a (re)abrir os olhos para o foco das investigações e dos rumos que a psicologia havia tomado. Ele se interessou pelo estudo do crescimento e desenvolvimento do potencial humano, e defendeu a psicologia como um instrumento de promoção do bem-estar social e psicológico. Maslow também foi o 1º a utilizar o termo psicologia positiva, comparando-a com uma psicologia negativa, em seu livro Motivation and Personality, de 1954. (Kamei, 2018).

A psicologia tem sido mais bem-sucedida no lado negativo do que no positivo; revelou-nos muito sobre as falhas humanas, suas doenças, seus pecados, mas pouco sobre suas potencialidades, virtudes, aspirações e seu auge psicológico.

(Maslow)

Dr. Abraham Maslow durante aula proferida na Universidade de Brandeis, em 1968.

A APA e a Psicologia Positiva

Building human strength: psychology’s forgotten mission

No final de 1997, Martin E. P. Seligman, psicólogo estadunidense nascido em 1942, foi eleito Presidente da American Psychological Association (APA) e, juntamente, com Mihaly Csikszentmihalyi (o pai do “estado flow”), psicólogo húngaro nascido em 1934, começaram a publicar e empregar recursos em prol da difusão da psicologia positiva, como edições especiais de publicações, revistas científicas, convenções e encontros.

Em 1998, Seligman escreveu, na coluna presidencial do APA Monitor, o artigo “Building human strength: psychology’s forgotten mission” (Construir forças humanas: a missão esquecida da psicologia), onde apontou que, antes de II Grande Guerra Mundial, a psicologia tinha 3 objetivos:

  • curar as doenças mentais;
  • tornar a vida das pessoas mais satisfatória;
  • identificar e cultivar talentos superiores;

Nesse mesmo texto, ele também aponta que após a II GGM, “todos os esforços da psicologia se voltaram para o tratamento das doenças mentais e dos transtornos psicológicos” (Kamei, 2018, p. 27), ou seja, praticamente, um voltar-se para a reparação de danos.

Esse foco, quase exclusivamente curativo, fez com que se olhasse pouco para os aspectos positivos que também são parte do sujeito e das comunidades. Assim, tais aspectos foram negligenciados por um longo período, tornando a visão da psicologia incompleta. Com base nisso, esses autores propuseram que o objetivo da psicologia positiva é promover um ajuste no foco da psicologia para que aspectos saudáveis também recebam atenção.

(Hutz, 2014, p.13)

Dentre encontros, reuniões e publicações científicas foram investigadas interrogações como:

  • Felicidade é um meio ou um fim?
  • Motivações positivas derivam das motivações negativas?
  • Qual é a relação entre o indivíduo e as forças interpessoais?
  • Qual é a função evolucionária das emoções positivas?

É importante ressaltar que a psicologia positiva, como movimento, não está criando uma nova área do saber psicológico, mas propondo um exercício teórico e, especialmente, metodológico no sentido de orientar a visão que se lança aos fenômenos investigados pela psicologia para os aspectos positivos e saudáveis do desenvolvimento, visando priorizar a prevenção ao tratamento.

(Hutz, 2014, p. 14)

O DSM da Psicologia Positiva: O CSV

psicologia positiva CSV felicidade character strengths and virtuesApós uma série de encontros, pesquisas e publicações os autores C. Peterson e M. Selgiman publicaram, em 2014, o que seria o DSM da psicologia positiva. Antes de mais paralelos, e pensando principalmente no público que lê esse texto, mas não é da área da psicologia ou psiquiatria, o DSM é a sigla para Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais) que, em resumo, é uma referência internacional publicada pela APA, que se encontra na 5ª edição e informa sobre quadros e tratamentos associados à sintomas e transtornos psíquicos/mentais. No DSM não há espaço para o positivo. É verdade que lá se fala de motivação e vontade, por exemplo, mas somente explana sobre os distúrbios e disfunções do componente, além de oferecer possíveis tratamentos. O mesmo ocorre com os outros componentes humanos.

Sendo assim, não fazia sentido a emergente psicologia positiva utilizar o foco negativo do DSM e da tradicional psicologia pós-guerra – nasceu o Character Strengths and Virtues: A handbook and classification (CSV), como um desenvolvimento de aplicações práticas dentro da psicologia positiva.

Em resumo, essa publicação identifica 6 classes de virtude (“virtudes centrais”), compostas de 26 “forças de caráter” mensuráveis:

  • Sabedoria e Conhecimento: criatividade, curiosidade, abertura de espírito, amor à aprendizagem, perspectiva, inovação
  • Coragem: bravura, persistência, integridade, vitalidade, entusiasmo
  • Humanidade: amor, bondade, inteligência social
  • Justiça: cidadania, justiça, liderança
  • Temperança: perdão e misericórdia, humildade, prudência, autocontrole
  • Transcendência: valorização da beleza e excelência, gratidão, esperança, humor, espiritualidade

(com base em Peterson & Seligman [2004]. Character strengths and virtues: A handbook and classification – sem tradução oficial para língua portuguesa)

O Jeito Harvard de Ser Feliz

Nos últimos anos, com a crescente investigação e divulgação sobre a psicologia positiva, vem crescendo também o interesse geral e o mercado diretamente associado. Cursos de psicologia positiva e workshops de inteligência emocional, por exemplo, são mais oferecidos e vendidos – no Brasil – agora, do que há 5 ou 7 anos, por exemplo.

Livros de psicologia positiva e inteligência emocional viram best-sellers, o tema é globalmente acessado na internet, ganha os palcos do TED e nos chega, até nos grupos de WhatsApp, vídeos de apresentações ou ideias de pessoas como Tal Ben-Shahar e Shawn Achor (professores de Harvard e difusores contemporâneos, mundialmente conhecidos, no trabalho com a psicologia positiva).

Um dos autores mais populares em psicologia positiva, na atualidade, é Shawn Achor – que publicou o best seller O jeito Harvard de ser feliz (2012). Nesse livro, dividido em 3 partes, Achor nos conta sobre seu percurso na psicologia positiva, sobre as principais bases teóricas e metodológicas da investigação/intervenção positiva, uma série de histórias e observações, bem como sobre os chamados sete princípios – que, em resumo, dizem respeito à atitudes mentais e comportamentais específicas (que merecem ser elaboradas em um texto próprio para tal).

Acreditava-se que o sucesso era o ponto fixo do universo do trabalho, com a felicidade gravitando em torno dele. Agora, graças às descobertas revolucionárias do campo emergente da psicologia positiva, estamos aprendendo que o que acontece na verdade é o contrário. Quando estamos felizes – quando a nossa atitude e estado de espírito são positivos –, somos mais inteligentes, mais motivados e, em consequência, temos mais sucesso. A felicidade é o centro, e o sucesso é que gira em torno dela.

(Achor, 2012, p.43)

Nessa obra, o autor também quebra mitos (como a felicidade ser algo a posteriori – isto é, a crença comum de que serei feliz depois de obter um certo bem, ou depois de algum tipo de conquista/acontecimento, por exemplo) e expõe falhas ou erros da psicologia (como o culto da média).

psicologia positiva culto à media shawn achor felicidade harvard erros da psicologia
(Escape do culto da média, contido em Achor [2012], p. 21)
O gráfico acima representa uma amostragem hipotética que revela um padrão e uma tendência. É um gráfico em dois eixos, que poderia representar “peso em relação à altura, o tempo de sono em relação à energia, felicidade em relação ao sucesso e assim por diante” (Achor, 2012, pp. 21-22). Estatisticamente, o ponto fora do padrão é chamado de valor discrepante. É um problema estatístico que pode representar um erro de mensuração ou um valor real, todavia, ele atrapalha os dados e costuma ser acompanhado de procedimentos estatisticamente válidos para removê-lo dali – o que não é um problema para quem quer estudar a média ou uma característica geral sobre algo.

Se alguém fizer uma pergunta do tipo “Em quanto tempo uma criança consegue aprender a ler em uma sala de aula?”, a ciência muda essa pergunta para “Em quanto tempo, em média, uma criança consegue aprender a ler em uma sala de aula?”. Com isso ignoramos as crianças que aprendem a ler mais rapidamente ou mais lentamente e adaptamos as aulas tendo em vista a criança “mediana”. Esse é o primeiro erro cometido pela psicologia tradicional. […] Naturalmente, as pessoas que estão abaixo do normal são aquelas que tendem a precisar de mais ajuda – para serem afastadas da depressão, do abuso de álcool ou do estresse crônico. Em consequência, os psicólogos, justificadamente, dedicaram um considerável esforço estudando como poderiam ajudar essas pessoas a se recuperarem e voltarem ao normal. No entanto, por mais valioso que seja esse trabalho, ele só revela metade da realidade. Você pode eliminar a depressão sem tornar a pessoa feliz. Pode curar a ansiedade sem ensinar a pessoa a ser otimista. Pode fazer uma pessoa voltar a trabalhar sem, no entanto, melhorar seu desempenho profissional. Se você só luta para reduzir os aspectos negativos, você apenas atingirá a média e deixará passar irremediavelmente a oportunidade de superá-la.

(Achor, 2012, pp. 22-23)

A psicologia positiva nasce na gringolândia e ainda é desconhecida por uma série de psicólogos canarinhos, além de ser associada às funções e flertes dos coachings, por tantos outros – que faz com que muitos psicólogos tenham preconceitos ou cautelas para tocar na temática.

É sabido que a psicologia lida com a mente e o comportamento humano, mas são os conflitos emocionais que levam a maioria dos clientes aos nossos consultórios e esse é o foco tradicional do ensino em psicologia no Brasil – classificação e tratamento de sintomas e transtornos. Desse ponto de vista, a psicologia positiva é uma tentativa de resgatar missões que já foram do campo e do estudo psicológico, (re)ampliar o alcance da psicologia e estudar, cientificamente, as emoções e qualidades positivas humanas.

Quer saber mais sobre a psicologia das emoções? Inscreva-se já para o próximo curso de Introdução à Psicologia das Emoções.

Referências consultadas

Achor, Shawn (2012). O jeito Harvard de ser feliz. São Paulo: Editora Saraiva.

Hutz, C. S. (2014). Avaliação em psicologia positiva. Porto Alegre: Editora Artmed.

Kamei, H. (2018). Flow e psicologia positiva: estado de fluxo, motivação e alto desempenho. Goiânia: Editora IBC.

Peterson, C., & Seligman, M. E. P. (2004). Character strengths and virtues: A handbook and classification. New York: Oxford University Press and Washington, DC: American Psychological Association.

Pureza, J. R.; Kuhn, C. H. C.; Castro, E. K. & Lisboa, C. S. M. (2012). Psicologia positiva no Brasil: uma revisão sistemática da literatura. Revista Brasileira de Terapias Cognitivas. 2012, 8 (2), pp.109-117.

Por Caio Ferreira

Implicações do Reconhecimento Automático da Expressão Facial da Emoção

Devemos olhar para faces ou para telas?

Pois ouvi essa semana que “as máquinas leem emoções melhor do que as pessoas, mas elas não têm emoções”

Impressões da Face Humana

Na época da graduação em psicologia, especificamente no último ano (onde há estágios clínicos e disciplinas de supervisão), não era raro ouvir as impressões que meus colegas traziam sobre a face do paciente que estavam atendendo. Impressões essas que vinham na forma de “uma cara fechada”; “uma cara estranha” e até “um semblante péssimo”. É sabido que por meio da comunicação não-verbal (CNV) a pessoa expressa fenômenos como conforto, desconforto, emoções, sentimentos e dor (Ferreira, 2018; Knapp & Hall, 1999), por exemplo, todavia, ainda em uma graduação de psicologia (e pelos menos na que frequentei e nas comparações que colho de meus pares) não há uma disciplina, cuja ementa, vise apresentar, ensinar e discutir a análise da linguagem corporal, da expressão facial da emoções e da paralinguagem (fundamentais tópicos da CNV dos seres humanos).

Uma vez que eu já conhecia algumas questões técnicas e metodológicas acerca da CNV, ficava ouvindo os relatos dos meus colegas estagiários e me perguntando como seria aquela face que eles não conseguiam descrever: “será que as sobrancelhas estavam abaixadas? Será que o olho estava arregalado? Será que havia tensão nas pálpebras? Será que havia algum tipo de pressão nos lábios ou ação na boca?” Por exemplo. Mas não fazia sentido perguntar, pois os meus colegas não estavam observando essas ações e movimentos, mas apenas relatando aquilo que eles haviam experienciado sobre aquela expressão emblemática do paciente, que se configurava para mim como apenas uma silhueta sem forma definida.

expressão facial da emoçãoE, sem descrições e avaliações científicas das ações e movimentos faciais, nunca foi possível, em situações como essas relatadas, trabalhar adequadamente o que aquela expressão facial carregaria consigo, a nível emocional, por exemplo, ou o que ela estaria representando ou o porquê ela está sendo exibida naquele momento. E digo isso, não para expor os meus colegas, mas para expor uma falta de formação específica e que se faz necessária quando o assunto é a expressão facial e a emoção. E digo isso também, pois espero que, com o final desse texto, você possa se atentar um pouco mais para as expressões faciais, na hora de avalia-las e de relatá-las também. Então, quando se deparar com uma “cara fechada”, ou “com uma cara estranha” e até “com um semblante péssimo”, peço que busque começar a treinar o seu olhar para identificar os movimentos faciais que ali estão.

Afinal, a face é a parte do corpo que mais exibimos ao outro durante nossas relações (com exceção de algumas culturas); ela é o nosso 1º sistema de comunicação humano; o choro e depois o sorriso são os primeiros organizadores do psiquismo humano. Sendo assim, é importante compreender como funcionam os comportamentos faciais e para que servem. Vale lembrar que as microexpressões faciais foram descobertas por meio de análises de sessões com psicoterapias que foram filmadas e revelaram, por exemplo, a angustia e o sofrimento de pacientes suicidas, ainda que esses relatasses, pelo canal verbal, melhoras.

Em resumo, a expressão facial da emoção analisada e mensurada, de forma científica, nos permite ver um mundo emocional por de trás de uma face; ela revela o que a pessoa sente e apresenta marcadores universais.

Reconhecimento automático da Expressão Facial da Emoção

Quando comecei a estudar a mensuração da expressão facial em seres humanos (antes de graduação, em meus primeiros contatos com as descobertas de Paul Ekman), lembro que o reconhecimento automático “era o futuro”. Já hoje, é público o fato de as câmeras e softwares apanharem nossas expressões cotidianas, com finalidades de análise e compreensão dos nossos estados internos. É necessário dizer que a análise de imagens digitalizadas permite também aplicações como a autenticação biométrica, mas não é esse o foco do seguinte texto. Falaremos hoje sobre os recursos que identificam emoções (como câmeras em lojas e vitrines que buscam mensurar as reações dos clientes ou plataformas que analisam as emoções dos candidatos em entrevistas de emprego).

Existem inúmeros algoritmos de reconhecimento da face humana e de suas expressões. Cada um possui suas particularidades, mas a maioria deles costuma trabalhar com elementos como: identificação/detecção da face e das principais regiões faciais (olhos, boca e nariz); colocação dos pontos de leitura; calibragem automática ou manual; identificação de rugas; posição da cabeça; posição dos olhos; reconhecimento da expressão facial; e alteração de aparência – marcadores importantes que fazem parte das análises de imagem e/ou vídeo. Quando a máquina busca emoções, esse conjunto de dados é analisado e convertido, de forma automática, em probabilidades dos estados emocionais, geralmente, relacionado às emoções básicas (alegria, tristeza, raiva, aversão, medo, surpresa e desprezo).

Reconhecimento automático facereader emoções face
(Exemplo de reconhecimento automático da expressão facial da emoção, com o software FaceReader, da Noldus – estudo feito no CICEM, por meio de parceria científica pioneira no Brasil, vigente desde 2017).

openface reconhecimento automático
(Exemplo de captação da face, de suas regiões e ações com o Software OpenFace 2.0. Estudo feito no CICEM)

Do ponto de vista teórico, uma série de pesquisadores da computação afetiva apontam que a capacidade da máquina em ler os estados afetivos de seus usuários teria efeitos benéficos (nas melhores hipóteses, falamos de máquinas capazes de reconhecer a expressão facial de alguém e atribuir uma saída condizente com a situação em questão) (Pantic et al., 2006; Picard, 1997; Robinson & el Kaliouby, 2009), entretanto, do ponto de vista prático, o que encontramos à nossa volta são utilizações mais problemáticas relacionadas à violação de direitos do que uma própria melhoria na relação homem-máquina. Raras têm sido as notícias sobre o incentivo das habilidades emocionais, frequentes têm sido os entusiastas da inteligência emocional e mais comuns ainda são os informes de novas inteligências que detectam emoções. Isso acontece pois as pessoas negligenciaram as faculdades emocionais por muito tempo e agora não sabem ler as emoções nos outros e não sabem gerir as próprias emoções em si mesmas.

“Desde o início da Computação Afetiva, os pesquisadores tem buscado formas de permitir que o computador seja capaz de reconhecer e responder as emoções humanas. Encontrando-se hoje uma variedade de grupos de pesquisa na área, muitos deles com trabalhos específicos voltados ao reconhecimento das emoções”

(Leão et. al, 2012)

.

Nem tudo é um pântano. As tecnologias de reconhecimento automático permitem analisar mais imagens em menos tempo (se compararmos com a codificação manual), o que tem grande valor na hora de verificar segmentos de vídeo. Isto é, por padrão (e em grande parte), os vídeos possuem 24 frames por segundo, o que significa 24 fotos/quadros dentro de um segundo. Como a investigação da expressão facial é feita quadro a quadro, há vezes em que o auxílio dos softwares é bem-vindo. Outra contribuição diz respeito ao campo da segurança, uma vez que esse tipo de sistema tem sido usado, por exemplo em aeroportos e terminais, para identificação de suspeitos e contenção de ameaças.

Nos cursos que ministro sobre a expressão facial da emoção, levo informações, aplicações e críticas acerca do reconhecimento automático, sendo que um dos melhores usos para ele, a nível didático, mostrou-se ser a comparação e discussão frente à análise/codificação manual para com a automatizada. Sempre digo aos participantes que só confio na utilização de um software desses por alguém que conheça a teoria e a metodologia que sustenta a análise científica da expressão facial da emoção e que, além disso, conheça bem os algoritmos e peculiaridades do software em questão. Por exemplo, há tecnologias que utilizam elementos do Facial Action Coding System (FACS) em suas programações, mas não empregam todas as AUs do código FACS. Nesse caso, para uma utilização adequada, faz-se necessário conhecer o FACS (de forma analógica) e as AUs compreendidas pelo software (de forma digital).

Levar a emoção para as pessoas

Uma das premissas que me levou a criar o curso de Introdução à Psicologia das Emoções (produzido pelo CICEM – Centro de Investigação do Comportamento das Emoções em parceria com a Sociedade dos Psicólogos) foi que as pessoas são ensinas à andar, falar, comer, estudar, mentir, etc….mas, raramente, são ensinadas a sentir e, uma vez que “as emoções determinam a qualidade das nossas vidas” faz se necessário o debruçar sobre temas como emoção, sentimento e afeto.

“Não basta ensinar ao homem uma especialidade, porque se tornará assim uma máquina utilizável e não uma personalidade. É necessário que adquira um sentimento, senso prático daquilo que vale a pena ser empreendido, daquilo que é belo, do que é moralmente correto”.

A. Einstein

Vejo que, de certa forma, o ensino e a pesquisa tem, cada vez mais, possibilidades de agregar a emoção como uma de suas principais formas de divulgação. Há vozes emocionais que buscam propagar a importância das emoções para, por exemplo, com nossa aprendizagem, relacionamentos, saúde, produtividade, motivação, entre outros. O estudo científico da alegria ganha holofotes e a psicologia positiva é pop – o que é bom e é ruim, pois ao mesmo tempo em que está sendo amplamente divulgada (o que é bom) também está sendo abordada, muitas vezes, de forma errônea e superficial, além de ganhar mais terreno fora do campo da psicologia (do que dentro dele) – isto é, tem sido mais fácil encontrar, atualmente, no Brasil “especialistas” em psicologia positiva que são empreendedores, coachs e “gurus”, do que, propriamente, psicólogos a falar do tema.

Penso que aqui, novamente, aparece a questão de que o tema das emoções vem ganhando holofotes e atenções, todavia, vem sendo tratado e direcionado de forma, pelo menos, estranha.

Talvez haja, atualmente, maior interesse ou tendência em estudar como as maquinas e as cabras reconhecem a expressão facial da emoção, do que investigar as facilidades/dificuldades humanas e propor soluções. Talvez o reconhecimento automático seja uma “solução” contemporânea, mas é triste que as máquinas – que não têm emoções – leiam a emoção melhor do que você – que é humano.

(mas você pode mudar isso)

Referências

Baltrusaitis, T. (2014). Automatic facial expression analisys. University of Cambrige: Computer Laboratory.

Ekman, P. (2003). Emotions revealed: recognizing faces and feelings to improve communication and emotional life. New York, NY: Times Books.

Ekman, P. & Rosenberg, E. L. (Eds.). (2005). What the face reveals: basic and applied studies of spontaneous expression using the facial action coding system (FACS) (2nd ed.) New York: Oxford University Press.

Ekman, P.; Friesen, W. V.; & Hager, J. C. (2002). The Facial Action Coding System. (2nd ed.) Salt Lake City, UT: research Nexus ebook.

Ferreira, C. (2018). Estudos sobre a mensuração científica da face humana: vol. 1 – o guia do emocionauta. São Paulo: CICEM Ed.

Knapp, M. L. & Hall, J. A. (1999). Comunicação não-verbal na interação humana. São Paulo: JSN Editora.

Leão, P. L.; Bezerra, J. S.; Matos, L. N. & Nunes, M. A. S. N. (2012). Detecção de expressões faciais: uma abordagem baseada em análise do fluxo óptico. GEINTEC. São Cristóvão/SE – 2012. Vol. 2/n.5/ p.472-489.

Pantic, M;. Pentland, A.; Nijholt, A. & Huang, T. (2006). Human computing and machine understanding of human behavior: A survey. In ACM International Conference on Multimodal Interfaces, pages 239–248, 2006.

Picard, R. W. (2009). Future affective technology for autism and emotion communication. Philosophical transactions of the Royal Society of London. Series B: Biological sciences, 364(1535):3575–3584, Dec 2009.

Robinson, P. & el Kaliouby, R. (2009). Computation of emotions in man and machines. Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Series B: Biological sciences, 364(1535):3441–3447, 2009.

OpenFace 2.0: Facial Behavior Analysis Toolkit Tadas Baltrušaitis, Amir Zadeh, Yao Chong Lim, and Louis-Philippe Morency, IEEE International Conference on Automatic Face and Gesture Recognition, 2018

Por Caio Ferreira

Psicologia da Inteligência: Inteligências Múltiplas e Inteligência Emocional

Fronteiras da inteligência?

O que é ser inteligente ou ter inteligência? Quais as fronteiras e intersecções entre a inteligência e a personalidade ou o comportamento, por exemplo? Como funciona a relação entre aprendizagem e inteligência? Inteligência é igual ao QI? Existem inteligências diferentes? Que raio é Fator G? Inteligência tem a ver com genes ou com o ambiente? A máquina é inteligente? E os animais?

Antes de tudo…

Você é inteligente? Claro que é!

Definir a inteligência não é fácil. E olha que esse é um tópico estudado pelas ciências há vários séculos. No texto de hoje, busco articular pontos referentes ao tradicional estudo da inteligência em psicologia (testes, psicometria e QI, por exemplo), juntamente com teorias contemporâneas de compreensão, investigação e intervenção sobre essa (Inteligências Múltiplas e Inteligência Emocional).

Avaliação da inteligência

Com a investigação da temática, surgiu uma série de definições/conceitos sobre a inteligência enquanto objeto de estudo da psicologia e outros tantos testes foram criados para avaliar/medir aquilo que se entendia por inteligência. Antes de prosseguirmos, é importante frisar que falo de testes psicológicos, isto é, procedimentos que passaram por experimentações, validações e adaptações (a depender da região e população estudada). Portanto, tratam-se de ferramentas de uso do psicólogo, que segue um manual protocolo padronizado de aplicação/interpretação e busca controlar o setting, a nível de evitar perturbações ou estímulos que possam prejudicar ou que não sejam adequados ao procedimento em questão.

Os testes psicológicos costumam ser divididos em duas principais categorias, os testes de inteligência e os testes de personalidade (projetivos), sendo que, os testes de inteligência encontram-se em uma subárea de estudo da psicologia, chamada psicometria.

“Etimologicamente, psicometria representa a teoria e a técnica de medida dos processos mentais, especialmente aplicada na área da Psicologia e da Educação. Ela se fundamenta na teoria da medida em ciências em geral, ou seja, do método quantitativo que tem, como principal característica e vantagem, o fato de representar o conhecimento da natureza com maior precisão do que a utilização da linguagem comum para descrever a observação dos fenômenos naturais”. (Pasquali, 2009, p. 992)
E é por meio de números, proporções, estatísticas e por esse tipo de medida que a psicologia costuma se debruçar sobre o campo da inteligência e os mais conhecidos testes são:
  • Escala Binet-Simon de inteligência;
  • Escala de Stanford-Binet;
  • WAIS – Escala Wechsler para Adultos;
  • WISC – Escala de Inteligência Wechsler para Crianças;
  • Matrizes Progressivas Coloridas de Raven;
  • Escala de Maturidade Mental Colúmbia.

inteligências multiplas inteligencia emocional psicologia
(Imagem: CC)

QI e Fator G

O QI é a famosa sigla para Quociente de Inteligência (desenvolvido por Alfred Binet) e diz respeito à uma pontuação média obtida após um procedimento de avaliação da inteligência. Essa média é obtida pela equação QI = Idade mental/idade cronológica x 100 e guarda forte relação com o chamado Fator G.

Fator G significa fator geral de inteligência, é mapeável por meio de testes psicológios e diz respeito a um número que representa a facilidade ou dificuldade, por assim dizer, que alguém tem para realizar uma tarefa. Esse conceito tenta explicar boa parte da inteligência e foi desenvolvido, primeiramente, por Charles Spearman, que considerava esse fator como representante de cerca de 70% da inteligência de alguém. A vantagem do fator G, em comparação ao QI, é que ele é extraído a partir de um conjunto variado e misto de testes.

Falar de inteligência, é falar também de fatores específicos, habilidades específicas, competências ou inteligências múltiplas.

(Howard Gardner. Imagem: CC)

Inteligências Múltiplas (IM)

Crítico à mensuração da inteligência, ao QI e à visão de um fator de inteligência superior aos demais, na década de 1980, o psicólogo Howard Gardner, lider de uma equipe de investigadores da Universidade de Harvard, propõe a teoria das Inteligências Múltiplas. Visão essa que apontou 7 (e depois 8) conjuntos de capacidades, relativamente, independentes.

Conheci essa teoria na época da graduação em psicologia e pude trabalhar com ela por aproximadamente 6 meses, por meio de oficinas em um abrigo para crianças na região da Mooca. Foi muito interessante, pois as crianças nunca haviam ouvido falar de várias inteligências e, em resumo, aquelas que se consideravam “burras” (e pautadas na relação tradicional entre ensino e aprendizagem), após os encontros, descobriram uma série de aptidões, interesses, habilidades individuais e recuperaram parte da autoestima, ao passo em que se viram como inteligentes. Foi óbvio que as oficinas, as reflexões e as dinâmica propostas não só ajudaram no desenvolvimento do Eu, como refletiram na harmonia geral do grupo.

As inteligências apontadas por Gardner são:

  • Lógico-matemática;
  • Linguistica;
  • Musical;
  • Visual-espacial;
  • Corporal-cinestésica;
  • Interpessoal;
  • Intrapessoal;
  • Naturalista (a última acrescentada à lista).

Como o conceito de cada uma das listadas inteligências merece um texto próprio, farei-o, no futuro, juntamente com sugestões de exercícios para desenvolver cada uma delas.

inteligência emocional psicologia
(Daniel Goleman. Imagem: CC)

Inteligência Emocional (IE)

Na listagem de Gardner, encontramos a inteligência interpessoal e também a inteligência intrapessoal – são as chamadas inteligências pessoais e uma aponta para a relação consigo mesmo, enquanto a outra aponta para a relação com o(s) outro(s), respectivamente.

Um autor que desenvolveu e elevou, ao meu ver, as inteligências pessoais à um novo nível, foi o psicólogo Daniel Goleman – um dos desenvolvedores do conceito de inteligência emocional.

Atualmente, esse é o tema que mais tenho estudado e o conheci por meio do meu contato com a psicologia das emoções. Foi analisando expressões faciais emocionais dos outros e de mim mesmo, observando respostas emocionais externas e internas, estudando comunicação, desenvolvendo a atenção e a consciência que comecei a compreender a inteligência emocional e sua importância. Costumo dizer que a inteligência emocional é mais do que regular as emoções: é desenhar a curva do próprio movimento – é estar no controle. Sendo assim, ela envolve, principalmente, autoconhecimento; controle emocional; compreensão dos outros; controle das relações; e autorresponsabilidade.

“A inteligência acadêmica pouco tem a ver com a vida emocional. Os mais brilhantes entre nós podem afundar nos recifes de paixões desenfreadas e impulsos desgovernados; pessoas com altos níveis de QI são às vezes pilotos incompetentes de suas vidas particulares”. (Goleman, 1995 ,p. 46)

Goleman fala muito de cérebro, busca traçar relações entre a sua teoria e as descobertas da neurociência, apresenta o QE (quociente emocional) e nos mostra que, por meio da plasticidade neural e de projetos de estimulação relatados, é possível desenvolver a inteligência emocional em qualquer idade.

Ele também divide as competências emocionais em sociais (relacionada à inteligência interpessoal de Gardner) e pessoais (relacionada à inteligência intrapessoal de Gardner), sendo que foram apontadas 5 categorias principais que dizem respeito à inteligência emocional, e estas são: autoconsciência; autocontrole; consciência social; gestão de relacionamento; e automotivação/performance.

inteligência emocional psicologia daniel goleman
(Imagem: CC)

Considerações finais: psicologia positiva e o papel do psicólogo

Sem muito espaço para dialogar e auxiliar as teorias que foram desenvolvidas antes, as IM e a IE ganham mais força na chamada psicologia positiva, que é um ramo da psicologia científica que não se preocupa em tratar patologias ou amenizar o sofrimento, de forma remediativa (em comparação com as abordagens tradicionais que focam muito mais na doença, no sintoma, na “loucura” e em seu tratamento), mas visa aprimorar as faculdades saudáveis do indivíduo e promover mais qualidade de vida à ele (seja qual for a esfera da vida). Isso, pois a psicologia positiva estudou as pessoas extraordinárias, bem-sucedidas, que conseguiram grande feitos e que levam uma vida, além de harmônica, próspera.

Ao estudar o que torna alguém feliz, a psicologia positiva pôde relatar que não são os fatores externos (carro, casa, formação, relacionamento…) que são responsáveis pela felicidade, isto é, não se pode prever, a longo prazo e de forma precisa, o estado de felicidade de alguém, com base naquilo que ela tem (estatísticas perto de 10% de precisão), mas observando as motivações internas de alguém e como o seu cérebro processa o mundo, pode-se chegar aos 90% de certeza de que essa pessoa será feliz ou infeliz. Hoje sabemos que o cérebro se reorganiza e cria novas conexões durante toda a vida, e esse espaço de reprogramação tem sido bem aproveitado por essa linha da psicologia, que tem transformado, positivamente, a vida de milhares de pessoas.

No vídeo abaixo, Shawn Achor, professor do curso de psicologia positiva de Harvard, mostra porque apenas 25% do sucesso de alguém é influenciado pelo seu QI e porque 75% são decorrentes de otimismo, suporte social e capacidade de ver o estresse como desafio (e não como ameaça), por exemplo. (legendas em português disponíveis)

Sendo assim, ao invés de avaliar e diagnosticar “indivíduos retardados” (como a psicologia fez por muito tempo), ou propor programas de reabilitação, ou aplicar testes de psicodiagnósticos, ou realizar tarefas de recrutamento e seleção, por exemplo, novas possibilidades, naquilo que diz respeito à promoção de saúde, emergem para o psicólogo contemporâneo e estão diretamente relacionadas com o desenvolvimento das faculdades emocionais. E é com essa visão, que um psicólogo do esporte, por exemplo, vai trabalhar a estimulação das competências necessárias para os atletas de alto rendimento atingirem a meta definida. Em muitos casos, vai começar, justamente, auxiliando na avaliação do estado atual (na consciência) e no estabelecimento adequado da meta, sendo que, se esse trabalho emocional for bem feito, o atleta, ainda que criticado pela torcida/mídia e/ou perdendo a competição, ou seja lá qual for a circunstância adversa, conseguirá manter o foco e alcançar a performance ideal.

Quer saber mais

Inscreva-se já para o próximo curso presencial de Introdução à Psicologia das Emoções. Mais informações: http://cicem.com.br/cursos/introducao-psicologia-das-emocoes-sp/

Referências consultadas

Gardner, H. (2000). Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva

Goleman, D. (1995). Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. Rio de Janeiro: Objetiva.

Pasquali, L. (2009). Psicometria. Rev Esc Enferm USP. 42. pp. 992-999.

Walton, D. (2017). Inteligência emocional: um guia prático. Porto Alegre: L&PM

 

Por Caio Ferreira