Dia Internacional da Família – o mundo começa dentro de casa.

Nem toda ‘tradição’ é digna de repetição.

O ano é de 2022, e este é o 29º Dia Internacional da Família, instituído pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. Uma data e tanto, considerando que o “mundo começa dentro de casa”, na família, sendo esta ‘casa’, a rua, o orfanato ou até mesmo o espaço de convivência com os pais ou responsáveis.

Família, algo muito além de “papai, mamãe e titia”! Ela é um sistema complexo, cheio de formas, regras particulares e características, um sistema biológico e subjetivo. Um ponto unanime entre todas as famílias, é que todas elas têm história. Mas nem todas tem afeto e cuidado em seu histórico.

E partindo deste princípio, da história como parte da identidade de cada família, que o texto se direciona a refletir sobre os impactos psicológicos e sociais que algumas falas, comportamentos e situações que ocorrem nas convivências familiares, tendem a provocar em seus indivíduos.

“Nem toda ‘tradição’ é digna de repetição!” Mas cabe a cada um perceber, se conscientizar e escolher aquilo que poderá ser levado adiante, de geração em geração.

Se tratando de família, você já presenciou, aprendeu ou viveu uma destas situações abaixo? Caso sim, lhe convido a inicialmente perceber as situações que refletem na forma de cada um ser e em paralelo, no como a sociedade se constrói como um todo.

Bom, vamos lá! Seguem abaixo as situações que podem nos chamar a atenção:

Cobranças sociais

– comentários sobre o corpo

– comentários sobre o status social/ civil

– comentários e imposições para se vincular a um trabalho

Processo de adoecimento

– comentários e comportamentos perante quem adoece

Papel na família

– situações que mantém a condição de sobrecarga em um membro da família

idealização de “respeito ao mais velho”, sem considerar o modo que é estabelecido o respeito

Situações de convivência

fofoca

– preocupação em ser agradável aos outros

– idealização sobre “ser forte” e não demonstrar fraqueza

– incentivo a “não pedir ajuda” em caso de necessidade

Reprodução de preconceitos

– comentários e cobranças sobre os homens

– comentários e cobranças sobre as mulheres

– comentários sobre as raças

– comentários sobre os gêneros e orientações sexuais

Outros.

De modo generalista e simplista, as situações brevemente citadas acima tendem a causar uma série de impactos psicológicos e sociais. Todas as situações possuem um potencial de serem reproduzidas ao longo das gerações, em condição de normalidade e aceitação. E a partir disto que se constrói algumas questões:

– os seus comentários e comportamentos sinalizam cuidado? Ou apenas abordam as imposições sobre o que você considera melhor/ correto?

– os seus comentários e comportamentos provocam alívio emocional, condição de apoio, compreensão e acolhimento? Ou eles causam insegurança, restrição, limitação e sofrimento?

– os seus comentários e comportamentos provocam e inspiram igualdade? Ou eles incentivam a desigualdade?

– os seus comentários e comportamentos provocam incentivos ao autocuidado? Ou eles inspiram a autodestruição e negligência?

– os seus comentários e comportamentos provocam incentivos ao gesto de parceria e cooperação entre as pessoas? Ou eles estimulam a sobrecarga e ao descuido com os limites pessoais?

– os seus comentários e comportamentos provocam incentivos a tolerância, a liberdade e ao respeito? Ou estimulam o conflito, a imposição e a restrição?

– os seus comentários e comportamentos validam o que realmente o outro pensa, sente e faz? Ou eles fantasiam, distorcem e pre conceitua o que o outro realmente pensa, sente e faz?

Enfim, são questões como estas citadas acima que podem potencializar os seguintes benefícios:

– autoconhecimento

– desenvolvimento do senso de percepção sobre si, o outro e o espaço

– fortalecer o autodesenvolvimento

– fortalecer o senso de responsabilidade social

– fortalecer os vínculos afetivos

– desenvolver a empatia

– promover a manifestação de emoções positivas (alegria, gratidão, contentamento, interesse, esperança, inspiração, pertencimento e outras)

E por último, mas não menos importante, abrir espaço para o processo de transformação social, fortalecendo aspectos tão importantes para as relações, como: tolerância, respeito, liberdade e igualdade.

O mundo começa dentro de casa! E nem toda ‘tradição’ é digna de repetição”, porque algumas causam danos. Algumas geram sofrimento, limitação e dificuldades. Por isso, um convite para reparar o mundo que nasce dentro de casa. O perigo nem sempre está da porta para fora! A família, ser potente, capaz de destruir, reconstruir e evoluir. Ela poder ser fonte de traumas, de armas e bloqueios. Como pode ser fonte de pontes libertadoras e restauradoras.

Mas pensando na sociedade, ela depende de mim, depende de você, da minha e das nossas famílias! Por isso, neste Dia Internacional da Família, trago este convite: perceba, reveja, escolha, aprenda e reconstrua o mundo comigo.

Com carinho, uma mera aprendiz.

Por Tayna Wasconcellos Damaceno