Ansiedade, Atenção Plena e Black Mirror

“Agora, mais uma vez, concentre-se na sua respiração… Repare como a sua respiração continua por si só… Sua mente pode vagar. Simplesmente observe… Calmamente… Sem julgamento…”

Assim começa o segundo episódio da quinta temporada de Black Mirror – Smithereens. Não parece, é um App Mindfulness (ou em português Atenção Plena), a narração transcrita acima é uma meditação guiada. Amplamente utilizada para tratamento complementar dos Transtornos de Ansiedade ou como uma maneira de ser manter o indivíduo focado no momento presente.

Charlie Brooker aparentemente trabalhou com uma paleta de cores pastel na quinta temporada do seriado Black Mirror (2011/____ ), diferente da temática do filme-evento Bandersnach. Em vez da usual crônica da vida privada sobre possibilidades de futuro HI-TEC distópico/pessimista, neste episódio vemos algo contemporâneo situado em 2018.

Black Mirror: Season 5 | Official Trailer | Netflix

Black Mirror é o convite a reflexão sobre efeito da tecnologia em nossas vidas, uma noção que se perde à medida que as facilidades vão aumentando. Você pode dizer que os dispositivos ou ‘modo de usar’ apresentados no seriado nem sejam inventados, mas o que está em jogo é que todos os dias novas tecnologias são criadas sem regulamentação jurídica ou vinculadas a um código de ética.

Quando você posta uma opinião no campo comentário, ou fotos em rede sociais, ou expia a vida alheira, curtidas, deslikes, retweets, solicita transporte, remédios, amenidades, roupas, peças de carros, aparelhos eletrônicos ou comidas, cada vez que você clica em botão aceito, seu bem mais precioso pode ser utilizado sem sua percepção: suas informações pessoais.

“Meios cada vez mais precisos para fins cada vez mais vagos, são uma característica da nossa época”.

Albert Einstein

Desde os primórdios, nossos ancestrais desenvolvem tecnologia para facilitar a execução e/ou minimizar o tempo de trabalho. Tecnologia Digital faz isto com maestria, cada vez menos intervenções humanas e cada vez mais algoritmos proporcionando autosserviço ao toque das suas mãos. Como sobra mais espaço em nossas agendas, podemos consumir outros conteúdos, e com isto, nosso tempo de vida é consumido.

Persona – Conectando você com o que importa

Após um dia de trabalho, o motorista do App de transporte vai a cafeteria, e ao ouvir o alarme de notificação dos celulares a sua volta, tem visível aumento de sudorese, demonstra irritabilidade e alteração comportamento. O intuito desta cena sem diálogos é instigar o espectador através da edição, sugerindo que o personagem apresenta sintomas de ansiedade. Geralmente, quando se menciona a palavra ansiedade, esta é sempre referida pelo escopo psicopatológico, descrição dos possíveis transtornos, sintomatologia, posologia e tratamento psicológico.

Afinal de conta, o que é Ansiedade?

Ansiedade é o medo de uma ameaça antecipada ou real e incerteza sobre a capacidade de lidar com isso, definição que consta no The Ekman Atlas of Emotions (tradução livre: Altas das Emoções de Paul Ekman). Semelhante ao sinal amarelo do semáforo (farol ou sinaleira, entre outro regionalismos do Brasil) que indica atenção, mostrando a iminência da parada obrigatória.

Por que nos sentimos ansiosos frente as situações?

A Psicologia Evolucionista, disciplina resultante da síntese entre a Psicologia Cognitiva e a Biologia Evolutiva, que engloba conhecimentos da Antropologia, Paleontropologia, das Ciências Cognitivas e das Neurociência, aponta que a perpetuação da espécie equipou seres humanos com este mecanismo biológico das emoções.

Você encontrará neste blog no texto a Psicologia das Emoções, a evolução dos estudos e embasamento teórico, mas adianto que medo é uma emoção humana, cuja função principal é preservar a vida. Se o dispositivo emocional de ansiedade de um individuo não sinaliza frente há uma situação de perigo, existe a possibilidade deste não ser humano.

Em outro texto também publicado neste blog (Por que todos desejam ser como Spock?) descrevo mecanismos do desenvolvimento biopsicossoal na Teoria Comportamental Cognitiva, mas neste ponto irei me ater aos mecanismos cognitivos do desenvolvimento humano.

“As funções executivas do cérebro humano podem ser consideradas um conjunto de processos cognitivos que de forma integrada, permitem ao individuo direcionar comportamentos a metas, avaliar eficiência e adequação destes comportamentos, abandonar estratégias ineficazes em prol de outras mais eficientes e, desse modo, resolver problemas de médio e de longo prazo (Malloy-Diniz, de Paula, Sedó, Fuentes e Leite, 2014).”

Todos os seres humanos deste planeta, independente de ter acesso a educação escolar, possuem este conjunto de capacidades. Porque aprendemos com nossas experiências, podemos ter respostas adaptativas aos problemas apresentados, é com isto, começamos em anteciparmos os acontecimentos. Então, podemos supor que em teoria, quanto maior for o repertório do sujeito, melhor será resposta frente as situações. Certo?

Daniel Kahneman, o Prêmio Nobel de Economia em 2002, afirma em seu livro Pense Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar, que há dois sistemas funcionando em paralelo no cérebro: e o que pensa depressa e é automático – ligado a memória e as emoções – e o que pensa devagar é e racional – isto leva tempo e consome energia. Podemos supor que o cérebro funciona no módulo avião (recurso que limita o consumo da bateria do seu celular), talvez por isto muitas funções são automatizadas, inclusive o pensamento.

Quando ansiedade vira doença?

De acordo com Robert L. Leahy no seu livro Livre de Ansiedade a reposta é clara e objetiva: é quando o sujeito começa sentir o medo certo na hora errada.

Uma mente pode estar com a sensação de algo está acontecendo novamente, ou que está perdendo o controle. Imagine como é ficar tentando antecipar possibilidades cuja evidências não corroboram para que se realizem?

Leahy afirma que, quando somos dominados pela ansiedade, a mente funciona 24/7, como se o botão liga/desliga estivesse sempre ligado. Um tsunami de pensamentos invade a mente do individuo, independe se a vida estiver com alegrias e as coisas estão indo bem, este fica preocupado demais com as ansiedades do passado e do futuro, que tudo que está a sua volta fica imperceptível. Isto mesmo, ao contrário do que dizem a ansiedade não é a mente pensando somente no futuro, a mente pode estar presa em algo que aconteceu e revivendo a sensação constantemente.

Ansiedade: Aviso de Utilidade Pública

Os Transtornos de Ansiedade são categorizados nos compêndios médicos CID 10 – Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde publicado pela OMS em fase de atualização para CID 11 e DSM V – Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais publicado pela Associação Americana de Psiquiatria. Para saber se você é acometido por uma psicopatologia deste grupo, é necessário um diagnóstico adequado que nenhum site de busca não dará para você. O tratamento deve ser realizado com acompanhamento psicológico e medicamentoso, dependendo do grau de comprometimento do paciente.

Aos familiares, amigos e pessoas próximas é sempre importante lembrar que tentar acalmar dizendo ‘não se preocupe’ e ‘vai ficar tudo bem’, quase nunca ajuda efetivamente. A sensações físicas e sofrimentos psicológicos são reais é devem ser tratados com empatia genuína, gentileza e cuidado.

A orientação é buscar profissionais capacitados e treinados que irão auxiliar o indivíduo e familiares o caminho da melhor qualidade de vida.

Vale ressaltar que deste ponto em diante entraremos nos questionamentos e reflexões propostos neste episódio, portanto spoilers estão chegando.

“Descobre o que você puder sobre este cara.”

No início deste episódio, vemos o motorista de App de transporte (usando um App de Mindfulness) indo pegar uma passageira na porta Smithereens, que é um App de Rede Social. Ele pergunta para a mulher se ela trabalha naquela empresa, e a resposta é: “nem estava prestando atenção no que disse, mas não, quem me dera se eu trabalhasse.”

Dia seguinte novo passageiro, mesmo local de embarque, mesma pergunta: “você trabalha na Smithereens?” O rapaz em sua primeira semana de emprego, responde com um sorridente sim. Em seguida o motorista diz: “o App esta sinalizando trânsito no caminho para o aeroporto, posso utilizar um caminho alternativo?” Duas respostas afirmativas em seguida num episódio de Black Mirror, nunca é bom sinal. O motorista pacato se revela um sequestrador armado cujo o único objetivo é conseguir contato com o ‘Todo Poderoso’ criador/CEO do Smithereens (apenas para registrar é o App de Rede Social).  

O sequestro ganha contornos dramáticos quando o carro do sequestrador é cercado por várias viaturas da polícia. Os agentes têm dificuldades identificar o motorista, pois a placa do veículo está no nome de uma mulher. Enquanto isto, o sequestrador segue com seu plano, entrega seu celular na mão do sequestrado e o ameaça a ligar na Smithereens, ao fazer o que foi mandado, o número é rastreado.

Alguns cliques depois, os funcionários da rede social fictícia conseguem, como dizem no jargão policial, levantar a capivara do sequestrador. Gostos musicais, quantidades de acessos, compras, documentos, viagens, e entre outros padrões de comportamento comum em redes sociais. Como um passe de mágica um hacker disponibiliza o áudio do celular de dentro do carro e passamos a ouvir tudo que sequestrador e sequestrado conversam. Até os agentes da polícia, que não conseguiram identificar a placa, se impressionam…

Enquanto vidas correm perigo, usar a tecnologia para nossa proteção pode ser uma estratégia fantástica. No filme V de Vingança, o terrorista V diz: “eu entendo por que o medo fez com o que as pessoas entregassem sua liberdade em troca de segurança”. Bauman fala em seus livros sobre o Medo Líquido, que ocorre em relações amorosas, conflito entre países e instituições, que deixaram a ultrapassada solidez para um estado líquido impermanente, isto é atribuído ao medo.

“Na era da informação, a invisibilidade é equivalente à morte.”

Zygmunt Bauman

Você pode me dizer que não teve escolha. O mundo ficou grande demais, populoso, globalizado e concentrou riqueza em pouquíssimas mãos, e talvez por isto, o controle comportamental pelas plataformas digitais se tornou como vilão dos filmes da Marvel Thanos se auto proclama: inevitável.

No mesmo dia da postagem deste texto, o especialista em cibersegurança Marcelo Lau em entrevista ao Programa Pânico explicando como as mídias digitais impactam sua vida.

“Quero que você apenas me escute, apenas me escute.”

Enquanto isto, o sequestrador permanece irredutível, a única maneira de evitar uma tragédia é ter que interromper o retiro de dez dias em silêncio (uma espécie de detox sem eletrônicos, sem falar e sem contato humano) do “Todo Poderoso” criador/CEO do Smithereens, que ao ficar ciente da gravidade do caso, prontamente se oferece para atender a exigência do sequestrador. Muito suspense, manipulação e jogo de poder, jurídico e assessores tentam sem sucesso demover ideia do seu chefe. Quando o criador/CEO toma a decisão, dispensa seu staff e diz a sua assistente pessoal: “a vantagem de estar na minha posição é que eu posso brincar de ser Deus”. Ele mesmo captura o número e entra em contato com o sequestrador.

Neste momento, uma pausa para reflexão. Em tradições religiosas seculares, Deus é onipresente e onisciente, ou seja, está em todo lugar e sabe tudo. A ideia de falar com o criador é um desejo antigo do ser humano, Mary Shelley assombrou o mundo literário com seu romance Frankenstein em 1816, desde de então a ficção nos brinda com a mesma dinâmica, seja em Blade Runner (1982) ou até mesmo no recente seriado Westword (2016/___ ) da HBO.

O criador/CEO se identifica no outro lado da linha, dá a voz ao sequestrador que desejava confessar uma falha, algo que vez com que ele perdesse a razão do seu viver. Apenas porque naquele instante, ele deixou o momento presente e foi olhar em seu celular, que disparou uma notificação aleatória de algo sem menor importância. O “Todo Poderoso”, com aparência messiânica de fala calma e tranquila, diz que não foi por isto que seu App foi criado. O objetivo inicial se perdeu com o tempo, cada vez mais pessoas subordinadas entravam no circuito, dando sugestões de melhorias que fizessem com que a rede social se tornasse mais atrativa, estimulante e consequentemente, mais viciante.

Não vou revelar o final do episódio, para não estragar a experiência, entenda isto como um convite. O objetivo é expor o quanto associamos ansiedade com o mundo contemporâneo em que vivemos, devido a constante eminência do perigo tecnológico e Black Mirror faz isto como nenhuma outra proposta de entretenimento.

O fato também inegável é que não há como parar a Revolução Digital. Antes bastava pensar para existir. A exigência agora é que para existir é preciso ser visto, curtido e compartilhado, nem que seja por seguidores comprados.

Talvez seja necessário regularizar, criar jurisprudência, aprender com os erros passados e ter mecanismos de segurança, pelo menos esta é a bandeira do Mark Zuckerberg, dono do Facebook.

“Não é possível que eu não possa fazer nada por você.”

Assim como no seriado, é fácil encontrar aplicativos de Mindfulness em loja de App para celular. Repare que há uma crítica no episódio na forma de utilização, o sequestrador usa Atenção Plena para aparentar calma ao manter-se na execução do seu plano. Este definitivamente não é o “para que” da Atenção Plena. Pesquisas cientificas revelam que mentes que conseguem manter-se no momento presente são mais funcionais e tem uma melhor qualidade de vida.

Recentemente, ouvi numa palestra na Taverna Medieval em São Paulo, na semana do Pint of Science, o Lama Rinchen dizendo que meditação “não é dizer o que uma pessoa deva fazer, mas guiá-la para que ela encontre a si mesmo no processo”.

Conheça a ti mesmo’, frase ainda hoje é atribuída ao filosofo Sócrates, mas tratava-se do lema dos cidadãos de Delfos na Grécia. Alegam que fora no Templo de Apolo que oráculo proclamou Sócrates ‘o homem mais sábio na Grécia’, e ele prontamente teria respondido: “se assim fosse, isso faria com que fosse o único homem que estava ciente da sua própria ignorância”. Na Enciclopédia Grega Suda do século X, há este interessante complemento à esta conhecida frase: “o provérbio é aplicado àqueles que tentam ultrapassar o que são“, ou “ainda um aviso para não prestar atenção à opinião da multidão.”

Psicóloga Masilvia Diniz

Contribua conosco, concordou, discordou ou deseja outras análises neste formato deixem seu comentário na caixa de descrição.

BLACK MIRROR – Smithereens (5S2E). Criação: Charlie Brooker: Netflix, 2019. Streaming (70 minutos).

BAUMAN, ZYGMUNT – Amor líquido. Sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004b BAUMAN, ZYGMUNT –

CONHECE A TI MESMO. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Conhece_a_ti_mesmo&oldid=55470184>. Acesso em: 12 jun. 2019.

LEAHY, Robert L. Livre de ansiedade / tradução: Vinicius Figuiera; revisão técnica: Edwiges Ferreira de Mattos, Rodrigo Fernando Pereira – Porto Alegre: Artmed, 2011. 248p.

KAHNEMAN, DANIEL. Rápido e devagar [recurso eletrônico]: duas formas de pensar / Daniel Kahneman; tradução Cássio de Arantes Leite. – Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

MANUAL DIAGNÓSTICO E ESTATÍSTICO DE TRANSTORNOS MENTAIS: DSM V [ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition], Tradução Maria Inês Correa Nascimento. Porto Alegre. Ed.: Artmed, 2014

MALLOY-DINIZ, Leandro F.; CAMARGO, (Org.). Neuropsicologia: aplicações clinicas. Porto Alegre: Artmed, 2016.p. 291.

MLA style: Daniel Kahneman – Biographical. NobelPrize.org. Nobel Media AB 2019. Thu. 20 Jun 2019. <https://www.nobelprize.org/prizes/economic-sciences/2002/kahneman/biographical/

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. CID-10 : Classificação Internacional de Doenças. São Paulo : EDUSP, 1994, 1ª ed.

Por que todos desejam ser como Spock?

“O espaço, a fronteira final. Estas são as viagens da nave estelar Enterprise em sua missão de cinco anos para a exploração de novos mundos, para pesquisar novas vidas, novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve!”.

Esta é abertura padrão de todos os episódios da consagrada série Star Trek, que no Brasil nas décadas de 80/90 passava na TV aberta com o nome de Jornada nas Estrelas. A série originalmente produzida para TV americana com 3º temporadas e 79 episódios procedimentais,

estruturados para serem histórias fechadas, tinha como elenco principal o comandante da tripulação o Capitão James T. Kirk e seus homens de confiança o oficial chefe médico Leonard McCoy e o primeiro oficial, segundo em comando e oficial de ciências Sr. Spock.

Algo particular sobre Sr. Spock era pontuado pelos demais personagens, além de ser um alienígena originário do planeta Vulcano, possuía a habilidade de resolver problemas de forma lógica desprezando emoções, é isto causava desconforto com os outros personagens do seriado. Em diversos momentos, o estranhamento era percebido quando uma resposta lógica desconsiderava valores morais e/ou questões éticas. Porque ainda hoje pessoas desejam resolver questões vitais de forma pragmática? É se isto fosse possível, o Homo sapiens evoluiria neste contexto?

Antes de seguirmos em frente, ressalto que existem várias analises psicológicas sobre a representação simbólica da tríade Kirk, McCoy e Spock, portanto nossa missão não irá por este sistema solar. Neste texto, o que irei assumir de forma isolada a dimensão que o personagem Spock ganhou em nossa cultura. Como ponto de partida, uma abordagem que é também contemporânea da série, a Teoria Comportamental Cognitiva, nos acompanhará na aventura.

Neste diário de bordo data estelar 282.17, o fenômeno eletromagnético conhecido como Efeito Murasaki 312 (citação do Episódio 17º “O primeiro em comando” da 1º Temporada) se espalha como uma tormenta no fantástico mundo da internet: o embate entre razão versus emoção.

Na ponte de comando, o Capitão Kirk ordenaria a velocidade para o início da aventura ‘Sr. Sulu, mantenha em velocidade de dobra 7’.

“É curioso como vocês humanos conseguem tantas vezes obter aquilo que não querem.”

Spock, Star Trek T03E01

Spock povoa a cultura pop mais de 50 anos. Mascote informal da Agência Espacial NASA, o ator Leonard Nimoy que imortalizou o personagem, fora recepcionado Cabo Canaveral em 1967 pelo astronauta John Glenn após o termino da primeira temporada.

Quando fora ameaçada de ser cancelada por baixa audiência no final da segunda temporada, a emissora teve a informação de quem era seu público cativo: assistido por cientistas, curadores de museus, psiquiatras, doutores e professores de universidade, a grande maioria de pessoas letradas. Se não fosse uma mobilização em massa, a série não chegaria a terceira temporada. Começou com uma enxurrada de cartas (tecnologia da época) que se igualava a série mais famosa da emissora, o The Moonkes (um grupo de rock que tinha um apelo semelhante aos The Beatles), chegando a uma manifestação de estudante do centro de Instituto de Tecnologia da Califórnia marchou para frente dos estúdios da NBC carregando cartazes dizendo “Escolham Spock” e “Poder Vulcano”. Apesar de ser efetivo, não foi eficiente, com orçamento muito menor do que as temporadas anteriores, não agradou o público e não foi renovada. Em suas reprises, ganhou público cativo e passou a fazer parte do imaginário da cultura pop.

Nas décadas seguintes, o Sr. Spock, foi reverenciado em musicas, filmes, seriados, desenhos (inclusive o aclamado The Simpson), videoclipes e até no WhatsApp tem um emoji com sua saudação típica. Inúmeras vezes o personagem Sheldon desejou ser Spock na série The Big Bang Theory ( Warner Bros. Television  em sua ultima temporada). No lançamento do terceiro filme da recente leva Star Trek: Beyond (2016), nos despedíamos de Nimoy (falecido em fevereiro/2015) e ao mesmo tempo seu filho lançava o documentário contando a vida do ator intitulado “For the Love of Spock” disponível na Netflix.

“Como eu posso ter sido tão tolo? Ao ponto de seguir uma raça alienígena inventada pela televisão? Sheldon, The Big Bang Theory. T9EP07

Se esta pergunta titulo deste texto fosse feita ao personagem da série clássica exibida de setembro entre 1966 a 1969,originalmente produzida o canal de televisão americano NBC e disponível na plataforma Netflix, provavelmente a resposta seria:

“Após algum tempo, você vai perceber que ter não é tão agradável como querer. Não é lógico, mas é normalmente verdade.” (citação do 1º episódio da segunda temporada Amok Time).

“A mudança é um processo essencial a toda a existência.”

Spock, Star Trek – T03E15

No começo anos 1960 também nos Estados Unidos, Aaron Beck com formação psicanalista (especialista na teoria desenvolvida pelo Dr. Sigmund Freud) e seus colaboradores, começaram a trabalhar em pesquisas de dados dos sonhos dos seus pacientes e encontrará um padrão de sonhos masoquistas em pacientes deprimidos. Após inúmeros estudos fizeram com que a equipe abandonasse a hipótese inicial, concluiu que “certos padrões cognitivos poderiam ser responsáveis pela tendência de o paciente fazer julgamento de si mesmo, de seu ambiente e do futuro que, embora menos proeminentes no período fora o episodio depressivo, se ativariam facilmente durante os períodos de depressão. (Beck,1967)”

Descartes cunhou a frase iluminista “Penso, logo existo”, certo? Bem, até Antônio Damásio, neurocientista em seu livro o “O Erro de Descartes” descrevendo o caso Phineas Gage, colocou em xeque está máxima, dado que a perda de massa cerebral do lobo frontal ocasiona drástica mudança de comportamento. Considerando que isto ocorre com uma porção mínima da população mundial, os que possuem o frontal intacto em teoria, possuem a capacidade de pensar. Portanto é seguro fazer a seguinte pergunta: é se o que você pensa te faz você existir em sofrimento?

Digamos que ocorreu uma situação, imagine um fato qualquer, enquanto você lê este texto ouve, por exemplo, uma freada de carro. Primeiro o barulho, instantaneamente isto pode ter mobilizado uma mudança de humor e/ou sensação física, que de acordo com a sua história de vida, gera um (ou uma cadeia de) pensamento(s), estes sendo desagradáveis podem retroalimentar as mesmas sensações físicas e/ou alterações do estado de humor. Esta mesma situação pode gerar reações distintas em pessoas diferente, ou até a mesma pessoa pode interpretar a mesma situação de formas diferentes em diferentes fases da sua própria vida. Uma mente em constante atividade, cuja as emoções tem como base o pensamento, gerando raciocínio, afetos e condutas que permitem o indivíduo ter maior ou menor percepção da realidade.

Ambiente, pensamentos, reações físicas, estados de humor e comportamento, atuam interligados, ora um protagonista e ora os demais como coadjuvantes, “os cinco mobilizam os aspectos das experiencias de vida do indivíduo.” (Padesck, 1995).

Perceba na imagem a importância do fator ambiente. Na Terapia Cognitiva Comportamental a individuo é “biopsicossocial”, gerado através da carga genética, fruto do meio o ambiente sócio-econômico-cultural e sua constituição psíquica, e a partir do seu desenvolvimento cognitivo ser capaz de se relacionar com o mundo.

“Se nosso pensamento fica atolado de significados simbólicos distorcidos, pensamentos ilógicos e interpretações erradas, nos tornamos, de verdade, cegos e surdos.” Aaron Beck

Anamnese Procedimental

Antes de iniciar esta parte do texto, peço desculpas aos fãs da série caso alguma informação esta errada e/ou suprimida. Meu conhecimento aqui apresentado é baseado na série original que ainda permanece disponível em streaming e em textos retirados da internet. Em nenhum momento tive a intenção de desrespeitar, mas apenas homenagear este personagem. Caso desejar, fique a vontade para corrigir o fato/dados encaminhando mensagem no box no final do texto.

Spock nasceu em Vulcano (planeta fictício) e foi submetido ao processo de condicionamento para hipervalorizarão do raciocínio lógico e total repressão das emoções, baseado nos ensinamentos do filósofo (também fictício) Surak que prega a lógica para guiar a vida. Através de um ritual de meditação diário, os vulcanos mantém-se em controle, sem isto, perdem de sí mesmos e se transformam em bárbaros novamente. Outro fator constitui a persona Spock, fruto da união entre a terráquea Amanda Grayson e embaixador Vulcano Sarek (ser extraterreste humanoide desse planeta fictício) por ser um hibrido, ele é não é bem aceito em sua comunidade. Sempre que possível seja por vulcanos e mais comumente por humanos, é colocado em xeque capacidade de se comportar como a cultura Vulcana demanda.

No auge da série, o ator Leonard Nimoy observava Spock como alguém que vive “lutando para manter uma atitude vulcana, uma postura filosófica vulcana e uma lógica vulcana, se opondo a aquilo que está lutando em seu interior, que era a emoção humana”.

“Fatos insuficientes convidam sempre ao perigo.”

Spock, Star Trek T01E24

O cenário está montado, já temos um personagem, uma abordagem teórica, o contexto biopsicossocial.

A ideia é sedutora, resolver questões apenas com raciocínio logico, menosprezando a existência das emoções, sendo capaz de calcular com precisão quais sãos os riscos e fazer a escolha com menor prejuízo. Ressalto aqui, se o computador de bordo forneceu corretamente os dados, o que mantem a capacidade de racionalizar dos Vulcanos não é uma característica genética, em vez disso um processo de condicionamento e autocontrole.

Ressalto que a abordagem da Teoria Cognitivo Comportamental tem como objetivo utilizar técnicas que viabilizam o minimizar o sofrimento do individuo e melhora de sua qualidade de vida. A ideia do texto e apresentar conceitos básicos que façam com o leitor perceba o cerne da questão: a maneira que o individuo conduz sua vida é baseada em capacidade cognitiva e seu constructo . Algo como: ‘somos como nos percebemos e aquilo que aprendemos ser’. Spock, por questões filosóficas e culturais, realmente acredita que suas decisões são baseadas tão somente em lógica. Fascinante!

No episódio “O primeiro comando”, uma equipe vai fazer uma exploração num planeta, dado que parte da missão espacial é informações e amostras para compor base de dados para pesquisas. Devido a um efeito eletromagnético a nave exploradora perde contato e não tem combustível suficiente para retornar a Enterprise. Após inúmeras tentativas propondo inclusive deixar tripulantes para trás, a solução foi propor uma manobra arriscada, com baixa possibilidade de sucesso e que no máximo possibilitaria ter contato visual pela Enterprise que acionaria o teletransporte.

Ao retornar a nave, Spock fora questionado pelo Capitão Kirk: “não vai admitir que a solução encontrada para salvar os tripulantes fora um ato de desespero.” A reposta de Spock não poderia ser outra: “não, foi uma solução lógica”. Kirk discorda: “mas foi um descontrole emocional” e Spock permanece em sua posição: “Não concordo.”  Kirk finaliza: “Sr. Spock o senhor é teimoso.” Spock diz: “sim, eu sou.”

No episodio ‘Amok Time‘, o Sr. Spock tem reações e falas agressivas que são reparadas por diversos tripulantes. Ao ser interpelado pelo Capitão Kirk, Spock explica que devido a uma questão biológica vulcana, os exames médicos constataram altos níveis de adrenalina e poderá morrer se não retornar ao seu planeta natal para o ritual de acasalamento. Devido a urgência, a Enterprise e desviada de sua missão e mantem-se em orbita de Vulcano. No cerimonial, a noiva prometida não aceita a união e propõem um luta entre Spock versus Kirk, que perde o embate e cai morto.

Ao ver Kirk morto, a Spock sai do estado febril e descrito pelo mesmo como “estado de loucura” que se encontrava e liberta sua noiva para que o seguir com outro vulcano. Ao subir na Nave, Spock é surpreendido ao ver o Capitão Kirk vivo (que havia recebido uma injeção do Dr. McCoy que paralisa o corpo) e demonstra com através de expressões faciais emoções de surpresa e alegria e ao alterar o tom de voz ao dizer: “Jim”.

Ao ser questionado sobre sua reação, Spock apenas diz: “foi apenas uma reação muito lógica, por não ver a frota perder um excelente capitão”. McCoy apenas diz: “que não está plenamente convencido”. É você leitor, está convencido?

“Quando você elimina o impossível, o que restar, embora improvável, deve ser a verdade.”

Spock, Star Trek VI

O embate emoção versus razão. Diversas abordagens psicológicas e os recentes conhecimentos da neurociência concordam sobre o fato é que se não fossem as emoções humanas jamais teríamos chegado tão longe como espécie.

Em sua publicação Razão, Emoção e Ação em Cena: A Mente Humana sob um Olhar Evolucionista, a pesquisadora Angela D. Oliveira, apresentou como considerações finais é “que se procurou demonstrar é que tomar decisões, comportar-se de uma determinada maneira, fazer escolhas, agir como free-rider (tradução livre: impulsivamente) ou seguir padrões morais do grupo dependem tanto de mecanismos racionais quanto emocionais. Ingênuo pensar os indivíduos da espécie humana pautando-se em avaliações de custo-benefício de suas condutas, prescindindo das emoções.”

Ressalto que Spock é, por assim dizer, meio humano e você (assim espero) é um humano inteiro.

Como complemento deste texto, recomendo o vídeo ‘Como seria viver sem emoções’ do Canal Nerdologia. O vídeo também analisa o primeiro oficial da Enterprise, além de embasar de forma cientifica a importância das emoções em humanos.  Além de simular como seria a personalidade do Sr. Spock se fosse bem-sucedida a exclusão de suas emoções, certamente, os espectadores jamais conseguiríamos nos identificar com o personagem.

Isto acontece por causa de outro conceito que valeria outro texto, a Teoria da Mente. Por enquanto, podemos dizer que além de outros atributos, é a capacidade de reconhecer nas pessoas emoções semelhantes a que individuo possui em seu repertório. É isto só é possível porque o Homo sapiens expressa emoções de forma patronizada não importando a região do globo (ou platô, como dizem por ai), língua, cor de pele como revela os estudos do Dr. Paul Ekman (mas isto é assunto para outro colega, não é Caio Ferreira).

Me despeço como Spock faria: Vida Longa e Próspera.

Contribua conosco, concordou, discordou ou deseja outras análises neste formato deixem seu comentário na caixa de descrição.

Masilvia Diniz

Bahls, S. Clair e Navolar, Ariana B. Borba. Razão, Emoção e Ação em Cena: A Mente Humana sob um Olhar Evolucionista. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Jan-Abr Vol. 22 n. 1, pp. 053-062 (2006). Brasília
Disponível: http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n1/29844.pdf

DAMÁSIO, Antonio. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. (1998) São Paulo: Schwarcz.

Greenberger D. e Padesky C. A. Vencendo a Mente com Humor: Mude como você se sente, mudando o modo com você pensa. (1999) Tradução: Andrea Caleffi. Porto Alegre: Artmed.

LISTA DE EPISÓDIOS DE STAR TREK: THE ORIGINAL SERIES. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2018. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Lista_de_epis%C3%B3dios_de_Star_Trek:_The_Original_Series&oldid=53583005>. Acesso em: 17 mar. 2018.

Nerdologia. Como seria viver sem emoções. 2015 (5m47). Disponível:
https://www.youtube.com/watch?time_continue=1&v=PO7GZ1DsPpo Acesso: 20 mar. 2019

Oliva, Angela D. Terapia Cognitivo-Comportamentais: Conceitos e Pressupostos Teóricos. (2004). Curitiba. Disponível: http://files.personapsicologia.webnode.com/200000093-024d10346f/Terapias%20Cognitivo-comportamentais.pdf

Star Trek – A caminho de Babel (Jorney to Babel) T2:E10. Criação: Gene Roddenberry: NBC, 1968. Streaming Netflix. (50 minutos).

Star Trek – Tempo de Loucura (Amok Time) T2:E1. Criação: Gene Roddenberry: NBC, 1968. Streaming Netflix. (47 minutos e 50 segundos).

STAR TREK. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2019. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Star_Trek&oldid=54072910>. Acesso em: 15 mar. 2019.

Range B. e Colaboradores. Psicoterapias cognitivo-comportamentais : um diálogo com a psiquiatria (2011). 2. ed. Porto Alegre: Artmed.

Vários Colaboradores. Livro da Psicologia (2012). Tradução: Hermeto Clara M. e Martins A. L. São Paulo: Globo