Teste de Rorschach: o teste psicológico das manchas de tinta

Muitos conhecem Rorschach através do HQ “Watchmen” que teve origem nos anos de 1986 e 1987, mas na verdade o Teste de Rorschach vai além dos quadrinhos, ele foi criado nos anos de 1910 pelo psiquiatra Hermann Rorschach.

Rorschach enquanto personagem de Watchmen (reprodução DC Comics)

O que é o Teste de Rorschach?

O Teste de Rorschach é uma técnica projetiva de avaliação psicológica que, consiste em dez pranchas de borrões de tinta, sendo cinco monocromáticas e cinco cromáticas que seguem as mesmas características específicas à simetria.

As pranchas são produzidas e impressas pela editora suíça Hans Huber desde a década de 1920, atualmente conhecida por Hogrefe Publishing Group, ligada à International Rorschach Society.

O teste é um processo de construção de imagens, resultante da ação conjunta das funções afetivas, cognitivas e intelectuais, permitindo o exame dos processos psíquicos superiores como, memória, atenção, percepção, pensamento, emoção e comunicação. Após analisar todo esse processo, temos a estrutura e dinâmica da personalidade.

Entenda de forma ilustrativa como funciona

“A experiência é muito simples, tão simples que a princípio provoca interesse e balanços de cabeça em toda parte”

– Hermann Rorschach

Como nasceu? Quem é o criador do Teste?

O Teste foi criado pelo psiquiatra Hermann Rorschach nascido em 8 de novembro de 1884 em Zurique, Suíça.

Hermann Rorschach começou suas pesquisas em 1911 e sua intenção foi voltada para o diagnóstico psiquiátrico, principalmente da esquizofrenia, nessa época, Hermann era diretor de um hospital psiquiátrico na Suíça, onde coletou dados de diversos pacientes e pessoas saudáveis.

Foram com esses dados que ele elaborou sua tese “Psychodiagnostik” que foi publicada em junho de 1921. Precocemente morrera um ano depois em 2 de abril de 1922 em Herisau, Suíça, por complicações de uma apendicite.

Após a morte, sua pesquisa ficou inacabada, seus estudos permaneceram parados, muitos estudiosos não se mostraram interessados em continuar o seu trabalho, mas com o passar do tempo, Hans Blinder se dedicou a continuar os estudos, mas não só ele, mas Emil Oberholzer, Georgi Roemer, Hans Behn-Eschenburge e Hans Zulliger, onde começaram a especializar outros, como o americano David Levy que foi o responsável por levar o Teste de Rorschach para os Estados Unidos. Também havia o alemão Bruno Klopfer e o polonês Zygmunt Piotrowski.

Testes de personalidade

Atualmente existe uma vasta quantidade de testes de personalidade, além do Rorschach temos:

  • Pfister – O teste das pirâmides coloridas, é um instrumento que fornece o entendimento da dinâmica emocional, maturidade e a personalidade do indivíduo.
  • HTP – O teste da Casa – Árvore – Pessoa, onde conseguimos investigar habilidades cognitivas e aspectos da personalidade humana.
  • Teste Zulliger – Conhecido como teste Z, é uma técnica projetiva, que analisa a capacidade de desempenho, controle emocional, funcionamento do pensamento lógico e outros feitios de personalidade. É um teste parecido com o Teste de Rorschach, ele possui três pranchas com borrões de tinta e pode ser aplicado em grupo, diferente do Rorschach que possui dez pranchas e só pode ser aplicado individualmente.

Vale ressaltar que todos os testes tem sua validade quando aplicado corretamente, e devem ser vistos como uma ferramenta de ajuda para psicólogos, psiquiatras, neurologistas entre outros.

Pode ser aplicado em todos?

O teste pode ser aplicado em qualquer pessoa em qualquer idade, desde que tenha condições de se expressar verbalmente e que tenha suficiente acuidade visual, até mesmo em pessoas daltônicas, onde deve ser informado no rapport antes da aplicação do teste.

A aplicação do Teste de Rorschach é feita individualmente, são apresentadas uma prancha de cada vez, no qual o examinando diz o que vê em cada uma delas, cabe ressaltar que não existe resposta certa ou errada, cada indivíduo vê coisas completamente diferentes umas das outras.

As respostas dadas no teste, revelam o estado da representação da realidade em cada indivíduo, demonstrando dados a respeito do desenvolvimento psíquico, das funções e sistemas cerebrais, dos recursos intelectuais envolvidos na construção das diferentes imagens, das articulações intrapsíquicas e da natureza das relações interpessoais.

Onde é aplicado?

Seu campo de aplicação é vasto, podendo ser aplicado nas seguintes áreas:

  • Antropologia – Pesquisa sobre a visão de realidade em diferentes culturas;
  • Clínica – Diagnóstico clínico, indicação seletiva de tratamento, orientação de família;
  • Jurídica – Laudo jurídico, elucidação pericial;
  • Escolar – Orientação pedagógica e orientação vocacional;
  • Recursos Humanos (RH) – Seleção de profissionais em empresas, avaliação de potencial e desempenho;
  • Esporte – Orientação e Avaliação de Potencial e Desempenho.

Rorschach no Brasil / Escola Silveira

O Teste de Rorschach chegou ao Brasil através do professor e psiquiatra José Leme Lopes, que iniciou suas pesquisas no Rio de Janeiro em 1932 e os resultados foram publicados em 1938.

Com o passar dos anos, o interesse sobre o teste entre psiquiatras e psicólogos cresceu. Em 1952 foi fundada a Sociedade Rorschach de São Paulo por Anibal Cipriano da Silveira Santos, que foi um dos pioneiros da psiquiatria no Brasil e professor de psicopatologia da USP, no qual seu interesse consistia em pesquisar e formar Especialistas.

Ao longo de sua história, os trabalhos desenvolvidos demonstram a importância de aplicar os conhecimentos do psicodiagnóstico de Rorschach aos problemas humanos da modernidade e, proporcionar reflexões para a busca de melhorias em nossas vidas. Existem várias pesquisas em andamento no Laboratório de Pesquisas e Avaliação Psicológica da Sociedade Rorschach de São Paulo, sendo destacadas duas, Adolescentes em conflito com a lei e Rorschach em crianças: normatização da população brasileira, levantando o estado atual do desenvolvimento cognitivo e emocional das crianças.

A escola de Silveira valoriza a importância do estudo das funções cognitivas que colaboram na formação das imagens, das características de personalidade específica de cada indivíduo.

Referência bibliográfica

RORSCHACH, H. Psicodiagnóstico; trad. Marie Sophie de Villemor Amaral– São Paulo: Editora Mestre Jou, 1967.

SEARLS, Damion. Teste de Rorschach; trad. Claudia Mello Belhassof – Rio de Janeiro: Darkside, 2021

SILVEIRA, A – Prova de Rorschach: Elaboração do Psicograma – 2a. ed., Campinas: EDBRAS, 1985.

SOUSA, C. C. O método de Rorschach. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1953.

por Luana de Carvalho Faria, CRP 06/177245

Psicóloga Clínica, Especialista no Psicodiagnóstico de Rorschach, Colaboradora dos Núcleos Clínico e Jurídico do Laboratório de Pesquisas e Avaliação Psicológica da Sociedade Rorschach de São Paulo.
Telefone: (11) 94021-9353
E-mail: luanafaria003@gmail.com
Linkedln: https://www.linkedin.com/in/luana-faria-8182a95b
Instagram: @luanafariapsi

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s