O Experimento de Obediência que Chocou o Mundo

O ano é 1962 e o local é um laboratório da Universidade de Yale, em Connecticut, nos EUA, foi lá que o psicólogo Stanley Milgram (1933-1984) realizou o estudo polêmico e paradigmático que você vai conhecer por esse texto.

Stanley Milgram

Judeu e de família afetada pelo holocausto, Milgram foi influenciado pelos eventos e efeitos violentos da 2º Grande Guerra Mundial e também pelo processo de julgamento de Aldolf Eichmann – um dos mais altos militares da polícia nazista SS – para idealizar seu experimento. A fim de contextualizar, segue um trecho da fala de Eichmman:

“There is a need to draw a line between the leaders responsible and the people like me forced to serve as mere instruments in the hands of the leaders” e “I was not a responsible leader, and as such do not feel myself guilty”, respectivamente, em tradução livre: “É necessário traçar uma linha entre os líderes responsáveis e as pessoas, como eu, forçadas a servir como meros instrumentos nas mãos dos líderes” e “Eu não era um líder responsável e, como tal, não me sinto culpado”.

Adolf Eichmann, durante o processo de seu julgamento, em 1961

Milgram quis investigar quais circunstâncias levavam os homens a cometer barbáries e observar até onde eles seriam capazes de chegar se houvesse um superior responsável por seus atos ou se este lhes passasse instruções para violar a integridade e inferir dor ao outro. E assim, construiu seu experimento para responder à pergunta: “pode ser que Eichmann e milhões de seus cúmplices estavam apenas seguindo ordens? Será que devemos chamá-los todos de cúmplices?”

experimento de milgram Yale estudo de memória
(Um dos anúncios de divulgação da época)

O Experimento de Milgram

O estudo foi divulgado como se fossem os processos da memória que estivem sendo investigados e, no laboratório, o argumento implicava sobre a relações entre aprendizagem e punição, visando a correção de um comportamento considerado incorreto e, assim, Milgram trouxe um total de 40 homens cobaias ao seu laboratório e estes faziam o papel de um professor que aplicava choques no aluno, sempre que ele errava a resposta, ahh, esses homens também ganhavam 4 dólares e 50 para contribuírem com o estudo.

A primeira fase do experimento compreende 3 pessoas:

  • Um laboratorista (da equipe do Milgram)
  • Um professor (desempenhado pela cobaia)
  • Um aluno (desempenhado por um ator da equipe, mas visto como cobaia pela real cobaia)

Professor e aluno se conheciam antes do teste e então iam para salas separadas onde não podiam ver um ao outro. O professor fazia uma série de associações de palavras e o aluno deveria responder corretamente. A cada resposta errada o aluno “tomava um choque” (o que não acontecia de verdade, mas a nível de efeito) e esses choques aumentavam gradativamente – começando em 15V e indo até 450V.

Experiência de milgram obediência experimento
(Sociedade dos Psicólogos, 2018, CC BY-SA 3.0)

A imagem ao lado mostra o esquema logístico utilizado para o estudo, onde:

  • E é o especialista (laboratorista)
  • C é a cobaia, que faz o papel de professor
  • A é o ator, da equipe de cientistas, que faz o papel de aluno

Conforme o teste ia decorrendo, os choques iam ficando mais intensos e o aluno (ator) que os recebia manifestava reações de incômodo e dor, até a ausência total de respostas (simulação de desmaio). Caso o professor (cobaia) relutasse em continuar o experimento, o laboratorista (especialista) dava os seguintes comandos:

  • Estímulo 1: Por favor, continue.
  • Estímulo 2: O experimento requer que você continue.
  • Estímulo 3: É absolutamente essencial que você continue.
  • Estímulo 4: Você não tem outra escolha a não ser continuar.

Antes de revelar os resultados desse experimento, faço questão de perguntar à você leitor se seria capaz de aplicar choques em uma pessoa que parece estar sentindo dor e pedindo para você parar. O que você faria se um experimento desses dependesse de você? Você causaria dor a um estranho? Se fosse você o professor, respaldado por uma equipe de cientistas apoiados em uma metodologia e que, de certo, sabem o que estão fazendo…você interromperia o estudo? Ou continuaria seguindo a função que lhe foi definida por outro? Faria com maestria e não titubearia pois seu fazer é fundamental para o sucesso do experimento? Ou faria, mas faria com culpa, vergonha e empatia? O que você faria se o seu superior lhe pedisse para fazer algo que machucasse alguém?

Resultados

Segundo o próprio Milgram: “pessoas comuns, simplesmente fazendo seu trabalho, e sem qualquer animosidade pessoal, podem tornar-se agentes de processos terrivelmente destrutivos. Além disso, mesmo quando os efeitos nocivos de seu trabalho se tornam claros e eles são orientados a continuar ações incompatíveis com seus padrões fundamentais de moralidade, relativamente poucas pessoas têm os recursos necessários para resistir à autoridade”.

Resumidamente, todos os participantes chegaram ao choque de 300V e cerca de 2/3 (65%) deram o choque final de 450V. O estudo sugere que a maioria das pessoas vai seguir as instruções de uma figura de autoridade, desde que considere esta uma autoridade legítima. O experimento foi replicado em outros países e obteve resultados semelhantes. Hoje, é impossível, do ponto de vista ético de pesquisas com seres humanos, replicá-lo.

No Cinema

Em 2015, foi lançado o longa-metragem O Experimento de Milgram (Experimenter), dirigido por Michael Almereyda e estrelando Peter Sarsgaard e Winona Ryder. O Filme aborda e ilustra bem os processos envolvidos no experimento, revelando também as reflexões e indagações do Dr. Milgram.

Para alegria da nação, está disponível no catálogo do Netflix.

o experimento de milgram netflix psicologia
(Netflix, acesso em Fevereiro de 2018)

Referências

Blass, T. (1999). The Milgram paradigm after 35 years: some things we know about obedience to authority. Journal of Applied Social Psychology, 29, (5), 955-978.

Milgram, S. (1963). Behavioral study of obedience. Journal of Abnormal and Social Psychology, 67, 371–378.

Por Caio Ferreira